A Rússia aprova a produção do Sputnik V na Argentina

A Rússia aprovou a produção da vacina Sputnik V na Argentina, com produção em massa começando na próxima semana.

ucrânia

Argentina recebeu tecnologia Sputnik V

O dado foi confirmado pela ministra da Saúde, Carla Vizzotti, informou o Infobae.

A produção na Argentina será realizada pela iniciativa privada Laboratorio Richmond, que enviou três lotes dos dois componentes da vacina Sputnik V à Rússia para controle de qualidade no Instituto Gamalea.

Moscou testou e aprovou os medicamentos, o que permitirá aos argentinos aumentar a produção. Com a conclusão de uma fábrica em Pilar, em Buenos Aires, com capacidade de até 500 milhões de doses por ano, a Argentina poderá exportar a vacina.

A vacina Sputnik V COVID-19 foi a primeira disponível na Argentina.

Argentina não dependerá mais da “Big Pharma”

A Argentina, que registrou oficialmente o Sputnik V em seu território, iniciou a vacinação em 29 de dezembro de 2020 e, até 2022, terá todo o ciclo de produção da vacina Sputnik V, disse o diretor da Richmond, Marcelo Figueiras, em entrevista ao Infobae .

“Este projeto vai nos permitir construir uma das fábricas mais modernas da região, o que vai melhorar o perfil científico e tecnológico das exportações e nos preparar para os próximos desafios que podem surgir. Vai ajudar a restaurar a saúde da população do país e representam uma ferramenta fundamental para o combate aos desastres epidemiológicos do futuro., além de contribuir para uma indústria de enorme valor agregado que tem muito a oferecer ao mundo ”, disse Figueiras.

“Além disso, isso nos permitirá não depender apenas dos poderes que estão em situações como a atual. E ganharemos a competitividade necessária para atender outros mercados”, concluiu o empresário.

Vantagens do “Sputnik V”

Como explica o Infobae, o “Sputnik V” não contém nenhum elemento do coronavírus, ele se apresenta na forma de um pó, que é misturado a uma substância auxiliar para dissolvê-lo e, em seguida, injetado por via intramuscular. O medicamento usa a tecnologia de adenovírus humano de dois vetores diferentes – Ad5 e Ad26, para a primeira e segunda injeções. O Sputnik V não contém adenovírus humanos vivos, mas vetores adenovirais humanos, que não são capazes de se reproduzir e são completamente seguros para a saúde.

“Vetores” são portadores que podem introduzir material genético de outro vírus em uma célula. O gene do adenovírus que causa a infecção é removido e um gene que codifica uma proteína de outro vírus é inserido em seu lugar. Este elemento inserido é seguro para o corpo e ajuda o sistema imunológico a reagir e produzir anticorpos que nos protegem contra infecções.

A plataforma de tecnologia baseada em vetores adenovirais permite o desenvolvimento rápido e eficiente de novas vacinas.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!