A morte negra: como a doença afetou o desenvolvimento da Europa medieval

Ilustração de um médico medieval

O bacilo da peste bubônica é uma bactéria microscópica que conseguiu fazer uma revolução na sociedade humana. Na década de 1340, os europeus pensavam que o fim do mundo havia chegado quando a “morte negra” custou a vida de dezenas de milhões de pessoas. A peste bubônica abalou o mundo, tornando-se um poderoso ímpeto para o desenvolvimento da sociedade futura.

Os cientistas descobriram que os genes das pessoas que sobreviveram à peste foram modificados e tornaram seus descendentes mais saudáveis ​​e mais resistentes a doenças. Em tais famílias, mais crianças nasceram. Uma análise dos restos mortais dos sobreviventes da peste mostrou que essas pessoas poderiam viver mais que seus ancestrais que não pegaram a epidemia. Após a peste, a expectativa de vida aumentou. Os pesquisadores chegaram à conclusão: após a infecção em massa com o bacilo da peste, houve uma mudança na forma da biologia humana, que permitiu aos futuros europeus viverem por muito tempo e menos doentes.

Antes do advento da peste, o hospital estava envolvido em pacientes isolados, onde os médicos eram funcionários do mosteiro. O tratamento era feito com decocções herbais, orações e confissões. Na maioria das vezes, o hospital era uma espécie de abrigo de caridade para os fracos e os pobres. Mas a chegada da peste transformou o conceito de medicina, o hospital tornou-se um lugar para obter assistência médica qualificada. As universidades começaram a estudar anatomia e cirurgia, a medicina tornou-se uma ciência natural prática. O tratamento tornou-se estreitamente focalizado, hospitais começaram a ser divididos em setores de acordo com os tipos de doenças.

No auge da epidemia da “morte negra”, as pessoas acreditavam que a infecção ocorria por meio de vapores venenosos, portanto estavam ativamente engajados na desinfecção do ar com a ajuda de ervas aromáticas e perfumes. Esses tipo de ação não eram novidade para os europeus, mas em tempos de peste, a demanda pelo uso de fumigantes individuais aumentou ao máximo.

Pessoas ricas compravam água aromática da França com base em soluções de lavanda, alecrim e álcool, os pobres usavam incenso vegetal. As pessoas que tinham medo de se infectar pelos poros abertos não tomavam banho. O medo era tão forte que depois de séculos, em vez de se banharem com água, as pessoas continuavam a se perfumar, escondendo o cheiro desagradável. O medo da infecção levou ao fato de que o uso de água aromática tornou-se um hábito, e a tradição foi preservada até hoje. Mas foi durante a época da peste que a indústria de perfumes na Europa estava surgindo.

A peste bubônica ocupou a vida das pessoas diariamente, o que afetou o processo de trabalho. Artesãos e construtores experimentaram uma escassez de mão-de-obra, o que levou arquitetos a simplificar estruturas de construção. O período de “gótico perpendicular”, em que a ênfase estava em linhas verticais. Se as casas anteriores foram construídas a partir de uma grande sala onde toda a família vivia, agora as casas foram projetadas com divisórias interiores. Eles pararam de usar palhetas para construção de piso, divisórias de palha que eram mal protegidos de ratos e camundongos (portadores de infecção) foram substituídas por paredes de tijolos. A habitação tornou-se limpa, forte e confortável.

Com o advento da peste mudou radicalmente a perspectiva das pessoas. A “morte negra” não poupou ninguém, os pobres e os ricos morreram. Isso levou a humanidade à ideia de que todos são iguais diante de Deus e à divisão em classes – uma mera convenção. O tempo subsequente formou um novo gênero artístico nas artes visuais, chamada de dança da morte, denunciando a fragilidade da existência humana. A famosa tela de Peter Breygil, “O Triunfo da Morte”, é um exemplo vívido desse gênero.

Texto adaptado do Glavtema.ru

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + nove =