Cenários futuros da guerra atual

Phil Uman

Quando falamos de uma possível guerra, é importante entender: ela já está em andamento. Embora tecnicamente por meios pacíficos, já fomos atacados. Só que não com bombas e projéteis, mas com subversão em toda parte. Mas é só por enquanto …

As perspectivas de uma nova guerra mundial foram previstas desde o final da Segunda Guerra Mundial, quando começou a “guerra fria” do Ocidente e da URSS ou da OTAN ou da OTAN e dos países do Pacto de Varsóvia. Desenvolveu-se na crise do Caribe e depois na rivalidade dos EUA com a Rússia moderna.

Ouvimos incessantemente as acusações de que a Rússia é uma ameaça para o mundo inteiro, embora, na verdade, para os Estados Unidos signifique apenas o seu próprio mundo. Mas o grande problema é que Washington e seus aliados estão tentando criar, com base nessa ameaça, um axioma para colocá-la na vanguarda da política internacional.

Os Estados Unidos se retiraram do Tratado INF e já estão questionando o Tratado de Desarmamento Nuclear – START-3. Tudo isso faz com que militares e especialistas de todo o mundo conversem sobre novos cenários da nova guerra mundial. Mas como pode ser? Definitivamente, não é o que esperamos da experiência da guerra mundial passada e de muitos conflitos armados locais.

De que cenários de guerra dependem

Eles dependem do objetivo. Qual poderia ser o objetivo de um Ocidente unido em uma guerra contra o Oriente? Estabelecer controle sobre o Oriente com a completa eliminação da resistência, a fim de usufruir de vantagens estratégicas e de recursos naturais.

De objetivos em objetivos: por meios militares, infligir ao inimigo uma derrota na qual reconheceria sua rendição incondicional.

Das tarefas aos meios e recursos necessários: o uso das forças armadas do Ocidente desde as principais pontes, fornecendo a infraestrutura de transporte e logística necessária, levando em consideração as distâncias e o clima.

E então resta calcular o procedimento.

Excluir imediatamente o uso de armas nucleares. Primeiro, o lado atacante pode ser atingido pelo contra-golpe. Em segundo lugar, priva a guerra do objetivo – por que controlar o lado derrotado se é impossível usar seus recursos e território?

Além disso, a intervenção é menos possível. Aproximadamente pelas mesmas razões: o risco de a guerra entrar na fase nuclear é muito grande.

O que resta? Apenas o cenário de atrair o Inimigo para uma guerra terceirizada, onde não haveria participação formal do Ocidente, mas na qual o Inimigo teria esgotado seus recursos políticos e econômicos.

Os americanos devem ser os primeiros?

Hoje, na Ásia e na Europa, eles entendem que a Rússia não pode ser responsabilizada por todos os pecados mortais. A chanceler alemã Angela Merkel já declarou que a retirada dos EUA do Tratado INF é um precedente perigoso. Outros líderes europeus apoiaram a posição de Washington em grande parte por inércia, devido à dependência servil aos Estados Unidos. A Ásia também não é unânime na opinião de responsabilizar Moscou por qualquer coisa. Especialmente quando você considera que, na realidade, não existe responsabilidade da Rússia ou de “casus belli”.

No entanto, o primeiro cenário de uma guerra de larga escala se baseia precisamente na iniciativa dos Estados Unidos. Essa premissa básica é claramente visível nas palavras de vários oficiais militares americanos de alto escalão, representantes do establishment e políticos. Eles falam sobre a interminável “ameaça russa”, em nome da luta com a qual a Otan está se movendo teimosamente para o Oriente. Mas por que os americanos deveriam ser os primeiros?

Os Estados Unidos e os países da OTAN estão acumulando diligentemente forças na fronteira com a Rússia. Com um certo acúmulo dessas forças, os Estados Unidos se tornarão, mais cedo ou mais tarde, a parte que não resistirá e começará hostilidades abertas, porque os soldados da Otan estão se tornando cada vez mais numerosos.

Não há absolutamente lógica nisso: um confronto aberto pode levar muito rapidamente a um apertar de um botão nuclear. Isso significa que nenhum dos lados alcançará seus objetivos estratégicos, mas certamente receberá um contra golpe que levará, como costumam dizer os generais da OTAN, a “danos inaceitáveis”.

No entanto, basta apenas olhar a retórica dos generais para entender que o primeiro cenário é bem possível. Foi o que o chefe das operações navais da Marinha dos EUA, almirante John Richardson, disse no início de fevereiro:

“Os Estados Unidos não devem pensar apenas em retaliação … precisamos pensar em como podemos atacar primeiro …”

Assim, são os americanos que têm mais chances de, mais cedo ou mais tarde, se tornarem o lado que puxará o “gatilho” da guerra mundial.

Agressores – RPDC e Irã

Os setores militares dos EUA acreditam que o Irã e a Coréia do Norte estão causando uma ameaça nuclear para a América e o mundo inteiro. O cenário em que norte-coreanos e iranianos são os primeiros a utilizarem suas armas é de fato improvável. No entanto, o risco de um começo desse tipo de guerra mundial e nuclear é alto devido ao fato de o Ocidente poder reagir com um golpe a qualquer ataque de Teerã ou Pyongyang.

No início do ano, o Centro de Segurança e Cooperação Internacional da Universidade de Stanford publicou um relatório que avaliava o grau de ameaça nuclear da Coréia do Norte.

Como disse um dos autores do relatório, Siegfried Hecker, ex-diretor do laboratório de armas americano no Novo México, em uma entrevista à Reuters, a análise de imagens de satélite mostrou que a produção de combustível nuclear na Coréia do Norte continuou em 2018, a RPDC poderia produzir 5-8 kg de plutônio para armas.

Ao mesmo tempo, segundo o analista, a RPDC não tem condições de atingir od EUA com seus mísseis, mas pode atacar o Japão ou a Coréia do Sul. Dado que ela não tem um acordo final com o Ocidente, o desenvolvimento de armas na RPDC continua.

Portanto, não importa se a RPDC está ameaçada pelos Estados Unidos. É importante que Washington veja isso como uma ameaça, tenha bases militares no Japão e na Coréia do Sul e esteja se preparando para “responder à agressão”. Trump diz que quase conseguiu se dar bem com Kim Jong-un, mas na realidade isso não é o caso.

Outra coisa é o Irã. A República Islâmica concordou em colocar suas instalações nucleares sob o controle da AIEA, mas Trump disse que era um “mau acordo” e a destruiu. Agora, novas sanções são impostas a Teerã. Os Estados Unidos também apoiam Israel, o pior inimigo do Irã, e estão impedindo as forças iranianas na Síria. Este é um novo pretexto para uma guerra que pode começar no Oriente Médio e onde novas potências podem ser gradualmente atraídas, começando pelos próprios Estados Unidos.

O militarismo do Irã, no entanto, não é negado pelo chefe da república, Hassan Rouhani. O 11 de fevereiro no Irã foi um grande feriado – o 40º aniversário da revolução islâmica. Rouhani afirmou:

“Nós não pedimos e não pediremos permissão a ninguém para desenvolver vários tipos de mísseis”.

Portanto, outro cenário: o Irã abre fogo contra seus oponentes no Oriente Médio e depois vem a resposta dos Estados Unidos e de outros países. Observamos que Teerã dificilmente ousaria fazer algo semelhante. Sabendo disso, Washington continua ameaçando o Irã e pressionando-o com sanções.

China e Rússia

O cenário de uma guerra mundial em que será desencadeada pela Rússia ou a China é muito mais difícil de imaginar. A Rússia faz muito mais para salvar o mundo do que qualquer outra país. Enquanto os EUA criaram novos grupos terroristas no Oriente Médio, a Rússia lutou contra eles. O “estado islâmico” na Síria foi derrotado apenas depois de entrar em ação as forças aeroespaciais russas à luta contra terroristas.

Ao mesmo tempo, a Rússia e China são potências nucleares. Isso significa pelo menos um desestímulo para os Estados Unidos. E se recordarmos toda a retórica americana em 2018, as sanções contra a Rússia, a guerra comercial de Washington com Pequim, a probabilidade de conflito não poderá ser descartada. No entanto, vale lembrar que a Rússia e a China são uma frente no Conselho de Segurança da ONU e estão bloqueando as iniciativas abertamente belicosas de Washington.

Nos EUA, a mídia diariamente bombardeia o público com a chamada “agressão russa”. E podemos dizer que no campo da informação, a guerra já está em pleno andamento. Os americanos, enquanto isso, não estão apostando em oposição aberta à Rússia – isso seria suicídio. Os Estados Unidos estão enfraquecendo a Rússia, de modo que, em um momento decisivo, darão comandos a seus militares, e a Rússia não seria capaz de responder a isso com armas nucleares.

Esse objetivo pretende ao enfraquecimento lento e sistemático da segurança da Rússia, criar conflitos regionais e, finalmente, a criação de um sistema de defesa antimísseis dos EUA no espaço até 2020. Esses fatores não são capazes de tirar da Rússia a capacidade de defender o agressor, mas, infelizmente, eles podem enfraquecer.

Portanto, quando falamos sobre os cenários da nova guerra mundial e as perspectivas para a guerra nuclear, deve-se entender que o confronto já começou. Vai clandestinamente, mas isso não significa que a Rússia não se defenda. Mas, o ataque dos Estados Unidos e da Europa, países da OTAN, é hoje a maior e já realizável ameaça. A agressão do Irã e da RPDC é improvável, mas é possível no caso de sérias provocações. A Rússia e a China, no entanto, têm todas as forças necessárias, mas não seguem uma política que permita que sejam consideradas como agressoras.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 5 =