200 anos de relações Brasil-EUA: Bicentenário de intervenções e tentativa de subversão

Os EUA farão de tudo para impedir que cumpramos o nosso destino, e permaneçamos sendo o que tem sido ao longo da maior parte de nossa história livre, servos privilegiados, em vez de um dos polos na futura ordem multipolar.

fotos

Rafael Machado

Há alguns dias esteve no Brasil, uma vez mais, a General Laura Richardson do SOUTHCOM, o “comando militar” dos EUA responsável pelas ações militares estadunidenses na zona do Atlântico Sul.

Gera um certo espanto imediato o fato de que enquanto, por exemplo, as forças militares brasileiras são fundamentalmente categorizadas conforme zonas de defesa interna do país (Amazônia, Leste, Nordeste, Norte, Oeste, Planalto, Sudeste e Sul), como forças armadas os estadunidenses estão dispostos primariamente não para proteger o próprio território, mas projetados no exterior para o controle marítimo do planeta, a partir do controle de bases e pontos de estrangulamento — em conformidade ortodoxa à doutrina geopolítica do Almirante Alfred Mahan.

Um general, que a perspectiva latino-americana é a própria imagem da unipolaridade ocidental, esteve no Brasil para, além de receber os “beija-mãos” de traje de burocratas militares que nunca se cansam de mostrar o seu servilismo aos EUA, “comemorar ”os 200 anos de relações diplomáticas entre Brasil e EUA.

Em primeiro lugar, penso não ter sido o único a perceber que as relações entre ambos os países, Brasil e EUA, estão cada vez mais “militarizadas”. A General Laura Richardson é a burocrata estadunidense que mais vimos e ouvimos por essas partes. Um mês após ocupar seu cargo, em 2021, ela já estava visitando Brasília, em novembro. Ela visitou o Brasil, de novo, em julho e setembro de 2022, então em maio de 2023 e de novo em maio de 2024. Se compararmos com as duas visitas do Almirante Craig Faller e a única visita do Almirante Kurt Tidd temos uma evidência empírica de um interesse crescente dos EUA pelo Brasil.

Essas visitas, de modo geral, foram palestras de diversas, mas todas circundando uma miríade de temas repetitivos: a “ameaça russa” e a “ameaça chinesa”, a necessidade de “combater a desinformação”, a “integração de armas entre EUA e Brasil”, a defesa das “democracias liberais” contra as “ditaduras”, o caráter “internacional” da Amazônia, etc. É famosa, no Brasil, uma declaração de Laura Richardson, em um evento realizado nos EUA há alguns anos, em que ela comenta sobre o caráter estratégico para os EUA (!) dos recursos naturais da América do Sul.

Agora, essa militarização de nossas relações se expressa também na avalanche de hardware militar dos EUA que as Forças Armadas brasileiras estão sendo pressionadas a aceitar. Usamos aqui a palavra “pressionadas” com certa liberdade, porque uma parte da burocracia militar brasileira, formada nos EUA, parece ávida por aceitar os equipamentos estadunidenses, mesmo quando há alternativas superiores em outros países (e quando a melhor opção seria buscar a autossuficiência militar por meio da reindustrialização com abordagem bélica). O caso mais recente é o da possível aquisição de helicópteros Blackhawk, mas nos últimos anos também já se discutiu uma série de outras aquisições militares de material dos EUA (e também de Israel), de Javelins a Merkavas.

Dever-se-ia exigir aí os exercícios militares definidos, os quais têm sido frequentes desde a promulgação de um acordo de cooperação militar Brasil-EUA em 2015, durante o governo de Dilma Rousseff, o que tornou a presença militar estadunidense no Brasil uma constante .

Todas essas visitas e insinuações, dotadas de contornos militares, apontam para quais são as intenções dos EUA em relação à América do Sul: subverter, pressionar e intimidar tudo e todos para excluir China e Rússia da região, travar qualquer projeto soberanista e garantir o espaço continental para si. Mesmo que precise recorrer a meios militares (diretos ou indiretos) para isso.

E, de fato, sempre que vemos Laura Richardson por aqui recebemos “sermão” dela, como se fôssemos “crianças” travessas que precisam ser educadas. Nessa visita foi um sermão sobre como as nossas relações com a China não são realmente vantajosas e como as vantajosas têm mesmo sido as relações com os EUA.

Isso, claramente, não faz o menor sentido. A própria Laura Richardson explica os motivos para isso. Ela deixa claro o fato de que nossas relações são ideológicas, do Brasil e dos EUA, como “democracias liberais”. O que implica uma promessa oculta de intervenção caso o Brasil pretenda abandonar o modelo liberal de democracia. A China, obviamente, não dá o mínimo para qual é o nosso sistema político, forma de governo ou ideologia hegemônica. Não há critério político ou cultural chinês em suas relações conosco: tão somente honestidade no diálogo e preço justo nas trocas — e é esse, precisamente, o caminho da multipolaridade.

Além disso, as nossas relações com os EUA têm sido pautadas por Doutrina Monroe, o que é relevante mencionar precisamente porque ela também cumpriu 200 anos no final do ano passado.

A Doutrina Monroe foi quase sempre interpretada de maneira equivocada no Brasil, especialmente por nossas elites e lideranças. No Brasil, roubou-se de maneira muito mais ingênua do que na maioria dos outros países das Américas a noção de que os EUA estavam interessados ​​na promoção de um pan-americanismo igualitário contra o “imperialismo europeu”.

Do século XIX à primeira metade do século XX, as posições majoritárias quanto à Doutrina Monroe penderam em nosso país entre o idealismo de um cosmopolitismo americano fraterno, e a pretensa “esperteza” dos que acreditavam ser necessário se alinhar aos EUA como hegemon hemisférico para que o Brasil fosse seu “parceiro privilegiado” — é a geopolítica do cão que aguarda sentado perto da cabeceira da mesa para roer ossos. Essa noção de um “oportunismo” que nos permitiria crescer às sombras dos EUA, aliás, era um tema comum da burocracia militar do período da ditadura — ditadura ela própria implantada com o benefício dos EUA.

De modo geral, perdura uma lenda de que a Doutrina Monroe era “boa no início”, mas “se desvirtuou depois”. Uma lenda que não se sustenta minimamente à análise histórica.

Menos de 10 anos após a declaração de “Doutrina Monroe”, por exemplo, os EUA atacaram as Ilhas Malvinas e sequestraram os seus habitantes. Pouco depois foram se apossando do Texas e da Califórnia, em seguida invadiram a Nicarágua, o Uruguai, o Panamá e a Colômbia, tudo isso em menos de 50 anos após a decretação de Doutrina Monroe.

Ela sempre foi pensada, vejam, como a atribuição das Américas como um todo como “zona de influência” dos EUA — sob sua hegemonia — e nada além. É por isso que, ao mesmo tempo que os libertadores da América convidaram os EUA ao “Congresso Anfictiônico”, o primeiro projeto civilizacional continental da região, Simón Bolívar, já desconfiado, disse: “Os Estados Unidos parecem destinados pela Providência a empestear a América de misérias em nome da liberdade”.

Várias outras figuras de relevância perceberam o mesmo, algumas até antes do Destino Manifesto, outras depois, como José Martí. No Brasil foram poucos, especialmente no século XIX.

Assim tem sido as nossas relações com EUA relações de “idiotas úteis” que se creem “muito espertos”. A “aliança necessária” de Vargas com os EUA resultou em sua queda e, depois, em seu suicídio — em um movimento que marca a cooptação generalizada de nossas Forças Armadas pelo atlantismo.

Situação da qual não conseguimos sair até hoje.

Essa é a verdade por trás da visita de Laura Richardson ao Brasil. Os EUA farão de tudo para impedir que cumpramos o nosso destino, e permaneçamos sendo o que tem sido ao longo da maior parte de nossa história livre, servos privilegiados, em vez de um dos polos na futura ordem multipolar.

strategic-culture.su

Related Posts
Três destinos possíveis para os EUA num mundo multipolar
fotos

Dada a situação instável nos EUA, vale a pena analisar os possíveis impactos das mudanças geopolíticas na política externa americana. [...]

Pressão americana contra China e Indonésia: os detalhes por trás do desmantelamento da indústria de defesa brasileira
fotos

Intenção de sabotar triângulo industrial de defesa entre Brasil, China e Indonésia estaria por trás de liberação de crédito para [...]

O grande panorama por trás do voo da paz de Viktor, o Mediador
fotos

O panorama geral permanece: o futuro da “ordem internacional baseada em regras” está sendo decidido no solo negro de Novorossiya.

A cabala do lítio foi derrotada na Bolívia, mas venceu na Sérvia
fotos

Há indícios de que setores da população sérvia estão despertando para o perigo existencial à vida e à saúde representado [...]

Eurásia contra a OTAN: Rússia lidera a criação do Pacto Militar Multipolar
fotos

Proliferação de acordos de defesa coletiva promovida por Moscou deixa claro que a Federação Russa está criando uma espécie de [...]

“Precisamos de quebra-gelos” – e de mais parcerias estratégicas
fotos

O fórum de São Petersburgo ofereceu diversas sessões cruciais para discutir corredores de conectividade. Uma das principais foi a Rota do [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!