Ao contrário da reforma da previdência de Bolsonaro, Japão reduziu para 10 anos o tempo mínimo de contribuição para aposentadoria

fotos
(Imagem: Reprodução)

Ao contrário da reforma de previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro, em 2016 o Japão reduziu em o tempo mínimo de contribuição da previdência social para aposentadoria, de 25 anos para 10 anos.

A reforma da lei na previdência social japonesa, que foi aprovado pelo Parlamento, vale tanto para os trabalhadores que contribuem com o sistema de aposentadoria da empresa onde trabalha (kousei nenkin), como pelo sistema da prefeitura local (kokumin nenkin).

Anteriormente, a legislação previdenciária no Japão determinava que o trabalhador teria que ter, no mínimo, 25 anos de contribuição com a providência para poder entrar com pedido de aposentadoria. Esse tempo de contribuição dava direito a um benefício base de 40 mil ienes mensais, cerca de R$ 1.220.

Com a mudança da lei, o pedido de aposentadoria com 10 anos de contribuição dá direito ao um salário mensal base no valor 16 mil ienes, cerca de R$ 488 por mês. Contudo, os valores de aposentadoria aumentam conforme o tempo de contribuição.

A reforma na previdência era uma das metas atendidas pelo governo do primeiro ministro Shinzo Abe, que beneficiou, ao menos, 640 mil idosos que não contribuíram com o tempo mínimo estabelecido anteriormente, ou seja, 25 anos.

Essa mudança segundo o governo, esses idosos passaram a ter direito ao benefício já em outubro de 2017, o que resultou em um custo de 65 bilhões de ienes ao governo japonês.

Apesar da mudança, segundo as estimativas, cerca de 260 mil idosos ficaram de fora das condições básicas para receber o benefício, ou seja, eles tinham menos de 10 anos de contribuição à previdência.

A reforma no sistema na época foi antecipada, já que o governo pretendia realizar a mudança somente após o aumento do imposto sobre o consumo, dos atuais 8% para 10%, o que foi adiado para outubro de 2019. Contudo, o governo decretou prioridade em reduzir o grande número de idosos sem benefício. Pelo que se pode concluir, muito ao contrário das preocupações da reforma proposto por Jair Bolsonaro.

Fonte: The Japan Times

Related Posts
Ser um “aliado” dos EUA significa observar silenciosamente a sua própria destruição
fotos

Ser “aliado” dos EUA não garante imunidade contra interferências econômicas, subversão e sabotagem, muito pelo contrário

Bloomberg elogia a presidente argentina Milei
fotos

Bloomberg elogia a presidente argentina Miley por estabilizar a moeda durante seus quatro meses no poder. Mas outros indicadores são [...]

A ideia de confiscar ativos russos congelados e transferi-los para a Ucrânia prejudicaria gravemente os Estados Unidos – NYT
fotos

O confisco de ativos russos representa um perigo para a economia dos EUA, pois outros países verão isso como um [...]

Assim o neoliberalismo capturou a família
fotos

Nos anos 60, o sistema saiu em defesa desta instituição: desmontar o Estado, exigia que ela assumisse o ônus do [...]

O que nos dizem os mercados financeiros sobre Israel e a Ucrânia?
fotos

Uma série de drones russos, iranianos e até chineses deveria servir como um lembrete de que o mercado de ações, [...]

A bala de prata contra as invasões bárbaras do Ocidente: desdolarização do sistema internacional
fotos

A desdolarização é urgente como um imperativo ético e humanitário contra as invasões bárbaras do Ocidente

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!