Análise: País sofre investida conservadora sem precedentes, que supera até distopias da ficção

fotos
Tentativa de urgência na PL 1904 no Congresso revela muito sobre os retrocessos promovidos pela atual legislatura. Projeto ignora, desvia e distorce fatos, como o de que o aborto é um evento comum na vida das brasileiras. Arte de Flávio Soares sobre foto de Brynn Anderson / AP

Claudia Bonan/Nanda Duarte

Ficções distópicas nos afetam porque, ao mesmo tempo em que causam estranheza, parecendo escapar à compreensão lógica e inteligibilidade histórica, margeiam as suas fronteiras e de lá nos espreitam, como se perguntando: “e se…?”

Transformada em série televisiva de grande sucesso, a conhecida novela de Margareth Atwood, “O conto da Aia”, tem ressoado essa angústia entre muitas mulheres brasileiras frente ao cenário político dos últimos anos. E se estivermos mais próximas das aias do que jamais imaginamos?

O giro conservador que espreita o Brasil do século XXI, que agora bate forte em nossas vidraças, é um retrocesso. Uma volta a um lugar que críamos haver ultrapassado. Mas e se representar algo para além disso?

E se estivermos sendo arrastadas para um projeto de sociedade supremacista, fundada jurídica e ideologicamente na misoginia e no racismo? E se estivermos instituindo a legalidade e legitimidade da fratura entre humanos e não humanos?

Nesse sentido, a tentativa de aprovar no Congresso a tramitação em regime de urgência do PL 1904 – cunhado PL da gravidez infantil, da gravidez forçada ou do estupro pelas feministas – revela muito. Mas, também, ignora, desvia e distorce fatos.

Depois de protestos que levaram milhares às ruas, os deputados se viram obrigados a anunciar, na terça-feira 18 de junho, a criação de uma comissão com integrantes de todos os partidos para debater esse projeto no segundo semestre. É uma medida para ganhar tempo face às grandes manifestações contrárias.

O projeto em questão ignora que o aborto é evento comum na vida das mulheres brasileiras. A Pesquisa Nacional do Aborto (PNA, 2021) mostrou que 10% das mulheres entre 18 e 39 anos de idade já haviam realizado ao menos um aborto na vida, sendo que em 52% dos casos elas tinham 19 anos ou menos quando fizeram o primeiro aborto. Ignora ainda que abortos realizados em condições inseguras têm sido uma das causas mais comuns de mortalidade.

Quando reivindica mais restrição ao aborto legal, esse PL desvia o foco do fato de que a atual legislação sobre aborto no Brasil já é bastante restritiva, permitindo a interrupção da gestação somente em caso de gravidez resultante de estupro, risco à vida da gestante e anencefalia fetal.

Enquanto a Pesquisa Nacional do Aborto estima que meio milhão de abortos induzidos foram realizados pelas brasileiras em 2021, apenas dois mil procedimentos legais foram realizados no mesmo ano, em todo o país. Em 2019, apenas 3,6% dos municípios brasileiros contavam com algum serviço de aborto legal, com grande concentração na região Sudeste.

Ao propor ampliar a criminalização das pessoas que abortam, incluindo as vítimas de violência sexual que realizam aborto legal, o PL produz a perversa distorção de revitimizar as mulheres, colocando-as no banco dos réus com penas superiores às de seus estupradores.

O PL localiza no aborto legalizado um “crime” mais hediondo do que a violência sexual de que essas pessoas foram vítimas. Hedionda, na verdade, é a realidade em que mais de 20 mil meninas menores de 14 anos “viram mães” anualmente no país, em decorrência de estupro de vulnerável, sendo-lhes negado o direito ao aborto legal.

Apenas 100 (cem!) meninas por ano, têm acesso à interrupção da gravidez decorrente de estupro. Trata-se, portanto, de um projeto alinhado aos mecanismos sistemáticos de proteção ao estuprador e anulação dos direitos das vítimas que caracterizam a cultura do estupro no país.

Uma agenda de retrocessos para o país

O PL 1904 revela as veias abertas do projeto conservador da extrema direita brasileira, que visa o retrocesso em uma agenda de direitos reprodutivos construída a duras penas desde 1940. Equipara o Brasil a países autocráticos, muitos dos quais teocracias fundamentalistas. Ao legitimar a tortura da gravidez forçada, viola a dignidade e preceitos fundamentais de meninas, mulheres e pessoas que podem gestar.

Também aprofunda a criminalização, a estigmatização e a desumanização das populações negras, periféricas e pobres, pois são as mulheres e pessoas negras as que mais morrem em consequência de abortos inseguros, as mais processadas por aborto e as que mais encontram barreiras nos cuidados pós-aborto.

A “defesa da vida” feita pelos parlamentares que promovem o PL da gravidez forçada é um jogo cínico e monetizado. Ela não alcança as vidas de crianças e adultos perdidas pela violência policial em favelas e bairros pobres, não chega às crianças abusadas por autoridades religiosas, políticas e outros poderosos e nem àquelas desaparecidas nas malhas das redes de tráfico de seres humanos.

O que vislumbram é o controle dos corpos e sexualidades das mulheres e pessoas que podem gestar, principalmente das populações subalternizadas. E o controle de corpos e sexualidades é capital político e moeda de troca de jogos de interesses e barganhas para maximizar ganhos econômicos, políticos e simbólicos no parlamento brasileiro – uma espécie de “economia política do sexo”, como discutiu a antropóloga norteamericana Gayle Rubin.

A farsa argumentativa não para por aí. Os grupos extremistas que propõem o PL 1904 são os mesmos que atuam deliberadamente para impedir políticas públicas de saúde sexual e reprodutiva que poderiam, inclusive, contribuir para o enfrentamento da cultura do estupro.

São os mesmos que se posicionam contra a educação sexual nas escolas, mais acesso a métodos contraceptivos e a ampliação da oferta dos serviços de aborto legal em todo o país, melhorando o acesso aos cuidados em tempo oportuno, em situações de aborto.

O Código Penal brasileiro de 1940 não estipula um tempo gestacional máximo para a fruição do direito ao aborto em nenhum dos casos previstos. Com o PL 1904, tenta-se introduzir um limite temporal para a interrupção da gravidez resultante de estupro, quando o motivo primário que fundamenta a exclusão de ilicitude – a violação sexual – permanece contraditoriamente intocado.

Desse modo, no projeto das forças extremistas de direita, a cultura do estupro chega a uma radicalidade que aprofunda e expõe o ódio e a desumanização das mulheres e, de maneira mais específica, dos corpos pobres, pretos e periféricos.

Se, nestes dias, é o direito ao aborto legal em caso de estupro que está em questão, espreitam nas gavetas do parlamento brasileiro o estatuto do nascituro, o retorno do trabalho infantil, os projetos de lei que solapam a Lei Maria da Penha, a lei do feminicídio, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o reconhecimento de direitos humanos e de cidadania das populações LGBTQIA+ e os direitos fundamentais da população encarcerada, entre outros.

Essas propostas não são peças soltas. Compõem uma agenda dentro e fora das casas legislativas que envolve a organização política dos fundamentalismos religiosos, dos milicianismos, dos movimentos supremacistas masculinistas (como Red pill e Incell), sob as bençãos do rentismo nacional e global, que nenhuma ilusão de bem-estar, inclusão e vida em comum tem mais a oferecer.

As mulheres e a sociedade democrática reagem

O avanço da tramitação do PL da gravidez forçada gerou fortes reações das forças democráticas da sociedade, o que levou a um recuo temporário e estratégico na votação do projeto. Porém, não se pode mais baixar a guarda na mobilização contra os retrocessos. Não se trata de um somatório de investidas conservadoras isoladas, mas de um projeto de país.

É urgente não somente responder aos ataques do conservadorismo de extrema direita, como o PL 1904 e outros, mas avançar com coragem na construção de um projeto robusto de uma sociedade de justiça – e que só pode ser de justiça se for de gênero, étnico-racial, erótica, econômica, social, climática.

Um projeto em que não cabem mais titubeios na defesa do aborto livre, cuidado e irrestrito, em nome de uma (impossível) conciliação com aqueles que vivem do ódio às mulheres, do racismo e da homofobia. Como é necessário que façamos acontecer para que aquela pergunta breve – E se…? – não cause o arrepio sombrio de sentir que a distopia se avizinha.

theconversation.com

Related Posts
Os europeus são prisioneiros do “centro” político ocidental!
fotos

Ao cristalizar-se num centro monolítico e cada vez mais obsoleto, a “democracia” liberal anuncia a sua morte, escreve Hugo Dionísio.

Reflexões de Maio: A multipolaridade é a esperança dos trabalhadores em todo o mundo
fotos

Maio é um dos meses mais importantes do ano. Este mês são comemoradas diversas datas relevantes, a começar pelo Dia [...]

Polêmica: em busca da soberania perdida
fotos

A globalização está em crise. Direita deu-se conta e evoca ideia de nação que se liga a Propriedade, Privilégio e [...]

Explicando a política de Lênin e as ações de Putin na Ucrânia
fotos

O que Putin está fazendo é combater a violação da autodeterminação da Rússia. Ao expulsar a OTAN da Ucrânia, ele [...]

Soberania para todos. Neocolonialismo e a luta contra ele
fotos

Uma falha significativa no sistema econômico mundial criado após o colapso da URSS e da comunidade socialista é a extrema [...]

A prisão de Bolsonaro está próxima?
fotos

A prisão do ex-presidente Bolsonaro será a próxima? Essa é uma pergunta que muitos brasileiros fazem atualmente. Com tantas polêmicas [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!