A verdade nos libertará

Roger Walters
Roger adicionou o prefácio a um post do Facebook

No meio da escandalosa e desprezível campanha de difamação do lobby israelita para me condenar como anti-semita, o que não sou, não fui, e nem nunca serei. Contra o pano de fundo da sua tentativa de me silenciar, porque dou a minha voz à luta de 75 anos por direitos humanos iguais para todos os meus irmãos e irmãs na Palestina/Israel, independentemente da sua etnia, religião ou nacionalidade. Com o lobby israelita a tentar cancelar a minha série de concertos na Alemanha, 85% dos quais já foram esgotados, o jornal nacional Berliner Zeitung publicou corajosamente uma entrevista detalhada comigo na sua edição de sábado de hoje. Muito obrigado, cavalheiros.

E aos meus fãs que compraram bilhetes para os próximos concertos na Europa, digo eu:

Não tenha medo! Irei, com certeza!

Nenhum cavalo selvagem me levará para longe desta estrada.

Esta seleção do apartheid também não irá ajudar.

A verdade nos libertará.

Com amor, Roger.

Roger Waters pode afirmar, com razão, ser a inspiração para Pink Floyd. Concebeu o conceito e escreveu todas as letras para a obra-prima The Dark Side of the Moon, escreveu a maior parte da música e todas as letras para os álbuns Animals e The Wall e compôs, sozinho, The Final Cut. Assim, no âmbito da sua atual digressão This Is Not A Drill, Roger planeja vir à Alemanha em Maio para apresentar este legado do clássico período dos Pink Floyd. Mas há um problema: devido a declarações controversas que fez sobre a guerra na Ucrânia e a política do Estado de Israel, os seus concertos na Polônia já foram cancelados, enquanto na Alemanha, organizações judaicas e cristãs exigem o mesmo. Está na hora de perguntar ao músico de 79 anos: O que é que ele quer dizer? Será que ao cancelar os concertos ele foi simplesmente mal compreendido? Seria legítimo excluí-lo do diálogo? Ou surgiu um problema social de desejo de proibir os dissidentes – como a Waters?

O músico recebe visitantes na sua residência no sul de Inglaterra. Cordial, aberto, despretensioso, mas determinado – é assim que ele permanecerá durante toda a conversa. Primeiro, porém, quer mostrar algo especial: no estúdio da sua casa, toca-nos novas versões de três faixas de The Dark Side of the Moon, que, aliás, faz cinquenta anos em Março.

“O novo conceito destina-se a captar o significado da obra, a fazer emergir o coração e a alma do álbum”, diz ele, “musicalmente e espiritualmente”. Sou o único que canta as suas canções nestas novas gravações, e não há solos de guitarra rock ‘n’ roll. É sobre a voz da razão. E diz: o que importa não é o poder dos nossos reis e líderes e a sua alegada ligação a Deus. O que realmente importa é a ligação entre nós como seres humanos, toda a comunidade humana. Nós, humanos, estamos espalhados por todo o globo, mas estamos todos ligados porque todos viemos da África. Somos todos irmãos e irmãs. Ou pelo menos primos distantes. Mas a forma como nos tratamos uns aos outros está a destruir a nossa casa, o planeta Terra, e mais rapidamente do que podemos imaginar. Por exemplo, aqui mesmo, agora mesmo, em 2023, estamos envolvidos numa guerra por procuração com a Rússia na Ucrânia, que já dura há um ano. Porquê?

OK, um pouco de história: em 2004, o Presidente russo Vladimir Putin estendeu a mão ao Ocidente numa tentativa de construir a arquitetura de paz na Europa. Está tudo documentado. Explicou que os planos ocidentais de convidar a Ucrânia para a OTAN após o primeiro golpe de Maidan representavam uma ameaça existencial completamente inaceitável para a Federação Russa. Ele disse que ao fazê-lo estariam a atravessar uma linha vermelha que poderia acabar em guerra. Portanto, vamos tentar reunir-nos à volta da mesa de negociações e chegar a acordo sobre um futuro pacífico. Mas as suas aspirações bem intencionadas foram rejeitadas pelos EUA e seus aliados da OTAN. Desde então tem defendido consistentemente a sua posição, enquanto a OTAN tem defendido consistentemente a sua posição de “lixar-te”. E aqui estamos nós agora”.

Sr. Waters, fala sobre a voz da razão, a ligação profunda de todas as pessoas. Mas quando se trata da guerra na Ucrânia, fala-se muito sobre os erros dos EUA e do Ocidente, não sobre a guerra e a agressão russa. Porque não protestam contra as ações cometidas pela Rússia? Sei que apoiou a Pussy Riot e outras organizações de direitos humanos na Rússia. Porque não está a atacar Putin?

“Antes de mais, se lerem a minha carta a Putin e os meus artigos sobre o surto de guerra em Fevereiro…”

…Chamou-lhe “gangster”…

“Sim, houve isso. Mas posso ter mudado um pouco de ideias no último ano. Há um podcast de Chipre chamado The Duran. Os anfitriões falam russo e podem ler os discursos de Putin no original. Os seus comentários sobre isto são claros para mim. A razão mais importante para o fornecimento de armas à Ucrânia é claramente o lucro para a indústria de armamento. E pergunto-me: será Putin um gangster maior do que Joe Biden e todos os responsáveis pela política americana desde a Segunda Guerra Mundial? Não tenho tanta certeza! Putin invadiu o Vietnam ou o Iraque? Será que ele?”

A razão mais importante para o fornecimento de armas é esta: é para apoiar a Ucrânia, para vencer a guerra e para parar a agressão russa. Parece ver as coisas de forma diferente.

“Sim, provavelmente não devia, mas agora estou mais aberto a ouvir o que Putin está realmente a dizer. Ao ouvir fontes de informação independentes, compreendo que governa cautelosamente, tomando decisões baseadas no consenso no governo russo. Há também intelectuais críticos na Rússia que se têm oposto ao imperialismo americano desde os anos 50. E a ideia central sempre foi: “A Ucrânia é uma linha vermelha. O país deve permanecer neutro, um território tampão. Se não o fizer, não sabemos aonde irá levar”. E ainda não sabemos, mas pode acabar na Terceira Guerra Mundial”.

Em Fevereiro passado, foi Putin quem decidiu lançar um ataque.

“Ele iniciou o que ainda chama uma ‘operação militar especial’. Ele iniciou-o, se bem entendi, pelas seguintes razões:

1. Queremos deter o genocídio potencial da população russófona de Donbass.

2. Queremos combater o nazismo na Ucrânia.

Há esta Alina, uma adolescente da Ucrânia, com quem me correspondi em longas cartas. Eu escrevi: “Ouço-vos. Eu compreendo a vossa dor”. Ela escreveu de volta, agradecendo-me, mas sublinhando que tinha a certeza de que eu estava errado: “Tenho 200% de certeza de que não há nazis na Ucrânia”. Respondi novamente: “Desculpa, Alina, mas és tu que estás errada. Como se pode viver na Ucrânia e não saber isso”?

Não há provas de que tenha havido um genocídio na Ucrânia. Dito isto, Putin tem repetidamente sublinhado que quer a Ucrânia de volta ao seu império. Putin disse à ex-Chanceler alemã Angela Merkel que o dia mais triste da sua vida foi em 1989 (1991, nota), quando a União Soviética entrou em colapso.

“A palavra ‘Ucrânia’ não é a palavra russa para ‘periferia’? Durante muito tempo fez parte da Rússia e da União Soviética. É uma história complicada. Creio que durante a Segunda Guerra Mundial, uma grande parte da população da Ucrânia ocidental optou por colaborar com os nazis. Eles mataram judeus, ciganos, comunistas e qualquer outra pessoa que o Terceiro Reich quisesse destruir. Até hoje existe um conflito entre a Ucrânia ocidental e o sudeste da Ucrânia (Crimea e Donbass). Há muitos ucranianos de língua russa porque este território faz parte da Rússia há centenas de anos. Como se pode resolver um problema deste tipo? Não pode ser feito pelo governo de Kiev, nem por uma vitória dos russos. Putin sempre salientou que não está interessado em assumir a Ucrânia Ocidental ou invadir a Polônia ou qualquer outro país. O que ele diz é o seguinte: quero proteger a população de língua russa nas partes da Ucrânia onde se sentem ameaçadas pelos governos de extrema-direita influenciados pelo golpe de estado de Maidan em Kiev. O golpe de Estado de 2014, que reconhecidamente foi organizado pelos Estados Unidos”.

Related Posts
A UE no fio da navalha
fotos

E segue-o sem honra nem glória num inevitável declínio da economia à cultura. Nem algo diferente era de esperar. Aquilo [...]

Postura Hipócrita sobre a Guerra de Gaza
fotos

Os Estados Unidos vetaram mais uma resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas que pedia um cessar-fogo imediato em [...]

O Eixo da Assimetria assume a ‘ordem baseada em regras’
fotos

A Terceira Guerra Mundial está aqui, desenrolando-se de forma assimétrica em campos de batalha militares, financeiros e institucionais, e a [...]

Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!