BRICS, outra maneira de moldar o mundo

Uma ordem internacional justa e humanista só poderá ser instaurada por povos inconformados com o uso e abuso de sua condição humana ao serviço de interesses minoritários contrários aos seus.

brics

José Goulão

A recente comemoração do 80º aniversário do dia do Desembarque na Normandia (Dia D) foi uma encenação, uma operação patética de propaganda do mundo unipolar norte-americano para tentar corromper a História e procurar convencer as opiniões públicas internacionais de que a realidade atual no mundo é consequência natural dessa narrativa adulterada segundo métodos tacanhos.

A ausência ostensiva da Federação Russa e a monopolização da vitória contra o nazifascismo pelos países que hoje integram a OTAN, ignorando a parte que contribuiu significativamente para o triunfo dos Aliados na II Guerra Mundial, e sem a qual não teria sorte Dia D, é mais um ato da tragicomédia através da qual se pretende reescrever a História.

O formato deste ano para celebrar o Dia D simula que os supostos vencedores do nazifascismo, hoje amigos da OTAN, incluindo todos os derrotados no conflito de 1939-45, são os mesmos que atualmente combatem o novo fascismo e o “novo Hitler” personificado por Vladimir Putin.

Há histórias para crianças muito mais convincentes, nas quais a dualidade entre o Bem e o Mal é exposta com criatividade maior e inteligência do que neste conto para indigentes.

A generalidade dos povos do mundo sabe muito bem – e não esquece – que o nazifascismo foi derrotado porque a União Soviética não apenas finalmente conseguiu travar as hordas hitlerianas, que até então são evidentemente invencíveis, como capacidades de maneira drástica o seu poder, as suas capacidades particular, circunstância que se tornou possível reconfigurar a Frente Ocidental e gerar o Dia D. Levar a sério o significado que Washington, Bruxelas e a OTAN pretendem dar atualmente ao desembarque na Normandia equivale a acreditar que uma equipe de amadora com apenas cinco jogadores foi capaz de futebol derrotar o campeão mundial até então invencível e no zenite do seu esplendor.

Numerosos analistas militares sérios e profundamente conhecedores das causas e consequências dos mais determinantes feitos durante a Segunda Guerra Mundial asseguraram que uma hipotética presença do lendário general Patton, endeusado segundo os delírios de Hollywood, nas futuras e decisivas batalhas de Stalingrado e Kursk contra as tropas nazistas teriam sido um zero à esquerda, um empecilho e um pesadelo para os generais soviéticos.

Do fim da URSS aos BRICS

A ordem mundial nascida da Segunda Guerra Mundial terminou com a extinção da União Soviética. É ponto assente. Qualquer outra versão é totalmente desfocada da realidade ou tem interesse propagandístico como gato escondido com o rabo de fora.

Querer transplantar a guerra contra o nazifascismo para o momento atual é uma manobra primária na qual só acredita quem quer ou tenha sido irremediavelmente envenenado por conteúdos tóxicos da comunidade mundial de propaganda, também conhecido por teia internacional de comunicação social corporativa.

Nem a Federação Russa é a Alemanha hitleriana, nem Vladimir Putin, apesar do seu reacionarismo ideológico e da reativação dos ambientes sociais retrógrados associados à Igreja Ortodoxa, é Adolf Hitler.

Pelo contrário, e por muito que pese às polícias de opinião que põem cada vez mais as garras de fora e montaram uma paranóica e pidesca caça aos “amigos de Putin” em cada canto, são os países congregados no Dia D da OTAN que financiam, alimentam, armam e prolongam na Ucrânia a existência de um regime que se recupera herdeiros do nazi-banderismo hitleriano. Ao mesmo tempo que choram, com lágrimas de crocodilo, a ascensão das correntes fascistas (desfarçadas ou não) na Europa. Ou seja, dê o exemplo e depois queixam-se… Ou fingem fazê-lo.

Com a desagregação da União Soviética nasceu uma nova ordem mundial, unipolar, sob o domínio imperial e colonial dos Estados Unidos da América. Segundo a “doutrina Wolfowitz” formulada para administrar uma nova situação, os Estados Unidos não deveriam permitir a existência de qualquer potência com dimensão e poder capaz de rivalizar com Washington. Nem mesmo a União Europeia, como se percebe todos os dias nas andanças das relações transatlânticas, melhor dizendo, na submissão europeia à América.

Durante quase 20 anos, os aliados da OTAN, com destaque esmagador para os Estados Unidos, constituídos e disposicionados dos restos mortais da União Soviética; e tudo fez, inclusivamente inserindo ministros nos governos de Moscou, entregando nominalmente a presidência a aberrações humanas e políticas como Boris Ieltsin, para submeter a Rússia à nova ordem unipolar, à selvageria neoliberal, à ditadura econômico-financeira – e, no caso, também política – do Ocidente, prenunciando a sua desagregação territorial.

Simultaneamente, fazendo o gato-sapato das promessas feitas em 1990 a Mikhail Gorbatchov, a OTAN e depois a União Europeia foram-se expandindo em direção às fronteiras russas montando um cerco militar ao território da Federação e acabando por desencadear uma guerra por procuração contra Moscou através do golpe fascista da Praça Maidan em Kiev, em 2014.

Até que chegou Vladimir Putin, nos primeiros anos do século XXI. Os pilares não estavam satisfeitos, ainda havia muita carniça disponível, afinal a herança econômica, industrial e tecnológica soviética não estava tão decomposta como garantia dos salteadores, além de que os materiais primários disponíveis em volumes astronômicos eram cada vez mais indispensáveis ​​para um mundo ocidental e “civilizado” que se gabava da desindustrialização, da milagrosa e enfática “transição verde” e que, sobretudo a partir de 2008, começou a perceber, ainda que não o admitindo, que a economia do casino tinha mais buracos que um queijo suíço.

Putin tentou arrumar a casa, deu grandes passos nesse sentido e, vade retro socialismo, recuperou o nacionalismo ruralista massivo, de braço dado com a Igreja Ortodoxa ultramontana mas muito enraizada, que nem durante a União Soviética deixou seus créditos por mãos alheias.

Vladimir Putin olhou igualmente para o exterior do país, desde muito cedo que o Ocidente não havia que esperar coisa boa na bagagem das hordas militares que se estavam instalando nas suas fronteiras e, com a inteligência estratégica que não pode deixar de se lhe dar importância, apostou fundo no conceito de Eurásia, esse imenso continente de Lisboa a Vladivostok e às Ásias mais orientais, República Popular da China incluída.

Primeiro, com alguns vizinhos, consolida a organização securitária designada Tratado de Segurança Colectiva (TSC); depois, também agregando a ambiente, aprofundou a União Econômica da Eurásia.

O passo seguinte provocou abalos geoestratégicos. Nasceu a Organização de Cooperação de Xangai (OCX) em torno do eixo formado pelas duas bestas negras de um Ocidente unipolar e senhor do mundo, disparado em direção ao domínio globalista. Nele se uniram à Rússia e à China, respectivamente o maior país do mundo em área e o país mais populoso, com um crescimento econômico fulminante e um desenvolvimento industrial e tecnológico imparável. O cenário não poderia ser mais aterrador para uma “civilização” ultraminoritária no plano planetário, afinal o acanhado “jardim” de Borrell afogado nos pântanos do neoliberalismo e o temer em cada dia que passa a explosão descontrolada de uma revolta social, porque a paciência do ser humano tem limites anteriores ao avanço do esclavagismo, por muito que tentem poli-lo.

Além da Rússia e da China, juntaram-se à OCX o Cazaquistão, o Quirguistão, o Tajiquistão, o Uzbequistão e depois o Irã, permanecendo uma série de observadores regionais, entre eles o Afeganistão. A Bielorrússia será em breve um membro de pleno direito.

Os objetivos principais da OCX são “a paz, a segurança e a estabilidade na região”, a “confiança mútua, amizade e relações de boa vontade”, a “cooperação efetiva” entre os Estados membros e, escândalo dos escândalos, “promover uma nova ordem internacional democrática, justa e racional”.

O interminável pesadelo

“Eles querem criar uma nova ordem internacional”, gemeu um dia o então ministro português dos Negócios Estrangeiros e emissário do Departamento de Estado norte-americano, Santos Silva.

Os lamentos irados da SS não tinham apenas a ver com a Organização de Cooperação de Xangai: centravam-se já no papel crescente, ativo e organizado desenvolvido, a partir de 2008, pelo grupo de países chamado BRICS, uma sigla enunciando os Estados membros: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Na cena internacional surge assim uma organização de grandes nações de quatro continentes, representando mais de 40% da população mundial e mais de 30% do PIB em paridade de poder de compra, que passou a contestar ativamente a “ordem internacional baseada em regras”, um heterônimo de unipolaridade adotado pelo poder colonial e imperial dominante. As “regras”, desconhecidas, casuísticas e arbitrárias, mais não são do que os instrumentos para que o chamado Ocidente Coletivo, governado a partir de Washington, possa administrar o mundo não apenas à margem, mas também contra o direito internacional e a Carta das Nações Unidas .

No fundo, a “ordem internacional baseada em regras” é o instrumento de um bando de foras-de-lei que, invocando os mais nobres valores humanistas e democráticos, se acha no direito de submeter e agregar nações retirando-lhes os mecanismos mais elementares de soberania, de manter um assalto permanente contra o planeta multiplicando guerras sem fim, saques de bens, de recursos naturais e materiais-primas; além de penalizações arbitrárias, cruéis e mortíferas contra as populações de países que não cumprem as suas “regras”. Uma ação desenvolvida sem respeito pelo meio ambiente do planeta e que agrava a limitação climática, ao mesmo tempo que diz combatê-la.

O BRICS declara-se nos antipodas destas práticas. Assentar na afirmação da soberania dos Estados, considerados iguais entre si, que procuram a cooperação mútua benéfica nos planos bilaterais e multilaterais; e na restauração plena do primado do direito internacional. Entre os princípios invocados pelo BRICS estão o de “evitar a militarização das relações internacionais”; o desenvolvimento harmônico e igualitário, com respeito pelo ambiente, das relações livres entre os países do planeta, “independentemente dos seus sistemas políticos, ideologias, culturas, religiões e raízes civilizacionais”; e “combater o branqueamento de capitais, o financiamento do terrorismo e fortalecer o diálogo anticorrupção” – matéria compreensivelmente incômoda para os países das “regras internacionais” porque mexe ambientalmente com os paraísos fiscais, a gestão de organizações terroristas como a Al-Qaeda, o ISIS e tantas outras denominações de ramos dessas mesmas entidades manobradas por estruturas imperiais.

As linhas programáticas do BRICS e as ações já desenvolvidas no terreno cativaram coleções de nações do mundo, de todos os continentes, incluindo a Europa, algumas das quais já integraram o grupo e outras que fazem fila para serem admitidas. A exclusão das relações de tipo colonial e imperial e o tratamento igualitário entre Estados ameaçam, de fato, a ordem “ocidental” e “civilizacional” vigente nos últimos 500 anos; abrem novos horizontes à esmagadora maioria das nações do mundo que, ao mesmo tempo, pretendem um funcionamento democrático e verdadeiramente supranacional da ONU.

Para o BRICS, o ano em curso, sob a presidência da Federação Russa e antecedendo a presidência do Brasil, veio a ser dedicado à integração harmônica dos países admitidos em Janeiro último: Irã, Etiópia, Egipto e Emirados Árabes Unidos.

Outra das linhas da atual presidência tem sido a de desenvolver a realização de operações comerciais e financeiras utilizando moedas nacionais dos Estados membros, de formar a dispensar progressivamente a presença do dólar nas relações internacionais. A criação pelo BRICS de uma moeda transnacional alternativa ao dólar é uma ideia no ovo e de concretização difícil, mas ainda assim bastante para inquietar as instituições financeiras internacionais como o FMI e o Banco Mundial e, sobretudo, Washington como centro do poder global neoliberal.

Thomas Hill, do Atlantic Council, instituição ao serviço da OTAN, escreveu que “os esforços de desdolarização são um desafio significativo para os interesses dos Estados Unidos”, como se percebe, uma heresia provocatória. Hill acrescenta que “isso pode limitar a capacidade dos Estados Unidos para executar défices e garantir baixas taxas de juro” – e também a impressão em massa de dólares sem qualquer valor em termos de riqueza para despejar sobre o mundo os seus défices orçamentais descontrolados e a dívida astronômica que o “establishment” não tem a menor intenção de liquidar.

No próximo mês de Outubro realiza-se em Kazan, na República do Tartaristão, integrada na Federação Russa, uma cimeira do BRICS com importância transcendente porque, entre outros temas com peso estratégico – não apenas para o grupo – serão apreciadas como candidaturas de numerosos países.

Entre os cinco BRICS existem divergências sobre esta e várias outras questões. A Índia, ao contrário da China, deseja uma ampliação muito gradual – certamente porque o regime de Narandra Modi se caracteriza por funcionar como um guia no cenário internacional, tentando beneficiar do melhor dos mundos entre os círculos anti-imperiais e o Ocidente, o qual, por sua vez, não perde uma oportunidade para despertar as diferenças territoriais e as contradições ainda existentes entre Nova Deli e Pequim.

Os países membros, no entanto, conseguiram encontrar consensos nas suas cimeiras, aguardando-se com alguma expectativa o tipo de influências que a presença dos novos membros irá exercer.

O BRICS evoluiu para o conceito de BRICS+ ou BRICS Plus, refletindo o aumento para já a nove países; mas esta designação corresponde igualmente a uma plataforma de inovação, criatividade e sustentabilidade já representada em 186 países. Trata-se, como se define no seu site, de “uma plataforma internacional de negócios de ponta com a participação de cientistas, especialistas, investidores, políticos e figuras públicas para melhorar a qualidade de vida dos povos em todo o mundo, aperfeiçoando os padrões de responsabilidade ambiental e social do funcionamento das empresas, governos e sociedades”.

O BRICS é uma nova realidade com peso no cenário mundial. Apresenta-se como uma forma de moldar o mundo alternativo ao sistema de cunho imperial e ao seu caminho para impor um globalismo suscetível de reduzir os cidadãos a simples máquinas.

O grupo tem igualmente como um dos seus objetivos o de favorecer parcerias estratégicas, a exemplo do que foi exigido entre a Rússia e a China e que tem vindo a ser reforçado e consolidado em sucessivas cimeiras entre Vladimir Putin e Xi Jinping.

Entre os países que solicitaram formalmente adesão ao grupo estão a Argélia, Bahrein, Bangladesh, Bielorrússia, Bolívia, Cuba, Cazaquistão, Kuwait, Paquistão, Senegal, Tailândia, Venezuela, Vietnã e Iêmen. Quanto aos que já manifestaram interesse em integrar-se destacam-se a Turquia (membro da OTAN e repudiado pela União Europeia), Angola, Arábia Saudita, Camarões, Colômbia, Indonésia, Jamaica, Mianmar, Nicarágua, Síria, Tunísia, Somália, República Democrática do Congo e Zimbabué, entre vários outros.

O BRICS+ não deve ser encarado isoladamente, mas sim no âmbito de um sistema de reorganização das relações entre as nações, à margem dos mecanismos coloniais, imperiais e globalistas, centrado na região da Eurásia – estratégico à escala global.

O novo sistema de relações igualitárias entre nações independentes e soberanas assenta também num inovador sistema multimodal e transcontinental de mobilidade mundial que institui rotas através de alternativas aos velhos, desgastados e penalizadores movimentos ditados pelos interesses imperiais e coloniais. O sistema criado pela China inspirado nas antigas rotas da seda e o Corredor Internacional de Transportes Norte-Sul, entre a Índia, o Irã e a Rússia, são dois exemplos em pleno desenvolvimento; além do memorando de entendimento já previsto na OCX para estabelecer um corredor de mobilidade entre a Bielorrússia, Rússia, Cazaquistão, Uzbequistão, Afeganistão e Paquistão.

As inquietações do Ocidente enquanto dono e senhor do mundo têm razão de ser. Um cenário que enquadra os BRICS+, a Organização de Cooperação de Xangai, a União Econômica da Eurásia, com poder de atração, envolvendo as nações mais populosas do mundo, assente no respeito pelo direito internacional, na soberania dos Estados, ameaçando o status quo, apresenta-se efetivamente como alternativa à “ordem internacional baseada em regras”. A multipolaridade contesta a sério, pela primeira vez desde o fim da guerra fria, a unipolaridade imperial.

Existe, inegavelmente, um confronto de grandes proporções e decisivo para que possa ser o mundo num futuro que não é longo.

Testemunhamos no presente um combate sem quartel entre uma ordem mundial em manipulação, desmascarada mas militarmente poderosa, belicista, acima das leis internacionais, ancorada em privilégios seculares usurpados, arrogantes, segregacionistas e xenófobos, que não hesitam em violar compromissos reforçados ou em assumi-los de má fé consciente de que irá violá-los, tudo em nome de uma “civilização” única e dominante; e uma ordem mundial em ascensão, potencialmente apoiada pela maioria das nações do mundo, mesmo algumas que não estão em condições de se manifestar nesse sentido, onde prevalecem as relações entre países soberanos e iguais, guiadas pelo direito internacional. Um frente a frente entre a unipolaridade e a multipolaridade; entre a “ordem baseada em regras” e o direito internacional; entre a guerra como instrumento prioritário de decisão e o desejo em evitar soluções militares; entre o sistema de uma nação prevalecendo sobre as “aliadas” transformadas em ovelhinhas dóceis alimentando-se de erva tóxica cultivada no “jardim” de Borrell; e uma “selva” de nações dispostas a manter relações mutuamente benéficas, muitas delas ansiosas por libertar-se finalmente da canga colonial. Um confronto entre o capitalismo financeiro e especulativo e o capitalismo industrial e produtivo, entre o G-7 e os BRICS+ conjugados com a Organização de Cooperação de Xangai e outras entidades transcontinentais afins, um sistema cada vez mais determinante no G-20.

A velha ordem não abdica nem está disposta a partilhar o controle geoestratégico. A exploração da situação sempre irresolúvel no Médio Oriente, sobretudo na Palestina, e a criação artificial da guerra na Ucrânia, em 2014, são exemplos flagrantes dessa recusa ocidental em admitir que a relação de forças mundiais está a alterar-se.

Para garantir os privilégios seculares, a “nossa civilização” tem como objetivos estratégicos indispensáveis ​​o desmantelamento da Rússia em várias “nações”, um exemplo do que conseguiu fazer com a União Soviética. E a desestabilização permanente da China recorrendo à armadilha de Taiwan, à ameaça militar permanente e à guerra comercial, tecnológica e das avaliações. O “Ocidente coletivo” crê que rompendo o eixo estratégico Pequim-Moscou tem uma sobrevivência garantida. Antes disso, porém, pode acontecer que se vire o feitiço contra o feiticeiro. O que aconteceu nas eleições europeias ao truculento napoleãozinho Macron, em França, e ao invertebrado Scholz, na Alemanha, aparentemente serão avisos para levar a sério. E também não é por acaso que os mais destacados dirigentes europeus invertem a estratégia econômica de que tanto se ufanaram e falam agora na necessidade de “reindustrializar” os seus países. Uma correção de rota que depende do resto do mundo e não dará frutos amanhã.

Quem sabe se mais depressivo pode ruir fragorosamente os pilares da União Europeia e as pontes transatlânticas daquela parceria estratégica entre a Rússia e a China?

Mais depressivo ainda, a irresponsabilidade psicopática dos que não desistem de continuar donos do mundo pode jogar uma cartada desesperada, lançar as armas nucleares para o campo de batalha e então a nova ordem internacional será a dos cemitérios. E não temos assim tanta certeza de que o bom senso prevalece e, no mínimo, se avançar para séries e negociações de paz credíveis na Ucrânia; e de que haja coragem para trabalhar Israel, porque não se sabe até onde os delírios esotéricos e divinos do sionismo podem chegar. Sobre nós continuamos, ainda e sempre, a pairar a sentença proferida pelo crime de guerra Ariel Sharon ao jornal “Guardian” de que mais depressa acaba o mundo do que se derrota Israel.

E os povos?

Todos estes confrontos se travam, é natural registrá-lo, à revelação dos povos de todo o mundo e, não essencial, contra as pessoas, contra os seres humanos, as maiores vítimas das guerras, da fome, das migrações, das catástrofes ambientais, da perversão ideológica, do envenenamento mediático. A velha ordem tem as mãos sujas de tudo isto; a ordem em ascensão tem linhas programáticas diferentes, mas tudo se passa nos terrenos do capitalismo, sabendo-se ainda que em ambos os campos do confronto a selvageria neoliberal tem feridas profundas no ser humano. É um confronto titânico à margem dos povos e de que os povos sofrerão as mais nefastas consequências.

Uma ordem internacional justa e humanista só poderá ser instaurada por povos inconformados com o uso e abuso de sua condição humana ao serviço de interesses minoritários contrários aos seus. Por quanto tempo mais durará sua paciência? Conseguirão despertar antes de uma insanidade dominante dar cabo do que ainda resta?

strategic-culture.su

Related Posts
Como a esquerda francesa salvou o regime político putrefato
fotos

O grande perdedor nas eleições francesas não foi a extrema direita. É certo que, se não fossem os acordos espúrios [...]

Ainda é possível evitar uma guerra civil na Ucrânia?
fotos

Com uma população armada e medidas militares cada vez mais impopulares, o regime de Kiev pode ser confrontado por seus [...]

Tentativa de assassinato contra Donald Trump mostra que os EUA são um estado falido
fotos

Os EUA não são mais a terra da liberdade e da democracia, mas um exemplo de um estado falido e [...]

O retorno de Trump: uma verdadeira revolução política no regime americano?
fotos

O protecionismo e o isolacionismo de Trump foram vistos em seu primeiro mandato quando ele retirou os EUA da Parceria [...]

Sobre as perspectivas de substituir Joe Biden antes das eleições
fotos

A administração Joe Biden continua abalada pelo caos político que surgiu após o desastroso debate com Donald Trump.

Capitalismo responsável
fotos

Um ex-funcionário da empresa americana Boeing contou os segredos da empresa. Em particular, ele disse que na produção das aeronaves [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!