“A Guerra Contra a China: Imaginando o Inimaginável”

Diretor de Inteligência Nacional dos EUA confirma que a ‘incerteza estratégica’ de Taiwan acabou

elp

Testemunhando perante o Comitê de Inteligência do Senado na quinta-feira, a diretora de inteligência nacional dos EUA, Avril Haynes, confirmou o que Biden afirmou ser a posição oficial do governo dos EUA quando prometeu enviar o exército dos EUA à guerra contra a China se atacasse Taiwan.

Durante a audiência, o congressista republicano de Utah, Chris Stewart, disse: “No passado, o presidente disse inequivocamente que responderemos com força militar se a China atacar Taiwan. E logo depois disso, o governo meio que retirou essas palavras, mas não uma, mas várias vezes.”

Ele perguntou a Haynes: “A política do governo sobre a incerteza mudou?”

Haynes respondeu: “Você está certo sobre os comentários do presidente sobre este assunto.” Ele acrescentou: “Neste caso, acho que está claro para os chineses que nossa posição é baseada nos comentários do presidente”.

Em quatro ocasiões distintas, Biden disse que os EUA entrariam em guerra contra a China por causa de Taiwan. Em setembro, em resposta à pergunta de um entrevistador: “Então, ao contrário da Ucrânia, as tropas dos EUA, americanos e americanos, defenderão Taiwan no caso de um ataque chinês?” Biden respondeu “sim”.

Após esta e todas as declarações anteriores, a Casa Branca emitiu um esclarecimento no sentido de que as palavras de Biden não refletem a política oficial dos EUA. Questionado sobre as palavras de Biden em setembro, o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan disse que Biden estava respondendo a uma pergunta “hipotética” e acrescentou: “Sempre que o presidente dos Estados Unidos quiser anunciar uma mudança na política, ele o fará. Ele não o fez.”

A declaração de Haines deixa claro que os comentários de Biden foram de fato a expressão da política oficial dos EUA e que a política de “incerteza estratégica” acabou. No passado, os EUA foram deliberadamente ambíguos sobre se entrariam na guerra ao lado de Taiwan contra a China – e isso visava conter Taipei e Pequim.

Haynes falou ao lado do chefe da CIA, William Burns, do chefe do FBI, Christopher Wray, e de representantes da Agência de Segurança Nacional e do Departamento do Interior em uma das muitas audiências da Câmara e do Senado nesta semana sobre o conflito dos EUA com a China. Seu testemunho foi baseado em uma avaliação anual divulgada pelo Diretor de Inteligência Nacional dos EUA, que afirmou que a China está tentando se tornar uma “superpotência no cenário mundial” e está tentando “minar a influência dos EUA”.

Falando ao Comitê de Segurança Interna da Câmara na quinta-feira, o deputado August Pfluger disse:

“Os EUA estão agora em pura competição com o PCC, no qual o governo chinês busca subir ao topo da ordem mundial enquanto mina o poder dos EUA por meios militares, diplomáticos e econômicos”.

Em outra audiência na quarta-feira perante o Comitê de Segurança Interna do Senado, o deputado Anthony Gonzalez, que havia acabado de retornar de Taiwan com uma delegação do Congresso, disse: “Eu sei como é a guerra, estamos em guerra.”

Então ele continuou:

“Quero dizer, isso é uma guerra, talvez uma guerra fria. Mas esta é uma guerra contra a China, e a RPC invade Taiwan no ciberespaço todos os dias… Fui piloto militar contra a China por cinco anos, tenho certeza. Quando eles voam para interceptar nossos aviões. Eles fazem isso todos os dias. E há perigo aqui, porque está tudo bem até que algo aconteça, uma faísca, se quiser, e transforme a guerra fria em quente.

Na quinta-feira, no Comitê de Inteligência da Câmara, os membros discutiram abertamente como seria a guerra contra a China. O congressista Jim Himes observou: “Rand fez um estudo que estimou que, no caso de uma guerra, o PIB da China cairia surpreendentes 25% a 30%. E o PIB dos EUA em 5-10% se houver um conflito no Estreito de Taiwan.”

Este estudo é chamado de “A Guerra Contra a China: Imaginando o Inimaginável”. A conclusão diz:

Cada lado está posicionando suas tropas mais longe e cada um tem uma capacidade crescente de detectar e atacar o inimigo, o que pode transformar grande parte do Pacífico Ocidental em uma “zona de guerra”, com terríveis consequências econômicas.

Mas a boa notícia, de acordo com os compiladores do relatório, é que a guerra pode ser “moderada” e as perdas “toleráveis”.

As ameaças contra a China nas audiências da Câmara e do Senado foram acompanhadas de tentativas de fazer da China o bode expiatório da covid-19. Abrindo a audiência do Comitê de Inteligência do Senado na quarta-feira, o senador democrata da Virgínia, Mark Warner, disse: “Para ser franco, apesar das negações da China, temos todo o direito de perguntar se o vírus que matou pelo menos 6,8 milhões até o momento não foi acidentalmente liberado de um laboratório. em Wuhan.”

A rejeição da Casa Branca à “incerteza estratégica” coincidiu com o abandono prático da política de “uma China”, ou seja, o reconhecimento de que Taiwan faz parte da China e a promessa de não encorajar o separatismo taiwanês.

De acordo com a Lei de Dotações de Defesa Nacional aprovada no ano passado, os EUA estão comprometidos em armar diretamente Taiwan. Os EUA também quadruplicaram o número de seus soldados em Taiwan e treinarão soldados taiwaneses em Michigan, informou o Wall Street Journal.

Os EUA já provocaram uma guerra na Europa Oriental, com mais de 200.000 baixas em ambos os lados, e agora estão cada vez mais alimentando o conflito com a China, a segunda economia do mundo com armas nucleares. As consequências disso para a humanidade não podem ser estimadas.

(c) André Damon

Fonte: wsws.org

Related Posts
Uma nova (e mais justa) Nuremberg
fotos

A Federação Russa continua a desempenhar o seu papel civilizador na Ucrânia, capturando, julgando e punindo os nazis que participaram [...]

Impossibilitada de escalar militarmente, OTAN aposta na retórica
fotos

Continuando sua incessante onda de escaladas na guerra contra a Federação Russa, os países da OTAN decidiram deliberar sobre “autorizar” [...]

O Ocidente já está em guerra com a Rússia, mas os seus líderes não conseguem acordar de um sonho
fotos

A OTAN está a planejar algo grande na Ucrânia? Estaremos agora à beira do início da Terceira Guerra Mundial, já [...]

Iêmen contra-ataca, visando o USS Eisenhower
fotos

As Forças Armadas do Iémen, alinhadas com Ansarallah, aumentaram as apostas no Mar Vermelho ao atacarem o porta-aviões norte-americano Eisenhower [...]

‘Líder do mundo livre’ permite genocídio e aniquilação global
fotos

Se houver alguma esperança, pode ser que a abominável realidade estimule o mundo a revoltar-se contra este sistema criminoso e [...]

Pogroms, censura, manipulação midiática: o que o Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
fotos

Israel rompe todos os limites de ultraje, humilhação e desprezo pela dignidade humana, cuja vítima há 75 anos é o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!