Brasil, a eleição de Bolsonaro trás temor aos povos indígenas

Do L’Humanité

Segundo Fiona Watson , diretora de pesquisa da   ,“A presidência de Bolsonaro é uma notícia desastrosa para os povos indígenas do Brasil e, em sua campanha, comprometeu-se a retirar suas terras. mineração e silvicultura ainda mais brutais “. Ela pede um amplo apoio internacional.

O Brasil acaba de eleger como presidente nacionalista de extrema direita com tendências autoritárias e inclinações fascistas.

Os 900 mil indígenas do Brasil estão entre os muitos grupos minoritários frequentemente visados ​​por Jair Bolsonaro com virulência cheia de ódio. “É uma pena que a cavalaria brasileira não tenha sido tão eficiente quanto os americanos. Eles exterminaram seus índios “, disse ele um dia.

Se implementar suas promessas de campanha, os primeiros povos do Brasil correm o risco de desastre e, em alguns casos, até arriscam genocídio.

“O reconhecimento das terras indígenas é um obstáculo ao agronegócio”, segundo Bolonaro

O Brasil tem cerca de 100   , mais do que qualquer outro lugar do mundo. Eles estão todos em grande risco se a sua terra não estiver protegida. Bolsonaro ameaçou fechar a  , o departamento de assuntos indígenas do governo brasileiro, cujo trabalho é proteger as terras indígenas. Enquanto este já está lutando contra cortes orçamentários, seu desaparecimento pode levar à aniquilação dos povos isolados.

Há alguns meses, a FUNAI publicou imagens de um homem conhecido como “o último membro de sua tribo”, o único sobrevivente de uma série de ataques genocidas que datam dos anos 1970 e 1980, quando madeireiros e criadores arrasaram a floresta com seus tratores.

Esses invasores massacraram toda a sua família, sua comunidade e as comunidades vizinhas. Se os mecanismos para a proteção dos territórios indígenas e a prevenção de tais atrocidades, que já são terrivelmente inadequadas, fossem totalmente abolidos, essa parte essencial da diversidade humana desapareceria para sempre.

Segundo Bolsonaro, “os índios cheiram mal, não têm instrução e não falam nossa língua” e “o reconhecimento das terras indígenas é um obstáculo ao agronegócio”. Ele disse que estava planejando cortar ou abolir as reservas indígenas na Amazônia e repetidamente disse: “Se eu me tornar presidente, não haverá outra polegada quadrada de terra indígena”. “

Ele mudou desde então, afirmando que não haveria mais um milímetro quadrado.

As implicações para os povos indígenas do país são imensas, pois dependem inteiramente de suas terras para seu sustento e bem-estar físico e espiritual.

As lutas para proteger as vidas e os meios de subsistência dos povos indígenas, assim como os ecossistemas dos quais eles dependem, já são brutais e sangrentos.

Esses “guardiões da Amazônia” são vítimas de violentos ataques de máfias de madeireiros e garimpeiros

No estado brasileiro do Maranhão, a Survival trabalha em estreita colaboração com grupos de povos Guajajara que tomaram a iniciativa de garantir a proteção do que resta da borda leste da floresta amazônica, não apenas para centenas de famílias. Guajajara que moram lá, mas também pelos seus vizinhos, que não contataram Awá.

Esses “guardiões da Amazônia” são vítimas de ataques violentos de máfias de madeireiros que operam ilegalmente na região. Segundo algumas estimativas, quase 80 Guajajara foram assassinados desde o ano 2000.

Mais ao norte, na maior área florestal do mundo sob controle indígena, os Yanomami sofrem o ataque dos garimpeiros subterrâneos. Esse povo, cujo território também se estende através da fronteira com a Venezuela, atualmente sofre de uma epidemia de sarampo, provavelmente transmitida por intrusos que entram em suas terras. Essa doença representa uma ameaça especial aos grupos Yanomami desconectados e a assistência médica nos dois lados da fronteira se mostrou inadequada. Dezenas de Yanomami estão mortos.

Não contente em carregar doenças, o garimpeiro realizou ataques violentos contra algumas comunidades, muitas vezes com a maior impunidade. Dois Yanomami desconectados foram supostamente mortos em maio por mineradores de ouro que operam ilegalmente perto de suas comunidades.

É provável que essas incursões violentas aumentem à medida que madeireiros, grileiros e lavadores de ouro se sintam encorajados por Bolsonaro e aumentem as invasões brutais em terras indígenas em todo o Brasil. 

O preço será então medido em vidas humanas perdidas e os estragos no meio ambiente.

Há evidências crescentes de que a melhor maneira de proteger a natureza de maneira efetiva e econômica é implementar adequadamente os direitos fundiários aborígines e reconhecer o manejo da terra pelos próprios povos aborígines.

Os povos indígenas são os melhores defensores do meio ambiente e guardiões do mundo natural, que sabem administrar melhor do que ninguém.

Para os povos nativos que já perderam suas terras, o regime Bolsonaro poderia significar sua morte como povos. 

A Survival trabalha há várias décadas com o povo Guarani do Mato Grosso do Sul , cujas terras já foram confiscadas por pastores e agronegócios. Eles sobrevivem hoje em reservas superlotadas ou acampam nas estradas em total privação.

Essas miseráveis ​​condições de vida devem piorar no Bolsonaro do Brasil. Sem esperança para o futuro, muitos jovens Guarani se mataram, a ponto de o povo ter uma das maiores taxas de suicídio do mundo.

Os direitos territoriais indígenas existentes hoje são a única garantia contra a repetição de tal cenário em muitas outras regiões do Brasil.

“Vamos rasgar a reserva Raposa Serra do Sol e armar todos os criadores (…)” disse Bolsonaro

As odiosas tiradas de Bolsonaro amplificam um discurso público onde o incitamento ao ódio racial age como uma luz verde para matar impunemente.

Pelo menos 110 indígenas foram assassinados no Brasil em 2017 e vários indicadores mostram que esse número deverá aumentar.

No dia da eleição, um ataque de homens armados contra uma comunidade Guarani feriu quinze pessoas, incluindo uma criança de nove anos de idade. 

Em uma surpreendente e perturbadora intervenção filmada em pleno congresso, Bolsonaro explicou recentemente ao povo de Roraima o que ele planejava fazer na Raposa Serra do Sol, um vasto território indígena reconhecido em 2005 anos de violento conflito com pecuaristas: “Vamos derrubar a reserva da Raposa Serra do Sul e armar todos os criadores (…)”

Não está claro por enquanto até que ponto Bolsonaro pode revogar os direitos constitucionais dos índios, mas não há dúvida de que é a própria alma do Brasil que está em jogo aqui, assim como o futuro. da floresta amazônica – e a extraordinária diversidade humana representada por seus 305 povos indígenas.

O Brasil demonstrou que, onde as terras dos povos indígenas estão devidamente protegidas, não apenas seus habitantes estão prosperando, mas também alguns dos ecossistemas mais diversos e ameaçados do planeta.

Os povos indígenas precisam de grande apoio internacional

Na época da fundação da   em 1969, alguns previram o fim iminente dos povos indígenas do Brasil. 

Estaremos celebrando nosso quinquagésimo aniversário no ano que vem e os povos indígenas ainda estão aqui, mas precisarão de forte apoio internacional para resistir ao que pode ser um genocídio iminente. Alianças com organizações aborígines, seja no nível institucional ou cidadão, podem ser uma força significativa; Ao ampliar suas vozes no cenário internacional, podemos mudar o mundo a seu favor.

como  “Se os povos indígenas saírem e desaparecerem, a vida será ameaçada porque somos os guardiões da natureza.

Sem florestas, sem água, sem rios, não há vida, nenhum brasileiro pode sobreviver.

Nós resistimos 518 anos atrás, nós lutamos em vitória e em derrota, nossa terra é nossa mãe.

Enquanto o sol brilhar e ainda houver ar puro à sombra das árvores, enquanto houver um rio onde nos banhemos, lutaremos. “

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 5 =