A Rússia diz aos EUA que seus militares permanecerão na Venezuela, gostem ou não

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, reiterou na quinta-feira(12) que os especialistas militares de seu país permanecerão na Venezuela pelo tempo que for necessário e observou que “nem a Rússia nem a Venezuela são uma província dos Estados Unidos”.

Zakharova respondeu na sequência de Donald Trump, que exigiu que Moscou deixasse a nação sul-americana. Para Zakharova, as declarações de Trump e de outros funcionários do governo são uma tentativa arrogante de ditar a dois estados soberanos como eles devem construir suas relações.

Zakharova enfatizou que a presença de militares russos no território venezuelano não viola o direito internacional, nem a legislação do país latino-americano, negando os planos atribuídos a Moscou para criar uma base militar na Venezuela. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia insistiu que os especialistas de seu país, que chegaram recentemente a Caracas, implementaram acordos de cooperação técnico-militar e permanecerão lá pelo tempo que for necessário e pelo governo de Nicolás Maduro.

Zakharova disse que a presença militar da Rússia na Venezuela não altera o equilíbrio de poder na região, nem ameaça ninguém, ao contrário de alguns personagens de Washington. O representante do Ministério de Relações Exteriores da Rússia lembrou que o Kremlin apoia o governo legítimo de Nicolás Maduro, eleito pelo povo venezuelano, e presta assistência para estabilizar o país e resolver a crise social e econômica.

Para Zakharova, o oponente Juan Guaidó pode ter se proclamado presidente, mas isso não muda o fato de que ele “não tem poder real”, não importa aonde sua esposa vá, uma alusão da diplomata russa à visita de Fabiana Rosales a Washington , onde realizou uma reunião com Donald Trump na Casa Branca.

Zakharova denunciou novamente as ações sistemáticas dos Estados Unidos para agravar a situação venezuelana, como a imposição de sanções contra o setor financeiro, de petróleo e produção de ouro, as tentativas de fornecer ajuda humanitária a nação pela força e os atos de sabotagem contra o sistema energético da Venezuela. 

Maria Zakharova também alertou hoje sobre o acordo entre os Estados Unidos e a Holanda para a distribuição de assistência humanitária de Curaçao à Venezuela.

Segundo a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, o pacto acima mencionado parece à primeira vista apenas uma permissão para os americanos acessarem a infraestrutura da ilha do Caribe, posse holandesa no Caribe, perto da costa venezuelana.

No entanto, Zakharova chamou a atenção para o fato de o documento em questão permitir o acesso a Curaçao não apenas por civis, mas por outros, o que pode significar a mobilização de forças militares contra a Venezuela.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × cinco =