A missão unificadora da Rússia na Grande Eurásia

A rota da Seda, o cinturão de desenvolvimento transcontinental da China e Rússia.

A Rússia está se expandindo da Europa para a Ásia e quer criar um grande espaço eurasiano, unindo o território do Atlântico ao Oceano Pacífico. Este gigantesco território não confina só a Europa, de Lisboa a Vladivostok, mas a Eurásia de Portugal para a Indonésia. O processo começou – e essa integração continental continuará paulatinamente, mesmo que a Europa não encontre condições políticas para ingressar nesse processo.

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi não é o único convidado de alto escalão do Fórum Econômico Oriental. Mas se Shinzo Abe do Japão chega todos os anos, o primeiro-ministro da Malásia, o lendário Mahathir Mohamad, de 94 anos, chega pela primeira vez. Se nos últimos anos o fórum contou principalmente com a presença de líderes dos países do Extremo Oriente (Japão, Coréia) e China, agora o Sul e o Sudeste da Ásia estarão presentes.

A visita de Putin à Indonésia está prevista para breve: não apenas a sétima maior economia do mundo, mas também o maior país muçulmano. Putin fez uma visita oficial a este país apenas uma vez há muito tempo: em 2007 (e em 2013, ele veio ao fórum da APEC). Mas nas décadas de 50 e 60 a Indonésia, do presidente Sukarno era um dos principais parceiros de nosso país (União Soviética) na Ásia, só perdendo para Índia.

Há muito que o presidente Putin é aguardado em outros países do sudeste da Ásia, incluindo as Filipinas, onde nunca esteve. As relações entre a Rússia e os países da região receberam um forte impulso após a cúpula Rússia-ASEAN, realizada em novembro passado em Cingapura, mas não se trata apenas de relações bilaterais.

Os países do Sudeste Asiático, unidos no bloco econômico da ASEAN até agora, demonstram crescente interesse nos programas de integração que a Rússia e a China estão promovendo. E a Índia, que ainda está aceitando apreensivamente o fortalecimento da China na Ásia por meio da interação com a Rússia e da participação na SCO, também está prestando cada vez mais atenção ao projeto eurasiano. O Grande projeto da Eurásia.

A Grande Eurásia é o que a Rússia oferece a todos os asiáticos.

Os europeus, no entanto, também, mas primeiro eles precisam decidir sobre suas obrigações no Atlântico. O Oriente já é livre e soberano hoje. E, embora formalmente ele esteja no papel de acompanhar o Ocidente, ninguém duvida que sua época está chegando.

A Rússia oferece vários projetos econômicos existentes na Eurásia. Como foi dito, falando no Fórum Econômico Oriental, vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia Igor Morgulov, o conceito de Grande Parceria da Eurásia está aberto a todos os países e associações.

A Rússia considera tanto a União Econômica da Eurásia da Rússia quanto o programa chinês “Um Cinturão, Uma Via” e o mercado comum da ASEAN, e a convergência das economias dos países da SCO e, se desejado, a UE como os principais pontos de montagem , os elementos-chave da Grande Eurásia. Mas mesmo sem a Europa, não é apenas um mercado enorme, mas o bloco mais poderoso do mundo. Agora ele existe apenas na forma de um consultivo e principalmente dedicado aos problemas de segurança da SCO. Mas se também der a dimensão econômica e conectar a ASEAN, e até o Japão e a Coréia, a ela?

É claro que não estamos falando de uma união militar ou mesmo política, mas da aproximação dos países da Eurásia, que de fato atendem a seus próprios interesses. Não importa quantas contradições e disputas entre elas, incluindo a territorial, como entre a Índia e o Paquistão ou a China e os países do sudeste da Ásia, há interesses muito mais comuns. O principal é levar o seu destino em suas próprias mãos, ou seja, determinar as regras do jogo e a imagem do futuro. Excluindo o Ocidente – os Atlantistas da Eurásia, ou seja, se recusam a jogar de acordo com seus cenários geopolíticos, militares, ideológicos e financeiros. E não apenas aglomerando-se, mas substituindo as regras do jogo pelas suas, ou seja, elaboradas pelos esforços conjuntos dos eurasianos ou asiáticos. Essa é uma tarefa super ambiciosa e extremamente complexa. Mas o objetivo não é universal.

Mahathir Mohamad há muito tempo oferece aos países muçulmanos a criação de sua própria moeda para suplantar o dólar e as moedas europeias. Mas eles não ouviram, ou melhor, tiveram medo de se aproximar, percebendo que todas as alavancas estavam nas mãos dos “donos do cassino”, isto é, os criadores do moderno sistema financeiro e monetário. Hoje, porém, a questão da transição para a era pós-dólar já está madura e exagerada. E é precisamente na Grande Eurásia que uma nova unidade de conta terá que aparecer.

Há 40 anos, o Afeganistão tem sido uma fonte de tensão não apenas para a Ásia Central e que, como seus países vizinhos da Eurásia, deve pôr um fim ao drama afegão, garantindo ao mesmo tempo que os americanos que não têm nada a ver com o Afeganistão deixem o país. Somente os eurasianos poderiam resolver o problema nuclear norte coreano rebuscado que surgiu como a reação defensiva de Pyongyang às ameaças americanas. Uma ponte pode ser construída entre Sakhalin e Hokkaido, Rússia e Japão. Mas para isso é necessário reduzir a dependência do Japão dos Estados Unidos – isto é, uma força externa à Eurásia.

O papel da Rússia na criação da Grande Eurásia é único. Não está apenas em nossa posição especial como o único país localizado na Europa e na Ásia, mas em nosso desejo de atuar como integrador e conciliador de vários interesses conflitantes e até conflitantes. Sim, não podemos resolver disputas sino-vietnamitas de ilhas no mar da China Meridional ou a controvérsia indiano-paquistanesa sobre a Caxemira. Mas podemos ser uma força que une os dois lados na estrutura da SCO ou em projetos econômicos e de infraestrutura comuns.

Ao contrário dos atlantistas, confiamos na redução da tensão e na aproximação das posições dos rivais, e não no fomento de contradições, levando-os ao estágio de confronto, enfraquecendo ambos os lados e impondo nossa vontade e interesses sobre eles. É claro que, além de tudo, a Rússia é independente, forte em espírito e exército, rica em recursos minerais e tem uma tradição de 300 anos do “grande jogo”. Mas nosso principal valor para a Eurásia reside precisamente em nosso papel único de conectar os desconectados. É por isso que a Rússia é necessária a todos na Eurásia, e este é o nosso principal trunfo geopolítico agora.

A assembléia da Grande Eurásia é impossível apenas pelos esforços da Rússia. Mas é a Rússia que é o elemento chave que torna possível em princípio.

Fonte: Katehon.com

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =