Arqueólogos encontraram evidências de uma das torturas mais cruéis da história e de assassinatos

CC BY 2.0 / Erich Ferdinand / Ötzi – uma múmia de gelo encontrada nos Alpes em 1991

Cientistas de Milão, examinando o esqueleto de uma sepultura medieval, revelaram os detalhes de uma das torturas mais cruéis da história da humanidade. Descobertas arqueológicas semelhantes, tornaram-se possíveis nos últimos anos graças à medicina e à perícia.

Caça às bruxas

Alguns anos atrás, durante as escavações na Piazza San Ambrogio, perto da catedral de mesmo nome, uma enorme sepultura medieval havia sido descoberta. Sete esqueletos pertenciam a pessoas que morreram entre os séculos XIII e XV. Todos eles, exceto um, eram muito fragmentados, por isso era impossível estabelecer a causa da morte.

Cientistas da Universidade de Milão e do departamento de arqueologia do município estudaram em detalhes o único esqueleto bem preservado.

Um artigo foi publicado na edição de setembro do Journal of Archaeological Science, o estudo descreve os restos mortais pertence a um jovem de 17 a 20 anos. A julgar pela deformação do crânio, ele apresentava uma doença congênita que desfigurou o rosto: os dentes superiores foram projetados fortemente em direção aos dentes inferiores e as presas ficaram retorcidas.


Os cientistas ficaram muito surpresos ao ver os traços de ferimentos terríveis nos ossos do esqueleto. Não havia sinais de cura, o que significa que o jovem os recebeu imediatamente antes de sua morte. A natureza do dano, sua simetria sugere que ele foi crucificado em uma roda que esmagou sucessivamente seus braços e pernas, e com uma arma pesada perfurou o corpo, feriu as vértebras e depois decapitou.

Nas crônicas, sabe-se que, no norte da Itália, naqueles dias, eles usavam a tortura em uma roda como punição pela propagação de bruxaria, indicam os autores do artigo. Aparentemente, a o infeliz foi vítima de uma multidão enfurecida ou ele foi executado de propósito, temendo feiúra.

Assassinato ritual do prisioneiro

Dois mil e quinhentos anos a.C. no Oriente Médio, o estado da Assíria havia já havia se formado. Acredita-se que os assírios foram distinguidos por extrema beligerância. Os baixos-relevos e textos que eles deixaram abundam em cenas de luta feroz e tortura. Mas onde está a evidência de que isso não é uma fantasia de artistas?

Cientistas da Universidade de Tel Aviv e da Universidade Bar Ilan estudaram os esqueletos encontrados em 2002 na necrópole assíria, perto de Khirbet Shemsina, na moderna Israel. Um deles pertencia a um homem alto, com cerca de 33 a 42 anos, que morreu no século VII a.C. A natureza de seus ferimentos indicava morte violenta. A parte superior do crânio estava literalmente cortada por algo afiado; as mãos, oito costelas, duas vértebras cervicais estavam fraturadas, havia muita cicatrizes e apenas uma lesão havia sido curada.

Os cientistas propuseram três cenários. Este guerreiro pode ser sido atacado por vários oponentes de uma só vez e morto em combate corpo a corpo. Ou foi atacado pelas costas quando ele tentou escapar. No entanto, os autores do trabalho consideram o assassinato de um prisioneiro capturado em batalha como uma versão mais plausível.

O forma como estava arrumado e completo e a atenção aos detalhes não foi acidental. Então, o guerreiro estava nas mãos do inimigo. Ele foi levado à execução. Primeiro cortou sua mão esquerda com uma espada. Talvez para fins rituais ou para uma contabilidade mais fácil dos prisioneiros. Então eles o ajoelharam e bateram na cabeça. O infeliz tombou e então acabaram com ele e, para humilhá-lo completamente, cortaram a orelha esquerda. Ainda eles decapitaram o corpo sem vida. Os cientistas explicam as marcas nas costelas pelo fato do costume removerem a pele do cadáver dos inimigos. As cabeças e a pele dos inimigos eram armazenadas como troféus.

Uma briga ou um assassinato vil?

Em 1991, nos Alpes italianos, na província do Tirol do Sul, a uma altitude de mais de três mil metros acima do nível do mar, um casal de alpinistas encontraram aos restos bem preservados de um homem de 46 anos no gelo. A análise por radiocarbono mostrou que ele morreu 5200-5300 anos atrás.

A múmia foi chamada de homem do gelo tirolês, ou Ötzi – devido ao nome da cordilheira local. Eles encontraram roupas de pele, um machado de bronze, arcos inacabados e uma aljava com 14 flechas, que estavam quebradas ou inacabadas. Havia também uma bolsa de ombro com um conjunto para acender uma fogueira, e vários equipamentos estavam nas proximidades.

Foi estabelecido que o “alpinista” tirolês pouco antes de sua morte recebeu uma ferida profunda na mão direita – foi cortada até os ossos entre o polegar e o indicador. Ele tentou cobrir o ferimento com musgo para conter o sangramento. Nos dias seguintes, Ötzi subiu e desceu rapidamente as montanhas. Logo após outra parada para comer, alguém atirou uma flecha nas costas (a ponta estava presa no corpo), que atingiu a artéria. Ele também foi atingido nas costas por um objeto pesado sem corte. Ötzi morreu algumas horas depois de perda de sangue.

O “alpinista” fugia de seus perseguidores, houve dois ataques diferentes, ele morreu na batalha? A evidência científica não existe em nenhuma versão. Somente as causas diretas da morte são conhecidas com certeza.

Fonte: RIA Novosti
Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =