‘A esperança acabou para Assange?’

Depois que a Suprema Corte do Reino Unido rejeitou sua petição de apelação, a esperança parece estar se esgotando para Julian Assange

assange

Julian Assange, o editor preso do WikiLeaks, está ficando sem opções para evitar a extradição para os Estados Unidos. A Suprema Corte do Reino Unido nesta semana recusou sua petição para apelar de uma decisão da Suprema Corte que abriu caminho para enviá-lo a julgamento em Alexandria, Virgínia.

Assange é acusado de cometer espionagem ao publicar informações precisas que revelaram crimes dos EUA no Iraque e no Afeganistão. Ele pode pegar até 175 anos de prisão em uma masmorra dos EUA.

Anteriomente, Assange havia ganho recurso para impedir a extradição em um tribunal de magistrados em Londres em janeiro de 2021. O juiz, que ficou do lado dos EUA em todos os pontos da lei, disse, no entanto, que ele tinha tendências suicida e as prisões dos EUA eram muito duras para mandá-lo para o tribunal americano. Depois de perder o caso, os EUA fizeram garantias diplomáticas à Grã-Bretanha de que Assange receberia assistência médica adequada e não seria submetido a Medidas Administrativas Especiais draconianas ou SAMS em uma prisão americana.

Com base nessas garantias, os EUA apelaram da decisão do juiz distrital de não extraditar para o Supremo Tribunal da Inglaterra. A Alta não contestou a decisão do tribunal de primeira instância, de que Assange estava doente demais para extraditar. Mas eliminou tudo isso exclusivamente com a força das promessas dos EUA e permitiu que a extradição prosseguisse. A Suprema Corte não duvidou que as prisões americanas fossem horríveis. Não havia dúvidas de que Assange tinha tendência suicida para ser enviado para lá. Apenas acreditava que o DOJ, o BOP e a CIA, que têm voz em casos de segurança nacional, tratariam Assange de forma humana.

Seus advogados protestaram que essas garantias deveriam ter sido apresentadas durante a audiência de primeira instância para que pudessem contestá-las. Em vez disso, o Supremo Tribunal aceitou as promessas, sem contestação.

A petição de apelação que Assange apresentou à Suprema Corte não contestou a credibilidade das promessas dos EUA, que um tribunal britânico dificilmente questionaria. Mas sim a lei sobre o momento em que essas garantias deveriam ter sido apresentadas, ou seja, durante a audiência de primeira instância e não depois. Mesmo por esses motivos estreitos, a Suprema Corte rejeitou a petição dizendo que ela não atingia uma questão de direito de interesse público suficiente.

O caso foi enviado para a secretária do Interior Priti Patel. Assange tem quatro semanas para fazer propostas a Patel para convencê-la a não mandá-lo para Alexandria.

Se Patel rejeitar os argumentos de Assange, e há todas as indicações de que ela o fará, ela enviará o caso de volta ao tribunal de magistrados onde começou, para executar a extradição. É nesse ponto que a equipe de Assange pode lançar um recurso cruzado ao Supremo Tribunal, para contestar todos os pontos de direito com os quais a juíza de primeira instância concordou quando decidiu não extraditar Assange apenas com base em sua saúde e condição das prisões norte-americanas.

Se o Supremo Tribunal rejeitar o recurso cruzado, o último recurso de Assange é o Tribunal Europeu de Direitos Humanos, mas mesmo que esse tribunal decida a seu favor, a Grã-Bretanha pode ignorar sua decisão, pois cabe aos estados membros do Conselho da Europa fazer cumprir próprias decisões.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!