Como lidar com a birra de Trump?

A agenda de política externa não ortodoxa do presidente dos EUA, Donald Trump, tem sido um foco de atenção da mídia. | AFP

Por KUNI MIYAKE

Por mais de uma década, sempre fiquei em casa durante a semana de 13 a 16 de agosto, período durante as festas  do Obon do Japão.

Os budistas acreditam que este é o momento em que as almas de seus ancestrais retornam para visitar seus parentes. Muitos japoneses voltam para suas cidades natais ou saem de férias. Os resorts de verão estão tão cheios que mal se pode relaxar. Então eu não saí de Tóquio na semana passada.

Ironicamente, tive muito mais aparições na TV, rádio e outras mídias do que o normal. Os espectadores e ouvintes podem fazer uma pausa, mas os produtores de programas de notícias não podem e devem transmitir algo. É por isso que eles escolheram o presidente dos EUA, Donald Trump, como tema, e provavelmente eu, como fui um dos poucos comentaristas que ficou em Tóquio na semana passada.

Acabei comentando sobre a “birra de Trump” a cada dois dias. As perguntas que me fizeram foram quase as mesmas. O que você acha da política externa do presidente dos EUA, Donald Trump? E quanto ao impacto da quarta rodada de tarifas contra as importações da China? Os Estados Unidos podem mediar disputa comercial entre o Japão e a Coréia do Sul e atacarão o Irã em breve?

Embora eu esteja cansado da política externa de “birra” de Trump, acredito que vale a pena analisar as razões pelas quais os EUA estão indo em uma direção tão errada. Por que muitas vezes deixamos de compreender as razões pelas quais a administração Trump está fadada ao fracasso? O seguinte é minha opinião:

1. A persona de Trump versus seu grupo de conselheiros

Parece haver uma dicotomia entre a personalidade de Trump e sua entidade de política externa. O primeiro é o indivíduo, caprichoso e narcisista Trump, enquanto o último é uma organização que consiste, não necessariamente, sempre nos melhores e mais brilhantes conselheiros, mas ainda assim é uma burocracia suficientemente decente.

O problema é que o “Trump individual” não está interessado tanto em governar quanto em fazer campanha para se reeleger em 2020. O “Trump organizacional”, ao contrário, pelo menos tenta o seu melhor para governar e liderar a nação no mundo e na direção certa para maximizar os interesses nacionais americanos.

Além disso, os primeiros nem sempre confiam nos últimos e, muitas vezes, gostam de permitir que esses consultores entrem em competição em propostas específicas de política externa. Para piorar a situação, Trump, o indivíduo tende a adotar, independentemente de seus méritos, as opções políticas que ele considera mais adequadas aos objetivos de sua campanha.

2. A política externa de Trump não tem um objetivo consistente

Se existe uma dicotomia entre a personalidade de Trump e sua organização, não há espaço para consistência na política externa de Trump. Muitos de seus conselheiros, ao mesmo tempo em que tentam não enfurecer o presidente, parecem também estar tentando, embora nem sempre bem-sucedidos, ajudar o presidente a governar a nação.

A boa notícia é que alguns conselheiros e burocratas são mais bem-sucedidos do que outros. A má notícia, no entanto, é que os conselheiros mais competentes já deixaram a administração até o final de 2018. O melhor exemplo é o general James Mattis, o 26º secretário de Defesa dos EUA.

Esta situação se assemelha ao romance de mistério da autora britânica Agatha Christie, “And Then There Were None”. Christie é citada descrevendo-a como o “mais difícil” de seus livros para escrever. O caso da administração Trump, no entanto, é muito mais difícil de imaginar e, provavelmente, muito mais sinistro para os Estados Unidos.

3. A política chinesa de Trump parece mais consistente, enquanto que em relação à Coreia do Norte parece ser a menos

Os apresentadores de muitos programas de notícias me perguntaram por que a administração Trump é tão dura com a China, enquanto é branda na recente série de lançamentos de mísseis balísticos norte-coreanos.

Tanto o indivíduo quanto a organização são unânimes em relação à China, embora não necessariamente à Coréia do Norte. Trump, o indivíduo, provavelmente acredita que ele pode ser reeleito se a economia dos EUA continuar com boa aparência enquanto ele continuar atacando Pequim. O Trump organizacional também está disposto a pressionar a China e até mesmo o Congresso está em sincronia com o presidente. Há consistência perfeita na política em relação a China.

Mas com a Coreia do Norte deve ser o oposto. A prioridade da península coreana não é muito alta, porque pressionar Pyongyang ou Kim Jong Un pode não ajudar muito o presidente a vencer a eleição de 2020. Trump não tem estratégia, mas apenas adota as idéias dos conselheiros que o fariam parecer ótimo nas telas de TV.

A política do Irã de Trump parece estar em algum lugar no meio. Segmentar Teerã é muito mais lucrativo do que pressionar Pyongyang porque o primeiro tem audiências domésticas mais favoráveis. No entanto, Trump parece saber bem que ele pode atacar o Irã, mas não pode ganhar uma guerra contra Teerã.

4. Como o Japão deve lidar com a política externa de Trump?

A maioria dos programas de notícias terminou com essa questão. Eles também perguntaram o que o Japão faria se Washington pressionasse Tóquio para aumentar sua parcela para custear as tropas estacionadas dos EUA neste país (Japão). Isso pode ser o que o indivíduo Trump tem em mente, mas não a organização.

Nós não estamos mais nos anos 80 ou 90, quando a União Soviética entrou em colapso, mas a China ainda não estava em ascensão. Agora, o ambiente geoestratégico no Leste e Sul da Ásia e no Pacífico Ocidental mudou drasticamente. Ninguém no Trump organizacional parece ter desafiado isso.

De qualquer maneira, era uma semana de feriado de Obon inesperadamente rápida. Quer meu julgamento esteja errado ou não, a dicotomia na administração Trump estará lá para ficar. Estou particularmente preocupado com a aproximação da recessão econômica global, que requer uma forte coordenação político-econômica entre as nações do Grupo dos Sete.

Pode Trump desempenhar o mesmo papel chave que seus antecessores fizeram para o Acordo Plaza em 1985 ou quando estorou a crise financeira global em setembro de 2008? Eu sinceramente espero que ele possa. Caso contrário, isso não apenas enfraquecerá sua reeleição em 2020, mas também toda a ordem internacional pós-1945.

Kuni Miyake é presidente do Instituto de Política Externa e diretor de pesquisa do Instituto Canon de Estudos Globais.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 16 =