China antiga: papel, dinheiro, bússola e outras conquistas

Foto: chinaed

No coração da cultura chinesa está o evento mais importante que mudou o mundo inteiro – a invenção do papel. Embora todas as civilizações vizinhas não pudessem sequer pensar em escrever, os sábios chineses já formavam suas bibliotecas pessoais.

Mesmo antes do aparecimento do papel, os chineses aprenderam a escrever, primeiro no bambu e depois nos tabletes de argila. Logo eles foram capazes de dobrar as tábuas finas em rolos inteiros e fazer livros deles. Mas com o advento do papel, os livros tornaram-se completamente acessíveis e facilmente publicados. Os aristocratas tinham que ser capazes de escrever e ler caligraficamente, caso contrário, essas pessoas não eram dignas de estar nos círculos mais altos da sociedade. Além disso, os chineses foram os primeiros que começaram a usar papel-moeda, que substituiu as moedas de metal. A arquitetura também foi muito desenvolvida na civilização antiga, e mestres de obras fora do comum e diferentes profissões foram criadas: joalheiros, rodízios, construtores de barragens e armeiros.

Também a China não ignorou a navegação: eles criaram navios altamente complexos, o que poderia invejar os vikings. Lendas sobre viagens marítimas dos chineses também criadas, e a expedição mais famosa foi a navegação de Zheng He, navegando para o leste da África. Para melhorar a navegação, eles criaram uma bússola, que ajudou os marítimos a viajar muito.

A filosofia deste país repousa firmemente em duas fontes principais: o taoísmo (com Lao Tzu como o inspirador ideológico) e o confucionismo (o líder é Kung fu Tse – Confúcio). Ambos existem em harmonia e se complementam. O confucionismo é destinado a determinar a vida social humana. É guiado pelas normas de ética e moralidade. Através do confucionismo, os chineses aprendem os fundamentos da comunicação com as pessoas, o respeito pelos entes queridos, o amor pela pátria e os princípios da construção de uma família. O taoísmo, por outro lado, desenvolve as qualidades interiores de uma pessoa e ajuda a encontrar harmonia na interação entre o eu interior e o mundo exterior.

A religião do estado é uma mistura de três áreas: o taoísmo, o confucionismo e o budismo, emprestados da Índia.

O budismo teve uma influência considerável na cultura e educação da China antiga. Como qualquer um poderia se tornar um monge dessa religião, até mesmo os cidadãos mais simples do estado poderiam aprender a ler e a escrever. Os mosteiros tornaram-se verdadeiras escolas de ciência e, depois de um tempo, as primeiras universidades budistas surgiram no país. Eles estudaram ciências e artes marciais. O budismo se desenvolveu muito rapidamente na China e logo passou para outros países vizinhos: Mongólia e Coréia.

Do Glavtema

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + vinte =