Como São Petersburgo está mapeando o século da Eurásia

Rússia
Barco no canal em São Petersburgo, Rússia Foto: AFP / Tim Graham / Robert Harding Heritage

Por: Pepe Escobar

É impossível entender os pontos mais delicados do que está acontecendo na Rússia e em toda a Eurásia, em termos de negócios, sem acompanhar o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF) anual .

Portanto, vamos direto ao ponto e oferecer alguns exemplos de escolha do que é discutido nos painéis superiores.

Extremo Oriente russo – aqui está uma discussão sobre as estratégias – amplamente bem-sucedidas – que impulsionam o investimento produtivo na indústria e em infraestrutura no Extremo Oriente russo. A fabricação na Rússia cresceu 12,2% entre 2015 e 2020; no Extremo Oriente, quase o dobro, 23,1%. E de 2018 a 2020, o investimento per capita em capital fixo foi 40% superior à média nacional. As próximas etapas se concentram em melhorar a infraestrutura; abertura de mercados globais para empresas russas; e, acima de tudo, encontrar os fundos necessários (China? Coréia do Sul?) para tecnologia avançada.

A Organização de Cooperação de Xangai (SCO) – Como já vi nas edições anteriores do fórum, não há nada remotamente semelhante no Ocidente em termos de discutir seriamente uma organização como a SCO – que evoluiu progressivamente de seu foco inicial de segurança para um amplo papel político-econômico.

A Rússia presidiu a SCO em 2019-2020, quando a política externa ganhou um novo ímpeto e as consequências socioeconômicas da Covid-19 foram seriamente abordadas. Agora, a ênfase coletiva deve ser em como tornar esses países membros – especialmente os “stans” da Ásia Central – mais atraentes para investidores globais. Os painelistas incluem o ex-secretário-geral da SCO, Rashid Alimov, e o atual, Vladimir Norov.

Parceria euro-asiática – Essa discussão envolve o que deve ser um dos nós-chave do século euro-asiático: o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC). Um importante precedente histórico aplicar: o 8 º e 9 º séculos, a rota comercial do Volga ligava a Europa Ocidental para a Pérsia – e agora pode ser estendido, em uma variação do Silk Road Marítimo, todo o caminho até os portos na Índia. Isso levanta uma série de questões, que vão desde o desenvolvimento do comércio e da tecnologia até a implementação harmônica de plataformas digitais. Aqui se encontram painelistas da Rússia, Índia, Irã, Cazaquistão e Azerbaijão.

A parceria da Grande Eurásia – Grande Eurásia é o conceito russo abrangente aplicado à consolidação do século da Eurásia. Esta discussão é amplamente focada em Big Tech, incluindo digitalização completa, sistemas de gerenciamento automatizados e crescimento verde. A questão é como uma transição tecnológica radical poderia funcionar para os interesses da pan-Eurásia.

E é aí que entra a União Econômica da Eurásia (EAEU), liderada pela Rússia: como o impulso da EAEU para uma grande parceria euro-asiática deve funcionar na prática. Os painelistas incluem o presidente do conselho da Comissão Econômica da Eurásia, Mikhail Myasnikovich, e uma relíquia do passado de Yeltsin: Anatoliy Chubais, que agora é o representante especial de Putin para “relações com organizações internacionais para atingir metas de desenvolvimento sustentável”.

Tenho que me livrar de todas aquelas verdinhas

Provavelmente, o painel mais atraente sobre SPIEF foi sobre o “novo normal” (ou anormal) pós-Covid-19 e como a economia será reformulada. Uma subseção importante é como a Rússia pode capitalizar sobre isso, em termos de crescimento produtivo. Foi uma oportunidade única de ver a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, a governadora do Banco Central da Rússia, Elvira Nabiullina, e o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov, debatendo na mesma mesa.

Foi Siluanov quem de fato comandou todas as manchetes relacionadas ao SPIEF ao anunciar que a Rússia se livrará totalmente do dólar americano na estrutura do National Wealth Fund (NWF) – o fundo de riqueza soberana da Rússia de fato – além de reduzir a participação da libra esterlina. O NWF terá mais euros e yuans, mais ouro, e a participação do iene permanecerá estável.

Esse processo de desdolarização em andamento é mais do que previsível. Em maio, pela primeira vez, menos de 50% das exportações russas eram denominadas em dólares americanos.

Siluanov explicou que as vendas de cerca de US $ 119 bilhões em ativos líquidos passarão pelo Banco Central da Rússia, e não pelos mercados financeiros. Na prática, isso será uma simples transferência técnica de euros para o NWF. Afinal de contas, o Banco Central vem se livrando dos dólares americanos há anos.

Mais cedo ou mais tarde, a China o seguirá. Paralelamente, algumas nações da Eurásia, de maneira extremamente discreta, também estão contornando o que é de fato a moeda de uma economia baseada em dívidas – no valor de dezenas de trilhões de dólares, como Michael Hudson vem explicando em detalhes. Sem falar que a negociação de dólares americanos expõe nações inteiras a uma máquina judicial extorsionária extraterritorial.

Na importantíssima frente sino-russa, permeando todas as discussões no SPIEF, está o fato de que um pool de know-how técnico chinês e energia russa é mais do que capaz de solidificar um enorme mercado pan-euroasiático capaz de ofuscar o Ocidente. A história nos conta que, em 1400, a Índia e a China eram responsáveis ​​por metade do PIB mundial.

Enquanto o oeste se afunda em um colapso auto-induzido pelo Build Back Better, a caravana eurasiana parece imparável. Mas então, existem aquelas sanções incômodas dos EUA.

Sessão do Clube de Discussão Valdai aprofundou a histeria: as sanções que servem a uma agenda política estão ameaçando vastas áreas da infraestrutura econômica e financeira mundial. Portanto, estamos de volta à síndrome inevitável do dólar americano transformado em arma – implantado contra a Índia, que compra petróleo iraniano e hardware militar russo, ou contra empresas chinesas de tecnologia.

Os palestrantes, incluindo o vice-ministro das finanças da Rússia, Vladimir Kolychev, e o relator especial da ONU sobre o “Impacto negativo das medidas coercitivas unilaterais no gozo dos direitos humanos”, Alena Douhan, debateram a inevitável nova escalada de sanções anti-russas.

Outro tema recorrente nos debates do SPIEF é que, aconteça o que acontecer na frente de sanções, a Rússia já tem uma alternativa ao SWIFT, e a China também. Ambos os sistemas são compatíveis com SWIFT no software, portanto, outras nações também podem usá-lo.

Nada menos que 30% do tráfego da SWIFT envolve a Rússia. Se essa “opção” nuclear algum dia viesse a acontecer, as nações que negociam com a Rússia quase certamente abandonariam o SWIFT. Além disso, Rússia, China e Irã – o trio da “ameaça” ao Hegemon – têm acordos de swap de moedas, bilateralmente e com outras nações.

O SPIEF deste ano teve lugar apenas alguns dias antes das cimeiras do G7, OTAN e EUA-UE – que irão evidenciar graficamente a irrelevância geopolítica europeia, reduzida ao estatuto de uma plataforma de projeção de poder dos EUA.

E ocorrendo menos de duas semanas antes da cúpula Putin-Biden em Genebra, o SPIEF prestou principalmente um serviço público para aqueles que se preocupam em notar, mapeando alguns dos contornos práticos mais importantes do século eurasiano.

Fonte: Asia Times
Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!