Cientistas russos desenvolvem tecnologia para criar embriões humanos resistentes ao HIV

fotos

Cientistas da Universidade Nacional de Pesquisa Médicas da Rússia (posteriormente designado de Pirogov) em cooperação com a Universidade Estatal de Moscou e especialistas do Centro Científico (também chamado de Kulakov) criaram embriões humanos com um genoma que determina resistência ao vírus da imunodeficiência humana (HIV).

Os cientistas modificaram o genoma de embriões em um único estágio de célula (zigoto) com a ajuda do sistema CRISPR-Cas9. Dos zigotos, os cientistas cortaram 32 nucleotídeos da sequência do gene CCR5 que codifica o receptor, ao qual o vírus se agarra para entrar nas células do sangue.

Algumas pessoas que vivem na Terra possuem naturalmente essa variante particular do gene CCR5 e mostram maior resistência à infecção pelo HIV. A tecnologia pode ajudar a proteger as crianças de mães infectadas pelo HIV que respondem negativamente à terapia antiviral.

Denis Rebrikov, Doutor em Ciências Biológicas, professor da Academia Russa de Ciências, falou a respeito da nova tecnologia com o Pravda.ru.

“Os cientistas começaram a trabalhar com sistemas para modificar o genoma de embriões humanos recentemente. Os pesquisadores chineses fizeram a primeira tentativa em 2015. Mudar o genoma humano no nível do embrião é uma nova direção que não tem base legal apropriada, e muito menos uma opinião pública formada.

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − um =