Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Apesar dos percalços o gasoduto Nord Stream 2 avança da Rússia para a Europa

Representantes da operadora Nord Stream 2 anunciaram a quase finalização da colocação de tubos na zona econômica exclusiva da Suécia. O trabalho deve ser concluído em outubro. A última fronteira do gasoduto é a Dinamarca, que ainda não permitiu a construção em suas águas territoriais, e os Estados Unidos com novas sanções.

Tempo é dinheiro

Uma semana atrás, o último lote de tubos para a construção da SP-2 (sigla transliterada do russo “Severnogo Potoka-2” ou em inglês Nord Stream 2) deixou o porto sueco de Karlshamn. Segundo representantes do operador do projeto (Nord Stream 2 AG), a implantação da seção sueca de 510 quilômetros será concluída em outubro deste ano: o primeiro dos dois dutos já está pronto, e a instalação final do segundo começará em 1º de setembro.

A extensão total do gasoduto deve ser de aproximadamente 1.200 quilômetros (por cada duto) e a capacidade total – cerca de 55 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. No total, mais de 1.700 quilômetros de tubos foram instalados na Rússia, na Finlândia, na Suécia e na Alemanha no momento. Isso significa que 70% do SP-2 está pronto.

A empresa advertiu a Agência de Energia da Dinamarca que o trabalho relacionado já custou 100 milhões de euros e exigiria um adicional de 560 milhões de custos adicionais no futuro (custo inicial total do projeto – 9,5 bilhões). Ao mesmo tempo, o período final de construção atrasará em oito meses – isto é, no segundo semestre de 2020. Embora a extensão total da seção dinamarquesa seja de aproximadamente 130 quilômetros, segundo o chefe da Gazprom, Alexei Miller, ela pode ser construída em cerca de cinco semanas.

Os representantes da operadora não confirmaram os números fornecidos pela Reuters, mas disseram que um atraso de vários meses resultaria em uma perda de centenas de milhões de euros.

Apesar de todo o trabalho estar sendo concluído a tempo, ainda não está claro se o projeto será totalmente implementado antes do final deste ano, como planejado anteriormente. O fato é que a Dinamarca ainda está no caminho do gasoduto, que ainda não emitiu uma licença para colocar as tubulações ao longo do fundo de sua plataforma.

Segundo a Reuters, em abril, a operadora de dutos reclamou com as autoridades dinamarquesas que o conselho de energia do país estava fazendo de tudo para atrasar a construção. Em particular, em Março, a Nord Stream 2 AG foi convidada a apresentar a aplicação de uma outra via alternativa de colocação de SP-2, já é a terceira consecutiva.

Por conseguinte, o operador do SP-2 retirou o pedido inicial de licença apresentado há mais de dois anos e decidiu concentrar-se em duas rotas fora das águas territoriais da Dinamarca (noroeste ou sudeste da ilha de Bornholm). Essa informação consta no site da empresa.

Talvez essa decisão também leve a custos adicionais e o adiamento do comissionamento do gasoduto por algum tempo. Mas isso não significa que os custos recairão sobre os ombros da Gazprom, porque o financiamento do projeto é dividido igualmente entre o monopólio russo do gás e um consórcio de empresas europeias (austríaco OMV, francês Engie, britânico-holandês Royal Dutch Shell e alemão Uniper e Wintershall).

Sanções Americanas

Em Washington, eles também estão tentando impedir a construção da SP-2. No início de agosto, o Comitê de Relações Exteriores do Senado aprovou um projeto de lei sobre sanções contra as empresas que fornecem navios para a instalação do oleoduto – Allseas e Uniper.

Os Estados Unidos estão cientes de que a implementação do projeto SP-2 não permitirá que empresas americanas produtoras de gás natural liquefeito (GNL) assumam o lugar da Rússia no mercado europeu de energia, já que não podem resistir à concorrência de preços com combustível de dutos. Para Washington, a situação é agravada pelo fato de que Moscou supera os americanos em suprimentos de GNL. Segundo o grupo internacional de importadores de GNL (GIIGNL), no ano passado a Rússia vendeu 4,43 milhões de toneladas desse tipo de combustível para a União Européia, e os Estados Unidos – apenas 2,7 milhões.

“Estamos assistindo isso com interesse … Mas no momento não vemos nenhum bom motivo para preocupação”, – disse representantes da Uniper.

A maioria dos especialistas está convencida de que o pânico é inadequado aqui. Assim, o pesquisador sênior do Instituto de Pesquisas Energéticas de Oxford, Jonathan Stern, classificou as tentativas dos EUA de impedir a construção do gasoduto de “duvidoso” e as comparou com as ações malsucedidas que o país adotou na era Reagan para interromper o fluxo de gás soviético para a Europa.

“Então, todas essas medidas não tiveram efeito, e, eu acho, podemos esperar o mesmo hoje”, cita Stern Bloomberg. “Provavelmente é tarde demais para fazer qualquer coisa, porque a maior parte do pipeline foi colocada. A menos que os EUA vá introduzir sanções retroativas, que acredito, causarão uma verdadeira tempestade neste lado do Atlântico. “

Os investidores alemães também se opõem às restrições. “Sanções dos EUA em projetos recentes  prejudicaram empresas de países aliados como Alemanha, França, Itália, Holanda, Áustria e Suíça”, alertou Wolfgang Büchel, chefe do Comitê de Economia Alemã, em entrevista ao Die Welt.]

Fonte: RIA Novosti – texto traduzido por OPP.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 15 =