Como a dieta paleolítica preservou a saúde de nossos ancestrais

fotos

Em épocas quentes entre os períodos glaciais que se estendeu de 500.000 a 200.000 anos atrás, as regiões do sul da Grã-Bretanha foram ocupadas pela visão de um homem antigo, o Homo heidelbergensis. Esses caçadores-coletores exigiam muito do lugar onde iriam morar ou acampar, sempre pensando em onde encontrar boa comida. Infelizmente, eles deixaram pouca evidência de sua ocupação, com a exceção de locais muito raros, repletos de ossos.

Em um artigo, cientistas de Southampton Laura Basileia, Sian Robinson e Graham Burge analisaram dados de sítios arqueológicos em ambos os lados do Canal da Mancha para descobrir se a localização deles poderia estar ligada a áreas onde antes havia uma rica opção de alimentos. Estas áreas estão concentradas no meio dos vales mais baixos, a maioria dos quais estão a montante, mas relativamente próximos dos limites de marés estimados ao nível do mar naquele período. Estes incluem Dunbridge em Hampshire, Swanscombe perto de Dartford e o vale do Somme na França.

Devido à influência de processos geológicos durante períodos de tempo tão grandes, apenas alguns desses lugares estão localizados exatamente onde estavam há centenas de milhares de anos atrás. Apesar disso, os resquícios dessa ocupação avançou apenas algumas dezenas de metros. Assim, comparando as localidades dos assentamentos com um banco de dados de plantas e animais conhecidos em toda a região naquele momento, pode-se avaliar o alimento que era disponível para eles.

Até que ponto as necessidades nutricionais dos nossos primeiros ancestrais eram satisfeitas? Os cientistas estudaram a disponibilidade de macronutrientes (proteínas, carboidratos e gorduras) e oligoelementos essenciais, como vitaminas A, B6, B12 e C, ácido fólico, iodo, ferro e zinco. A vantagem desses locais incluía melhor acesso a produtos que forneciam todos esses nutrientes importantes, incluindo fontes como fígado cru e medula óssea, ovos, caudas gordurosas de castor, enguias nutritivas, vegetais de raízes como cenoura selvagem, repolho, agrião e vegetais de folhas verdes. Esses produtos preservaram a saúde da população e garantiram o máximo sucesso reprodutivo e, talvez, até aumentaram a complexidade cultural dessa população.

Assim, talvez, nos nichos ecológicos encontrados nessas áreas da várzea, houvesse uma interação simbiótica entre esses primeiros hominídeos, cavalos e veados, que eram atraídos por prados nas bordas de florestas, peixes de água doce e enguias e castores. Parece que este modelo de ocupação, combinado com uma baixa densidade populacional, foi fundamental para a dieta paleolítica. Aqui, nas latitudes mais geladas do hemisfério norte – a própria fronteira do mundo naquela época – a nutrição complexa permitiu que nossos primeiros ancestrais humanos ultrapassassem as fronteiras de sua terra natal e entrassem em regiões menos produtivas por mais de meio milhão de anos.

Fonte: ecoserver

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!