As eleições, a guerra e o PCP

Salazar mandava: “a pátria não se discute”; o regime de democracia liberal ordena: “a OTAN e a Ucrânia não se discutem”.

fotos
© Foto: Domínio público

José Goulão

Há situações na sociedade da “democracia liberal” capazes de atingir picos de absurdo e de falta de pudor político que esgotam a paciência do mais pacato dos cidadãos.

Situações que podem ser fruto do investimento político-econômico-mediático de confundir o desejo com a realidade; da necessidade de praticar plenamente a ditadura econômica neoliberal num quadro de fascização política; de um traje tão enraizado que os praticantes nem dão por ele – um comportamento pavloviano; ou situações que abrangem, nas suas versões mais trabalhadas, ao cumprimento estrito das orientações disseminadas pela miríade de centros de propaganda política e militar imperial, colonial e globalista.

Não sou militante comunista; reclamações que não vêm ao caso fizeram com que assim seja, enquanto sigo o meu caminho profissional de referência, o de ser politicamente incorreto. Isso não significa que não seja legítimo e compatível com a independência jornalística a opção de militância de um bom número de camaradas, por sinal os principais exemplos do bom jornalismo que ainda se pratica.

As últimas eleições europeias podem ter sido uma gota de água, uma rotação do limite de paciência pessoal. Talvez porque no meio do aparato circense próprio das campanhas eleitorais do regime, formatadas para ensinar ao povo o que o povo deseja sem o saber, tenha sido possível, em alguns debates e no meio de tanta imbecilidade, tomar o pulso ao nível de irresponsabilidade e de repulsa pela decência da sociedade política em que vivemos.

Esporadicamente vieram à tona alguns temas que têm a ver com a vida cotidiana e até com a própria sobrevivência da humanidade – embora isso não seja inquietação maior da nossa classe política belicosa.

Falou-se de guerra mas evitou-se o perigoso tema da paz, cuja defesa pode até implicar acusações de traição à pátria; prestou-se a vassalagem indispensável à União Europeia, fugindo como diabo da cruz da impossível conciliação entre soberania nacional e federalismo; discorreu-se sobre as ameaças da extrema-direita com a prestável colaboração da extrema-direita lusitana, que afinal nada tem a ver com a extrema-direita nem com as heranças de Pinochet e Salazar; recitaram-se os habituais mantras das alterações climáticas, embora não tanto como os “ecologistas” à moda da sueca Greta e os seus patrões Gore, Gates, Soros e o fascista Schwab do Fórum Econômico Mundial desejariam; e consagrou-se a OTAN, essa fábrica de heróis que, depois do engano de 25 de Abril de 1974, nos devolveu às guerras coloniais e poderá até levar jovens portugueses a “defender a pátria” na Ucrânia. Salazar mandava: “a pátria não se discute”; o regime de democracia liberal ordena: “a OTAN e a Ucrânia não se discutem”. E cá vamos, cantando e rindo.

Por vezes, nunca com prioridades, afloraram-se temas, dir-se-iam marginais, como os problemas ínfimos dos portugueses, a situação dos trabalhadores (e não colaboradores), tratados pela União Europeia como potenciais escravos, a tragédia, igualmente escravocrata, do trabalho precário, de como a educação vai mal, a habitação pior, a saúde péssima.

Com a lógica própria do espírito de campanha, esses assuntos foram sempre impertinentes, ou mesmo abusivamente levantados por uma única força política e abafados tão depressivos quanto possível pelas impaciências de quase todos os participantes e as urgências cronométricas dos moderadores.

A única força política que a tal se atreveu foi o Partido Comunista Português, em boa verdade a CDU – mas permitam-me os autênticos e legítimos Verdes e esse espelho de democracia que é a Intervenção Democrática que agora me foque principalmente no PCP, do alto dos seus 103 anos de luta pela liberdade, a democracia e pela soberania nacional; demonstrando que o combate pela democracia é inseparável da luta antifascista, brilhante de que a classe política não pode ouvir falar.

João Oliveira, pela sua maior exposição mediática como cabeça de lista, mas também os outros candidatos da CDU, levantaram os problemas reais dos portugueses, explicaram, desmontaram a hipocrisia dominante e governante. Fizeram-no dentro de condicionalismos, muitos deles ilegais, sobretudo no que diz respeito aos comportamentos mediáticos. Apesar disso, João Oliveira conseguiu fazer-se ouvir, não se deixou intimidar, meteu na ordem adversários que não sabem o que é debatedor de ideias e até moderadores treinados nos mais primários tiques anticomunistas. Como disse lucidamente João Ferreira, na noite eleitoral na RTP, já é mesmo preciso ter coragem e um espírito de combate indomável para enfrentar o aparelho que montou e impor ferreamente uma opinião única cuja contestação é silenciada, caluniada e até perseguida segundo os cânones autoritários da democracia liberal – isto é, neoliberal, o fascismo econômico.

Inimigo a abater

O PCP foi sempre o alvo mais cruelmente perseguido pelo salazarismo; e agora continua a ser vítima de uma sanha que Oliveira Salazar não desdenharia, um inimigo a abater, um problema a liquidar para que uma democracia liberal providencial deixasse de ser incomodada.

Os comunistas portugueses lutaram 53 anos sob o regime fascista. Foram lançados nas masmorras, torturados, perseguidos, assassinados durante décadas negras sofridas pelo povo português. O PCP ajudou a juntar forças e a fazer avançar a consciência antifascista e a paz nas entradas da guerra colonial.

Que me perdoem os heróicos militares revolucionários, mas o PCP foi determinante para o apodrecimento e queda do fascismo, foi essencial para uma adesão popular fulminante que complementou, deu alento e consolidou a vitória do movimento militar. Tudo fez, e faz, para que ainda se mantivessem conquistas revolucionárias, apesar do novembrismo revanchista, desde logo contribuindo para que este não consumasse plenamente o regresso ao passado, como desejavam os que cavalgaram o golpe guiado pela máquina de conspiração norte-americana, da OTAN e seus aliados internos.

A legalização do PCP e a libertação dos presos políticos foram, em si mesmas, vitórias populares, conquistas de Abril. Desengane-se quem pensa que eram dados adquiridos com a queda do fascismo. Setores “continuistas” como os espinolistas buscavam travar e anular o movimento popular à partida, buscando estabelecer uma “democracia” sem o PCP, que não deixaria de ser uma “democracia ocidental”, uma democracia liberal como se usa agora dizer.

Já em pleno marcelismo circulara a ideia de uma “transição” hipotética com alguns partidos, mantendo-se ilegal o PCP.

Em paralelo, hoje há uma classe política que sonha em afastar o PCP de todos os órgãos de poder, designadamente da Assembleia da República e do Parlamento Europeu. Na recente campanha valeu tudo, até fazer eco, como aconteceu com a agência “Lusa”, de uma publicação atlantista e imperialista, “Politico”, que acordou os eurodeputados comunistas entre os “maiores amigos de Putin”.

Nos centros de decisão da democracia liberal não há muito pudor em excluir o Partido Comunista da intervenção direta nos mecanismos de poder. Reduzir um partido não parlamentar já seria uma grande vitória para o fascismo em ascensão, sintonizado com a política tradicional da OTAN. E o espectro político, do Bloco de Esquerda ao Chega, que considera “democrático” e “civilizado” o regime nazi-banderista da Ucrânia, que começou por ilegalizar o Partido Comunista até suprimir mais de uma dezena de organizações políticas opositoras, não manifestaria incômodo se os comunistas portugueses desaparecerem dos parlamentos onde estão representados.

No entanto, a História demonstra que o PCP transferiu, implantou-se, não se deixou abater e cresceu durante 53 anos sem ter qualquer deputado nem poder atuar à luz do dia.

A OTAN, como já não é segredo, tem organizações clandestinas, como a Gládio, cuja função é impedir que os partidos comunistas da Europa intervenham nos centros governamentais de decisão. A violação dessa norma compulsória, por exemplo, esteve na origem do assassinato do primeiro-ministro democrata-cristão italiano Aldo Moro, em 1977.

Fazer sumir o PCP dos assentos parlamentares não é mais do que uma aplicação simples da ordem atlantista. Os ferrenhos da OTAN preferem a ilegalização, mas vê-lo fora das instituições já seria uma enorme vitória.

Comentadores, analistas e acadêmicos apresentados com tapa-olhos, como as mulas e burros que puxam as noras, escandalizam-se com o fato do PCP ser contra a OTAN, um pecado lesa-pátria, lesa-civilização ocidental, lesa-democracia liberal. No entanto, os comunistas não conseguiram ter outra posição, porque conhecer as lições do passado tão bem como as do presente. Não esqueci que o fascismo salazarista foi parte fundador da Aliança Atlântica, distinguindo que deu gás suplementar ao regime quando ele tremia como varas verdes depois da derrota de Hitler e no turbilhão democrático do fim da Segunda Guerra Mundial. Por outro lado, aplicando o velho dito popular “amor com amor se paga”, se a OTAN combate o PCP, natural é que o PCP seja contra a OTAN. Mas há mais: a esquerda onde o PCP se enquadra repudia a “ordem internacional baseada em regras” como um embuste ocidental para não respeitar o direito internacional; e defende a negociação e a paz como os princípios dos princípios para buscar a solução de qualquer conflito, enquanto os atlantistas dão prioridade à guerra para que no final seja encontrada a “paz”.

Ao nível de “comer criancinhas”

Em todas as campanhas eleitorais a estratégia anticomunista vão sendo apuradas ao ritmo da fascistização do meio político, no interior do que foram outorgadas chancelas “democráticas” anticonstitucionais a organizações retinto salazaristas. O desenvolvimento do fascismo, porém, acelerou-se desde que se iniciou a guerra na Ucrânia – em 2014, não em 2022.

O processo gradual de imposição da opinião única neoliberal graças à ação conjunta do poder econômico, da classe política e do aparelho mediático de propaganda criou o dogma de que os pontos de vista dissonantes da OTAN e da União Europeia representam uma adesão às teses do inimigo, uma identificação com o diabo de objetivos, Vladimir Putin, encarnando agora a “ameaça russa”, tal como em seu tempo acontecia com o regime soviético.

Ou alguma vez pode ser levada a sério ou fazer algum sentido a acusação de que o PCP, um partido que defende o socialismo e luta pela erradicação do capitalismo, pode apoiar um sistema que está nos antípodas dos seus princípios de luta, um regime capitalista oligárquico , assente numa tradição retrógrada e no fundamentalismo cristão ortodoxo como o chefiado por Vladimir Putin? O primarismo da manipulação está ao nível da propaganda salazarista, quando os comunistas “comiam criancinhas” e se “viam livres dos velhos com injeções atrás da orelha”. Mesmo assim, a manobra inspirada em Goebbels continua a fazer o seu caminho.

O Partido Comunista é sempre o “inimigo interno”, sequela da “caça às bruxas” praticada pelo macartismo norte-americano, uma “quinta coluna” que precisa de ser removida para que o país cumpra, sem ganhos de maior, a sua política de guerra na Ucrânia, a cumplicidade para com as atrocidades do sionismo na Palestina, as avaliações criminosas contra os povos de países indisponíveis para se acomodarem à canga colonial e imperial.

Salazar e Marcello Caetano sentenciaram que “quem não está connosco está contra nós”. A democracia liberal ordena da mesma maneira: quem defende a paz e o diálogo na Ucrânia, quem sempre se bateu, ao longo de mais de 70 anos, contra o colonialismo sionista e pela liberdade do povo palestino, está ao lado de Putin e do Hamas, isto é, contra nós.

Como tal há que apontá-lo a dedo na praça pública, fazer tudo, até desprezar a Constituição e as leis eleitorais, para o maltratar e vilipendiar. Há que manipular, mentir, difamar, caluniar, silenciar ou perturbar as suas posições, criar uma imagem de pária que é a mais na política e que serve para perturbar a tão idílica harmonia nacional – todos com a União Europeia, todos com a OTAN.

O fascismo econômico neoliberal não tem fascismo político como seu cenário de sonho. Um passo significativo nessa direcção é o cavalheirismo com que a classe política do burgo aceitou a integração e os horizontes governamentais da Iniciativa Liberal e do Chega. Naturalmente, ambos vieram absorver e fortalecer os hostes da guerra contra o PCP: no regime de Pinochet, inspirador dos bem falantes do fascismo Armani, o Partido Comunista foi proibido e perseguido, os seus militantes e simpatizantes fuzilados no estádio nacional e muitos dados como “desaparecidos”; no salazarismo que serve de referência a Ventura e sequazes, o PCP estava na clandestinidade; e, mesmo já legalizado, não foi poupado à destruição de bolsas de centros de trabalho lideradas por grupos terroristas nos quais se destacaram criminosos que hoje são honrados e empreendedores deputados da República.

Ao mesmo tempo que, depois da porta impudicamente aberta pelo Tribunal Constitucional, a classe política acolheu fraternalmente a chegada dos grupos fascistas, a comunicação social e aparelho de propaganda da democracia liberal comprometeu-se em passear o Chega e a Iniciativa Liberal ao colo, promovendo- os inicialmente como coisas curiosas e “interessantes” num cenário político estagnado e monótono; e agora como fortalezas do regime, intrépidos apoiantes e praticantes da opinião única, juízes com direito pleno na campanha terrorista contra o PCP. Principalmente quando se trata da guerra da Ucrânia, onde Zelensky é um irmão do peito que dá asas a grupos nazistas em toda a Europa; ou da situação na Palestina, em relação a quais as duas variantes do neo-salazarismo se comportam como militantes genuínos do terrorismo sionista – com toda a legitimidade, porque se trata de uma variante do fascismo.

As esquerdas que também colaboram

À esquerda, a dispersão política esquerdista serviu sempre o anticomunismo, porque muitos dos grupos que proliferaram a seguir ao 25 ​​de Abril, hoje se fundiram nas organizações mais reacionárias, desempenharam o preceito o papel atribuído e claramente exposto, por exemplo, na criação de condições propícias ao reviralho de 25 de Novembro de 1975.

Ainda que hoje o panorama seja diferente – apesar de continuarem perceptíveis no PS algumas manifestações doentiamente anticomunistas – a esquerda parlamentar, incluindo grupos que confundem a esquerda com o palrar dos chefes e se derretem com as simpáticas palmadinhas nas costas prodigalizadas pelos meios de comunicação e pela classe política , cumpre a sua parte no anticomunismo.

Uma das estratégias das esquerdas não-comunistas ou anticomunistas que mais servem aos interesses do capitalismo neoliberal é a fragmentação das causas que dizem defender, multiplicando focos de luta em vez de incidirem sobre o essencial, isto é, a defesa da paz, a denúncia da a guerra e de todos os negócios que dela tiram proveitos, a verdadeira salvaguarda dos direitos humanos – de todo e qualquer ser humano – o respeito pelo trabalho e os trabalhadores, o combate sem tréguas contra as desigualdades, em suma, o foco centrado na luta sem descanso pela transformação progressista da sociedade e contra o capitalismo.

O PCP trabalha e combate nesse sentido porque as causas centrais derivam todas das outras, nenhuma das quais se resolve isoladamente sem alterar profundamente as estruturas sociais e desmantelar o capitalismo. Além disso, esclarece e defende o conceito de liberdade tal como está implícito nos objectivos e conquistas do 25 de Abril: uma liberdade para as pessoas e que deve sobrepor-se sempre às “liberdades” do mercado, das empresas, do dinheiro.

O racismo é uma doença social inerente ao capitalismo, tal como a marginalização das minorias, o desrespeito pelos direitos da mulher, apesar de inscritos nas leis; o mesmo acontece em relação ao meio ambiente e às alterações climáticas, à segurança dos animais e da vida selvagem, à segurança alimentar, ao tratamento humanizado e igualitário das migrações e dos migrantes.

O capitalismo, isto é, uma “nossa” democracia, garante que há soluções ambientais mágicas e resolverá o drama das mudanças climáticas, mas agravará quotidianamente a situação e gerará ainda mais fortunas com os “novos” negócios “verdes”. Não existem quaisquer sinais, no regime em que vivemos, no retrocesso de doenças como o racismo e a xenofobia ou os preconceitos contra a comunidade LGTB+ – pelo contrário, avançando a um ritmo alarmante. Por muito que as leis os garantam e as cotas sejam tratadas como uma ideia genial, os exemplos de violação dos direitos das mulheres são constantes. Em relação aos movimentos migratórios, ao respeito pelos direitos e à integração social dos migrantes basta olhar à nossa volta e passar os olhos pelas notícias. O problema continua a agravar-se, com consequências imprevisíveis, porque a OTAN idolatrada cria e alimenta guerras sem fim, gerando vagas intermináveis ​​de refugiados em todo o mundo.

As esquerdas das causas fracionadas não são transformadoras, não ameaçam o capitalismo, não travam nem invertem os sentidos sociais mais negativos, com a agravante de baralhar prioridades, cultivarem a confusão, dispersarem esforços quando a delicadeza e a profundidade dos problemas descobertos união, organização e convergência de esforço, não a mesquinhez de a “nossa” porque é mais importante do que todas as outras. E, não poucas vezes, essas esquerdas, sejam falsas ou fofinhas, tão acarinhadas pela trapaceira indústria mediática, servem a classe dominante nas suas campanhas contra os comunistas.

A recente campanha eleitoral exibiu-nos um Livre cheio de ecologias e ademanes de esquerda ao mesmo tempo que defende o fundamentalismo federalista europeu. Agora o quotidiano da União Europeia não deixa dúvidas: ou se é de esquerda ou se é federalista. O federalismo, aliás, é aplicado sub-repticiamente, com as consequências conhecidas e desastrosas para o povo português, mas essa responsabilidade não tem o Livre a coragem de assumir.

O Bloco de Esquerda mantém um flerte com a OTAN. As simpatias com o regime de Kiev, que proíbe partidos, assumiu uma censura oficial, restringe o direito à opinião livre e faz circular uma lista à mercê de bufos com os nomes de opositores a liquidar, não traduzem uma escorregadela ocasional. A incapacidade de assumir que a situação na Venezuela é essencialmente uma consequência das asfixiantes e desumanas avaliações norte-americanas e da União Europeia; a atração pelo federalismo europeu; a cumplicidade com o comportamento ocidental destruidor na Síria; e a posição investida de ambiguidade em relação à operação criminosa da OTAN para destruição da Líbia, e que abriu as portas de sucessivas vagas de refugiados em direcção à Europa, identificam um comportamento padrão: afinal, a coerência não é o forte dos bloquistas.

O PAN, que não sabe muito bem onde se situa no quadrante político, acha meritoriamente, pela voz do seu ex-candidato europeu, que a guerra é uma coisa má porque afecta o meio ambiente e os ecossistemas. A morte de centenas de milhares de pessoas parece ser um inconveniente colateral.

Esquecer as pessoas, desprezar a sua qualidade de vida, os seus direitos humanos, sociais e políticos, a afirmação plena da sua dignidade através da saúde, da habitação condigna, do trabalho e da evolução decentes, da educação e cultura livres, abertas, sem censuras e propiciadoras de índices intelectuais elevados; a negação das condições de segurança e da verdadeira fruição da vida durante o processo de envelhecimento – tudo isto representa a essência do capitalismo. A relação entre o capitalismo e o ser humano é como a da água com o azeite – a incompatibilidade por definição. As esquerdas não-comunistas não são, na prática, anticapitalistas

O povo tem onde apoiar-se

O PCP atua e luta nos antípodas do cenário próprio da sociedade capitalista, agravado quando a versão fundamentalista neoliberal se expande com ambições globalistas. O PCP é o principal alvo a abater, a alavanca popular capaz de emperrar a máquina trituradora patrocinada por todo o dinheiro disponível no mundo, a voz que nem o salazarismo silenciou.

Por muito que a classe política se desdobre em manobras legais e ilegais para o neutralizar; que a teia mediática propagandística multiplique as mentiras mais deslavadas e as calúnias mais vergonhosas; por muito que os poderes do Estado permitam, saiam insensíveis e silenciosos quando esbirros estrangeiros em Portugal ao serviço do nazi-banderismo de Kiev reclamam a sua ilegalização, um exemplo do que fez no seu país, o PCP não se intimida, resiste e não deixa o povo desamparado sob os ataques cerrados do autoritarismo conjugado da União Europeia, OTAN e outras centrais do imperialismo. Prossegue dia-a-dia, sem esperar pelos circos das campanhas eleitorais, o seu trabalho de formar esclarecendo, informando, alentando, unindo, organizando, mobilizando, lutando em todas as frentes sociais e políticas, como quem faz ação cívica de cidadão a cidadão para que a democracia liberal, corruptela e cemitério das esperanças libertadas com o 25 de Abril de 1974, entregue de vez à alma ao criador; e seja mantido por uma democracia verdadeiramente participativa, antifascista, respeitada da Constituição e das liberdades autênticas, onde o povo, livremente informado e esclarecido, seja quem mais ordenado. Pode parecer impossível, mas as ruas e praças do país encheram-se num ápice quando os cidadãos corajosos e inesquecíveis fardados do MFA avançaram para derrubar o melhor fascista, feito histórico em que muitos não acreditaram.

O povo que fez o 25 de Abril continua, contudo, a ser vítima das famílias oligárquicas, agora ainda mais poderosas, com a cumplicidade de uma classe política usurpadora e que odeia as pessoas. Nada nos convence, porém, que seja impossível, num mundo dinâmico e em mudança permanente, voltaremos a viver novos dias das surpresas. O PCP, independentemente das circunstâncias e das perseguições, continua a cumprir a sua tarefa; Os mais desfavorecidos, apesar do poder de uma propaganda tóxica de alcance global, saberão sempre onde se apoiar. É assim há 103 anos.

strategic-culture.su

Related Posts
Eleição! Temporada 60: Tramas implausíveis e distrações dramáticas
fotos

Garantir que apenas candidatos aceitáveis ​​para as elites concorram, mesmo que pareçam desonestos e menos aceitáveis ​​do que a opção [...]

Monetização do YouTube põe em risco soberania brasileira
fotos

O simples fato de os brasileiros gastarem tanta energia nas redes sociais, achando que isso é política, já é um [...]

Delação de assassino de Marielle joga luz sobre as relações das milícias com autoridades
fotos

A morte de Marielle teria sido encomendada pelos Brazão por causa de sua atuação nas comunidades, em especial em Jacarepaguá

Os judeus e o comunismo na cultura brasileira
fotos

Mesmo com toda a romantização do Holocausto e com uma intensa presença da esquerda na vida cultural, as questões do [...]

Marielle, milícias e mais: relatórios de inteligência da intervenção militar no RJ sumiram
fotos

O resultado da investigação da Polícia Federal (PF) sobre o assassinato da ex-vereadora do PSOL Marielle Franco e do motorista [...]

Como Eduardo Bolsonaro e comitiva articulam com parlamentares dos EUA punições ao Brasil
fotos

Comitiva bolsonarista passa uma semana nos EUA e tenta convencer republicanos e lobistas de que Brasil viveria ditadura

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!