A medicina evolucionista modifica o entendimento sobre o homem de Neandertal

fotos

Os povos primitivos são frequentemente retratados como curvados e com uma postura mal equilibrada e como criaturas simiescas. Mas graças à reconstrução virtual da pélvis e da coluna vertebral de um esqueleto bem preservado, especialistas em medicina evolutiva da Universidade de Zurique provaram que os neandertais caminhavam com as costas eretas, como os humanos modernos.

No verão de 1908, na pequena caverna de La Bouffia Bonneval, na comuna francesa de La Chapelle-aux-Saints, foram encontrados os restos bem preservados de um homem idoso (com cerca de 60 anos) enterrado a uma profundidade de 30 centímetros em um poço retangular, 1,45 metros de comprimento e um metro de largura.

Apesar do fato de que as idéias sobre os neandertais foram primeiramente refutadas na década de 1950 e sua proximidade com o homo sapiens foi comprovada tanto em termos de filogenética quanto de seu comportamento, recentemente o pêndulo balançou no sentido de confirmar essa proximidade. O motivo foi a mais recente pesquisa de vértebras de Neandertal, cujo estudo levou os cientistas a acreditar que pessoas primitivas possuíam uma coluna em forma de “S” bem desenvolvida.

A equipe de pesquisa liderada por Martin Heusler (Martin Häusler) da Universidade de Zurique e Eric Trinkaus (Erik Trinkaus) da Universidade de Washington em St. Louis, criou uma reconstrução computacional do esqueleto do “velho de La Chapelle-aux-Saints”. Os cientistas foram capazes de mostrar que os neandertais em geral tinham uma curvatura na região lombar e na região das vértebras cervicais, como nos humanos modernos.

Ao reconstruir a pelve, os pesquisadores descobriram a mesma orientação do sacro (Sacro)  dos humanos modernos, a partir dos quais concluiu-se que a curvatura da região lombar estava bem desenvolvida. Uma curvatura ainda mais pronunciada da coluna vertebral poderia ser determinada conectando vértebras cervicais ou lombares individuais.  Por outro lado, havia sinais óbvios de desgaste causados ​​pela curvatura da própria coluna.

A posição vertical, comparável ao corpo humano moderno, também revelou na análise os sinais de desgaste da articulação do quadril do esqueleto do “velho homem de La Chapelle-aux-Saints”. “A carga na articulação do quadril e a orientação da pelve não são diferentes das nossas”, diz Martin Heusler. Esta conclusão é confirmada por estudos dos restos ósseos de outros neandertais, que têm um número suficiente de vértebras preservadas e ossos pélvicos. Segundo Heusler, “quase não há nada que indique uma anatomia fundamentalmente diferente. Portanto, é hora de reconhecer a proximidade fundamental entre os neandertais e as pessoas modernas e concentrar-se em mudanças sutis na biologia e no comportamento do povo do Pleistoceno tardio”.

De acordo com outros estudos, os neandertais diferiam de “homem moderno” por possuir uma constituição maior e ossos mais maciços, portanto, massa muscular muito mais potente e outros sinais exteriores, bem como a estrutura da orelha interna, que é o aparelho vestibular de modo que eles se moviam de uma maneira um pouco diferente.

Fonte: Pravda

 

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!