Arábia Saudita. Ataque Houthis atingiu o coração e a economia do mundo!

fotos

Ao danificar as instalações de petróleo sauditas com drones, o aliado Houthis do Irã demonstra indiretamente a capacidade de Teerã em abalar o mercado de ouro negro.

Um verdadeiro terremoto abalou no sábado, 14 de setembro, a aliança inquebrável entre os Estados Unidos, a principal força militar do mundo, e a Arábia Saudita, a principal produtora do ouro negro. Ao reivindicar um ataque de drones a uma das duas principais instalações da gigante petrolífera saudita Aramco, os rebeldes Houthis no Iêmen não apenas provou sua capacidade de atingir seu poderoso vizinho no coração, mas principalmente o Irã em  paralisar a economia mundial em caso de guerra com os Estados Unidos e seus aliados sunitas do Golfo.

Os incêndios causados ​​pelo ataque levaram a uma “suspensão temporária” das atividades nas refinarias de Abqaiq e Khurais (5,7 milhões de barris por dia), segundo o ministro da Energia da Arábia Saudita. Em conversa pública com Donald Trump, o príncipe herdeiro saudita Mohammed Ben Salman disse que “tinha vontade e capacidade de enfrentar e responder a agressões terroristas”, enquanto a Casa Branca condenava “Ações violentas contra áreas civis e infraestrutura vital para a economia global”. “Teerã está por trás de cem ataques contra a Arábia Saudita, enquanto (o presidente iraniano Hassan) Rohani e (seu ministro das Relações Exteriores Mohammad Javad) Zarif afirmam se envolver apenas em questões diplomáticas. O Irã lançou um ataque sem precedentes ao suprimento de energia do planeta “, disse o secretário de Estado Mike Pompeo.

Uma estratégia de guerra assimétrica

A declaração de Mike Pompeo, um defensor de uma linha dura com a República Islâmica, assim como o fanático assessor de segurança nacional John Bolton, demitido na semana passada por Donald Trump, ilustra a disposição de falcões intactos da Casa Branca para lutar com o Irã. E para torpedear um possível tentativa de degelo nas relações EUA-Irã, quando acontecerá a Assembléia Geral das Nações Unidas em Nova York daqui alguns dias.

A estratégia desses mesmos falcões – rompendo o acordo nuclear iraniano, tornando as sanções econômicas contra o Irã o mais difícil possível para provocar a queda do regime – está em um impasse. Com a ajuda de seus aliados chineses e russos, o governo iraniano ainda consegue vender parte de sua produção de petróleo e gás

Quanto a uma escalada para a guerra, o aliado dos Houthis, Teerã, acabou de dar uma amostra disso com este sofisticado ataque de drones, lançado a centenas de quilômetros de distância. Excedido em termos de forças convencionais com equipamentos militares (tanques, aviação, marinha) datados da época do xá, o Irã estabeleceu uma estratégia de guerra assimétrica para tornar insuportável o custo de um conflito aberto com os Estados Unidos, Israel e petro-monarquias do Golfo. Graças a seus “representantes” no Iêmen, Iraque, Líbano e seus mísseis balísticos, Teerã tem a capacidade de paralisar o Estreito de Ormuz, através do qual passa mais de 20% da produção mundial de petróleo. Mas também para atingir os locais de produção de hidrocarbonetos nos Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Arábia Saudita.

No último G7 em Biarritz, a visita surpresa do chefe da diplomacia iraniana sugeriu uma possível saída da crise entre Teerã e Washington. Uma perspectiva que pode ter quebrado, sábado, 14 de setembro, nas chamas das refinarias de petróleo da Aramco.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!