A assombrosa história por trás do assassinato de Soleimani

Dias após o assassinato do general Qasem Soleimani, novas e importantes informações estão surgindo de um discurso proferido pelo primeiro-ministro iraquiano. A história por trás do assassinato de Soleimani parece ser muito mais profunda do que o relatado até agora, envolvendo a Arábia Saudita e a China, bem como o papel do dólar como moeda de reserva global

O primeiro-ministro iraquiano, Adil Abdul-Mahdi, revelou detalhes de suas interações com Trump nas semanas que antecederam o assassinato de Soleimani em um discurso no parlamento iraquiano. Ele tentou explicar várias vezes na televisão ao vivo como Washington estava ameaçando ele e outros membros do parlamento iraquiano, e até envolver atiradores nas manifestações. O mesmo modus operandi ocorrido no Cairo em 2009, na Líbia em 2011 e no Maidan (Ucrânia) em 2014. O objetivo desse cinismo era jogar o Iraque no caos.

Aqui está a reconstrução da história:

O Presidente do Conselho de Representantes do Iraque, Halbousi, conduzia a sessão parlamentar, enquanto quase nenhum dos sunitas participou. Isso ocorreu porque os americanos descobriram que Abdul-Mehdi planejava revelar segredos sensíveis na sessão e instruíram Halbousi a evitar esta ação. Halbousi interrompeu Abdul-Mehdi no início de seu discurso e pediu que a transmissão ao vivo da sessão fosse interrompida. Depois disso, Halbousi, junto com outros membros, sentou-se ao lado de Abdul-Mehdi, falando abertamente com ele, mas sem que fosse gravado. Isto é o que foi discutido naquela sessão que não foi transmitida:

Abdul-Mehdi falou com raiva sobre como os americanos haviam arruinado o país e agora se recusava a concluir projetos de infraestrutura e rede elétrica, a menos que lhes fosse prometida 50% da receita do petróleo, que logicamente Abdul-Mehdi recusou.

As palavras completas (traduzidas) do discurso de Abdul-Mahdi ao parlamento:

Foi por isso que visitei a China e assinei um importante acordo com eles para realizar a construção. Ao retornar, Trump me ligou para pedir que eu rejeitasse esse contrato. Quando eu recusei, ele ameaçou desencadear grandes manifestações contra mim que acabariam com meu governo.

Grandes manifestações contra mim materializaram-se devidamente e Trump telefonou novamente para ameaçar que, se eu não cumprisse suas demandas, ele teria franco-atiradores da marinha em prédios altos tendo como alvo manifestantes e pessoal de segurança para me pressionar.

Recusei-me novamente e entreguei minha demissão. Até hoje, os americanos insistem em rescindir nosso acordo com os chineses.

Depois disso, quando nosso Ministro da Defesa declarou publicamente que um “terceiro participante” dos protestos estava alvejando tanto manifestantes quanto pessoal de segurança (da mesma forma que Trump havia ameaçado que ele faria), recebi uma nova ligação de Trump ameaçando matar a mim e ao Ministro da Defesa se continuássemos falando sobre esse “terceiro participante”.

Ninguém imaginou que a ameaça fosse aplicada ao general Soleimani, mas era difícil para o primeiro-ministro Adil Abdul-Mahdi revelar a história de uma semana antes do ataque terrorista à Soleimani.

Eu deveria encontrá-lo [Soleimani] no final da manhã, quando ele foi morto. Ele veio para entregar uma mensagem do Irã em resposta à mensagem que tínhamos entregue aos iranianos dos sauditas.

Podemos supor, a julgar pela reação da Arábia Saudita, que algum tipo de negociação estava acontecendo entre Teerã e Riad:

A declaração do Reino sobre os eventos no Iraque enfatiza a visão do Reino da importância da desescalada para salvar os países da região e seu povo dos riscos de qualquer escalada de violência.

Acima de tudo, a família real saudita queria que as pessoas soubessem imediatamente que não haviam sido informadas da operação nos EUA:

O reino da Arábia Saudita não foi consultado sobre o ataque dos EUA. À luz dos rápidos desenvolvimentos, o Reino enfatiza a importância de exercer restrições para se proteger de todos os atos que possam levar à escalada, com graves consequências.

E, para enfatizar sua relutância pela guerra, Mohammad bin Salman enviou uma delegação aos Estados Unidos. Liz Sly, chefe de redação do Washington Post Beirute, twitou:

A Arábia Saudita está enviando uma delegação a Washington para pedir moderação ao Irã em nome dos países do Golfo Pérsico. A mensagem será: ‘Por favor, poupe-nos a dor de passar por outra guerra’.

O que surge claramente é que o sucesso da operação contra Soleimani não teve nada a ver com a coleta de informações dos EUA ou de Israel. Todos sabiam que Soleimani estava indo para Bagdá em uma missão diplomática em reconhecimento aos esforços do Iraque para mediar uma solução para a crise regional com a Arábia Saudita.

Parece que sauditas, iranianos e iraquianos estavam a caminho de evitar um conflito regional envolvendo Síria, Iraque e Iêmen. A reação de Riad ao ataque americano não demonstrou alegria ou celebração pública. O Catar, apesar de não estar alinhado com Riad em muitos assuntos, também imediatamente expressou solidariedade a Teerã, organizando uma reunião em nível sênior do governo com Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores iraniano. Até a Turquia e o Egito, ao comentar sobre o assassinato, empregavam linguagem moderada.

Isso pode refletir no medo de receber a retaliação do Irã. O Catar, o país de onde o drone que matou Soleimani decolou, fica a poucos passos de distância do Irã, situado do outro lado do Estreito de Ormuz. Riad e Tel Aviv, inimigos regionais de Teerã, sabem que um conflito militar com o Irã significaria o fim da família real saudita.

As palavras reveladas do primeiro-ministro iraquiano estão ligadas aos bastidores dos acordos geopolíticos e energéticos da região, e a imagem que começa a surgir é preocupante, de um EUA desesperado atacando um mundo que dá as costas a uma ordem mundial unipolar em favor da ordem multipolar dos emergentes.

Os EUA, agora se considerando um exportador líquido de energia como resultado da revolução do óleo de xisto, não precisam mais importar petróleo do Oriente Médio. No entanto, isso não significa que agora o petróleo possa ser negociado em qualquer outra moeda que não seja o dólar americano.

O petrodólar é o que garante que o dólar americano retenha seu status de moeda de reserva global, concedendo aos EUA uma posição monopolista da qual obtém enormes benefícios ao desempenhar o papel de hegemonia mundial.

Essa posição privilegiada de manter a moeda de reserva global também garante que os EUA possam financiar facilmente sua máquina de guerra em virtude do fato de que grande parte do mundo é obrigada a comprar seus títulos do tesouro que é capaz de não valer nada. Ameaçar esse arranjo confortável é ameaçar o poder global de Washington.

Mesmo assim, a tendência geopolítica e econômica é inexoravelmente rumo a uma ordem mundial multipolar, com a China cada vez mais desempenhando um papel de liderança, especialmente no Oriente Médio e na América do Sul.

Venezuela, Rússia, Irã, Iraque, Catar e Arábia Saudita juntos formam a esmagadora maioria das reservas de petróleo e gás do mundo. Os três primeiros têm um relacionamento elevado com Pequim e estão muito engajados no campo multipolar, algo que a China e a Rússia desejam consolidar ainda mais, a fim de garantir o crescimento futuro do supercontinente da Eurásia sem guerra e conflito.

A Arábia Saudita, por outro lado, é pró-EUA, mas pode gravitar em direção ao campo sino-russo, tanto militarmente quanto em termos de energia. O mesmo processo está ocorrendo no Iraque e no Catar, graças aos inúmeros erros estratégicos de Washington na região, a partir do Iraque em 2003, da Líbia em 2011 e da Síria e do Iêmen nos últimos anos.

O acordo entre o Iraque e a China é um excelente exemplo de como Pequim pretende usar a troika Iraque-Irã-Síria para reviver o Oriente Médio e vinculá-la à Iniciativa do Cinturão e Rota da China.

Embora Doha e Riad sejam os primeiros a sofrer economicamente com esse acordo, o poder econômico de Pequim é tal que, com sua abordagem em que todos saem ganhando, há espaço para todos.

A Arábia Saudita fornece à China a maior parte de seu petróleo e o Catar, juntamente com a Federação Russa, suprem a China com a maior parte de suas necessidades de GNL, o que está de acordo com a visão de Xi Jinping para 2030, que visa reduzir bastante as emissões poluentes.

Os EUA estão ausentes neste quadro, com pouca capacidade de influenciar eventos ou oferecer alternativas econômicas atraentes.

Washington gostaria de impedir qualquer integração euro-asiática, desencadeando o caos e a destruição na região, e matar Soleimani serviu a esse propósito. Os EUA não podem contemplar a ideia de o dólar perder seu status como moeda de reserva global. Trump está envolvido em uma aposta desesperada que pode ter consequências desastrosas.

A região, no pior cenário, poderia estar envolvida em uma guerra devastadora envolvendo vários países. As refinarias de petróleo poderiam ser destruídas em toda a região, um quarto do trânsito mundial de petróleo poderia ser bloqueado, os preços do petróleo disparariam (US $ 200 a US $ 300 por barril) e dezenas de países seriam mergulhados em uma crise financeira global. A culpa seria colocada diretamente aos pés de Trump, encerrando suas chances de reeleição.

Para tentar manter todos alinhados, Washington recorre ao terrorismo, mentiras e ameaças não especificadas de enviar a destruição de amigos e inimigos.

É evidente que Trump foi convencido por alguém de que os EUA podem prescindir do Oriente Médio, que podem prescindir de aliados na região e que ninguém jamais ousaria vender petróleo em qualquer outra moeda que não o dólar americano.

A morte de Soleimani é o resultado de uma convergência dos interesses dos EUA e de Israel. Sem outra maneira de interromper a integração da Eurásia, Washington só pode levar a região ao caos, visando países como Irã, Iraque e Síria, que são centrais no projeto da Eurásia. Embora Israel nunca tenha tido a capacidade ou a audácia de realizar tal assassinato, a importância do lobby de Israel para o sucesso eleitoral de Trump teria influenciado sua decisão, ainda mais em um ano eleitoral.

Trump acreditava que seu ataque por drone poderia resolver todos os seus problemas, assustando seus oponentes, ganhando o apoio de seus eleitores (equiparando o assassinato de Soleimani ao de Osama bin Laden) e enviando um aviso aos países árabes dos perigos de aprofundar seus laços com a China.

O assassinato de Soleimani é o ataque dos EUA à constante perda de influência na região. A tentativa iraquiana de mediar uma paz duradoura entre o Irã e a Arábia Saudita foi prejudicada pela determinação dos EUA e de Israel de impedir a paz na região e, em vez disso, aumentar o caos e a instabilidade.

Washington não alcançou seu status hegemônico através de uma preferência por diplomacia e diálogo calmo, e Trump não tem intenção de se afastar dessa abordagem.

Os amigos e inimigos de Washington devem reconhecer essa realidade e implementar as contra medidas necessárias para conter a loucura.

Fonte: Strategic Culture

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 4 =