China e Rússia aprofundam relação entre os dois países

A abertura dos fluxos de gás pelo gasoduto reflete as tentativas de Moscou de se voltar ao Oriente para tentar amenizar os estragos das sanções financeiras do Ocidente, impostas devido à anexação russa da Crimeia em 2014.

Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping, supervisionaram nesta segunda-feira a inauguração de um gasoduto histórico que transportará gás natural da Sibéria ao nordeste da China, dando um impulso econômico e político nas relações entre os dois países.

A abertura dos fluxos de gás pelo gasoduto reflete as tentativas de Moscou de se voltar ao Oriente para tentar amenizar os estragos das sanções financeiras do Ocidente, impostas devido à anexação russa da ucraniana Crimeia em 2014.

A medida consolida a posição da China como maior mercado de exportação da Rússia e dá a esta última um mercado potencialmente enorme fora da Europa. Ela também ocorre no momento em que Moscou espera lançar dois outros projetos grandes de energia 00 o gasoduto submarino báltico Nord Steam 2 para a Alemanha e o gasoduto TurkStream para a Turquia e o sul europeu.

Mar Negro

Com 3 mil quilômetros de extensão, o gasoduto da Sibéria transportará gás dos campos de Chayandinskoye e Kovytka, no leste siberiano — um projeto que se espera durar três décadas e gerar US$ 400 bilhões para os cofres estatais russos.

— Este é um acontecimento genuinamente histórico não somente para o mercado global de energia, mas acima de tudo para nós, para Rússia e China. Este passo leva a cooperação estratégica russo-chinesa na energia a um novo nível qualitativo e nos aproxima mais da (execução) da tarefa, estabelecida junto com o líder chinês, Xi Jinping, de elevar o comércio bilateral a 200 bilhões de dólares até 2024 — disse Putin, que assistiu à inauguração por videoconferência na estância de Sochi, no Mar Negro russo.

O novo gasoduto emerge em Heilongjiang, que faz fronteira com a Rússia, e segue para Jilin e Liaoning, o principal polo de grãos da China. Xi disse a Putin via videoconferência nesta segunda-feira que o gasoduto recém-inaugurado é “um projeto histórico da cooperação de energia bilateral” e “um exemplo de integração profunda e cooperação mutuamente benéfica”.

Os fluxos do gasoduto devem aumentar gradualmente para 38 bilhões de metros cúbicos (bcm) por ano até 2025, possivelmente tornando a China a segunda maior consumidora de gás da Rússia – só atrás da Alemanha, que comprou 58,50 bcm de gás russo no ano passado.

Do CdB

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − oito =