Cúpula Rússia-África é um marco oportuno no caminho para o mundo multipolar

O enorme potencial da África como potência global ainda não foi realizado, em grande parte por causa dos legados colonialistas em andamento.

fotos
© Foto: Domínio público

A cúpula Rússia-África desta semana não poderia ter ocorrido em um momento mais oportuno nas relações internacionais. O evento simboliza uma mudança global seminal, que em última análise anuncia um futuro melhor para a humanidade, apesar da perigosa e terrível mudança associada a essa mudança no presente.

Em meio à terrível guerra por procuração alimentada pela OTAN na Ucrânia com a Rússia, líderes de quase 50 nações africanas participaram do fórum de dois dias em São Petersburgo, organizado pelo presidente russo Vladimir Putin.

O conflito na Ucrânia dura mais de 500 dias e corre o risco de sair do controle em uma guerra mundial total entre os Estados ocidentais liderados pelos Estados Unidos e a Rússia.

Washington e seus aliados da OTAN rejeitaram qualquer tentativa de acabar com a sangrenta guerra por meios diplomáticos. Vozes africanas implorando por um acordo pacífico foram rejeitadas com a típica arrogância ocidental.

De fato, as potências ocidentais estão escalando a violência de forma imprudente, incitando o regime de Kiev, que assumiu o controle da Ucrânia por meio de um golpe apoiado pela CIA em 2014, a comprometer cada vez mais infantaria em um conflito suicida.

Esta guerra causou estragos no abastecimento global de alimentos e nos preços que atingiram impiedosamente a população de 1,3 bilhão de habitantes da África. A Rússia é o maior fornecedor mundial de trigo e outros grãos, respondendo por cerca de 20% do total. A Ucrânia responde por cerca de 7 por cento.

É claro que a guerra teve um impacto negativo na oferta e nos preços globais. Mas quem começou esse conflito e quem está impedindo seu fim? Os EUA e sua chamada aliança de segurança, a OTAN, assumem total responsabilidade.

“Por um lado, os países ocidentais estão obstruindo o fornecimento de nossos grãos e fertilizantes, enquanto, por outro, eles nos culpam hipocritamente pela atual situação de crise no mercado mundial de alimentos”, disse o presidente Putin na cúpula em São Petersburgo.

Em 17 de julho, a Rússia desistiu de um acordo de grãos da ONU com a Ucrânia, negociado no ano passado. Esse acordo deveria garantir o transporte de exportações agrícolas ucranianas através do Mar Negro em troca do fim das sanções unilaterais (e ilegais) ocidentais impostas às exportações russas. O lado ocidental da barganha não foi implementado.

Quando o regime de Kiev bombardeou a ponte Kerch para a Crimeia pela segunda vez em 17 de julho, a Rússia cancelou imediatamente o acordo de grãos. O ataque mortal na ponte, que matou dois civis russos, foi apenas a gota d’água para Moscou. O acordo de transporte havia sido abusado por não honrar as obrigações de suspender as sanções russas, bem como devido a evidências de que as cargas ucranianas também haviam sido usadas para enviar secretamente armas da OTAN, como drones submersíveis envolvidos no ataque à Ponte Kerch.

Apesar das sanções econômicas ocidentais, a Rússia conseguiu exportar mais de 11 milhões de toneladas de trigo e outros grãos para países africanos no ano passado. Durante a cúpula desta semana, Putin garantiu que esse fornecimento de alimentos básicos continuaria nos mercados africanos. O presidente russo também anunciou grandes exportações adicionais de grãos gratuitamente para várias nações africanas em risco agudo de insegurança alimentar.

No topo da agenda da cúpula estava a soberania alimentar. A Rússia prometeu garantir o fornecimento de grãos para a África, independentemente das deficiências nas exportações ucranianas.

É enjoativo para os membros americanos e europeus da OTAN acusar Moscou de “armar a fome” e “atingir os pobres do mundo”.

Dados da ONU mostram que a maior parte (0 sobre 80 por cento) das exportações da Ucrânia sob o agora extinto acordo foi transacionada para países de alta e média renda. A África e outras nações de baixa renda receberam apenas cerca de 3% das agroexportações ucranianas. A Rússia, de longe, era o principal fornecedor, apesar das sanções ocidentais destinadas a bloquear esse comércio. As potências ocidentais fizeram uma grande jogada sobre o “humanitarismo” ao promover o acordo de grãos. E, no entanto, os beneficiários não foram os países pobres, mas um punhado de nações ricas, bem como o regime de Kiev, que retribuiu a indulgência da Rússia realizando ataques terroristas à infraestrutura civil.

As nações africanas, assim como muitas outras no Sul Global, entendem o que realmente significa o conflito na Ucrânia. É sobre os Estados Unidos e um grupo de potências ocidentais tentando sustentar sua hegemonia em declínio. Isso se reflete em estados africanos adotando uma posição ambivalente nas Nações Unidas em relação ao conflito. O continente, assim como outras regiões do Sul Global, rejeitou os esforços ocidentais para forçá-los a cair no isolamento da Rússia no estilo da Guerra Fria.

Historicamente, a África também se beneficiou do apoio da Rússia à independência do controle colonial e neocolonial ocidental. Há imensa boa vontade residual e solidariedade com a Rússia como uma potência que nunca teve a bagagem perniciosa da intromissão imperialista da maneira que os Estados Unidos e os europeus têm. Os políticos americanos e europeus menosprezam a África como um “buraco de merda” e os africanos por quererem invadir “nosso jardim”.

A defesa de Moscou de relações mundiais multipolares e respeito genuíno pela soberania nacional (não lisonjas retóricas dissimuladas do Ocidente) é profundamente ressonante nas nações africanas.

O presidente da União Africana, Azali Assoumani, que dividiu o pódio com Putin esta semana, disse que o continente aprecia muito a solidariedade e o compromisso da Rússia com a total independência e soberania.

De sua parte, Putin observou que a soberania não é uma conquista única, mas sim um status contínuo que precisa ser continuamente fortalecido, defendido e afirmado. O líder russo estava se referindo implicitamente ao fato histórico de que, embora muitas nações africanas tenham alcançado a independência política das potências coloniais europeias após a Segunda Guerra Mundial, elas continuaram a ser prejudicadas em seu desenvolvimento por vários meios insidiosos de controle neocolonial sobre financiamento e comércio.

O enorme potencial da África como potência global ainda não foi realizado, em grande parte por causa dos legados colonialistas em andamento. Isso por si só é uma vergonhosa acusação e revelação das falidas pretensões ocidentais de virtude.

No entanto, o mundo está mudando rapidamente, onde o domínio hegemônico ocidental está se desfazendo e, com isso, as nações africanas podem esperar novas possibilidades de desenvolvimento prodigioso.

A robusta participação de nações africanas na cúpula em São Petersburgo é testemunho de um desejo e determinação de abraçar um novo mundo multipolar, onde a África pode emergir com sucesso irrestrito e esplêndido. As potências ocidentais tentaram ao máximo pressionar o continente a boicotar a cúpula. Mas esses velhos truques sujos falharam em parar a maré da história.

Com a devida parceria de um mundo multipolar, a riqueza natural da África será para o desenvolvimento de seu povo, não para o enriquecimento das potências ocidentais que roubaram e subjugaram o continente durante séculos.

O golpe desta semana no Níger contra um presidente apoiado pelo Ocidente fala da crescente inquietação na África contra as velhas formas de tutela ocidental. A África Ocidental assistiu a sete golpes contra regimes patrocinados pela França ou pelos Estados Unidos nos últimos três anos. Como no Níger nesta semana, os manifestantes agitaram bandeiras russas no que pode ser considerado um desafio simbólico a Washington e aos lacaios neocoloniais europeus.

Em todo caso, voltando ao tema principal da cúpula Rússia-África. A questão chave é a soberania nacional e a soberania alimentar. Isso pode ser alcançado sem a dependência das potências ocidentais ou dos jogos de seus representantes de Kiev sobre as exportações de alimentos. Assim como as exportações de energia da Rússia, não há necessidade de um “intermediário” ucraniano roubando todo mundo.

Além disso, uma imagem muito mais significativa e maior acena. O potencial agrícola da África, se devidamente aproveitado, poderia fazer com que o continente se tornasse não apenas alimento suficiente, mas um poderoso exportador de alimentos para o resto do mundo. O único obstáculo para esse futuro benéfico são as restrições políticas e econômicas arbitrárias da elite ocidental a outras nações. Tais privilégios elitistas e controles sobre nações inteiras são tão anacrônicos quanto outros males como escravidão e exploração.

O desafio da Rússia de presunções ilegítimas de hegemonia ocidentais, conforme manifestado no conflito da Ucrânia, bem como a promoção da Rússia da independência multipolar de mecanismos nefastos de dominação ocidental (o dólar americano, sanções unilaterais, dívida financeira e assim por diante), está do lado certo de história.

O abraço fraterno da África a essa visão é profundamente justo e é outro prego no caixão da moribunda hegemonia ocidental.

Fonte: strategic-culture.org

Related Posts
A Estratégia Heartland Southern: Uma visão geral dos objetivos e prioridades
fotos

A Rússia está começando a ser seriamente afetada pelos processos que ocorrem no Oriente Médio e mais acima na região [...]

Três destinos possíveis para os EUA num mundo multipolar
fotos

Dada a situação instável nos EUA, vale a pena analisar os possíveis impactos das mudanças geopolíticas na política externa americana. [...]

Pressão americana contra China e Indonésia: os detalhes por trás do desmantelamento da indústria de defesa brasileira
fotos

Intenção de sabotar triângulo industrial de defesa entre Brasil, China e Indonésia estaria por trás de liberação de crédito para [...]

O grande panorama por trás do voo da paz de Viktor, o Mediador
fotos

O panorama geral permanece: o futuro da “ordem internacional baseada em regras” está sendo decidido no solo negro de Novorossiya.

A cabala do lítio foi derrotada na Bolívia, mas venceu na Sérvia
fotos

Há indícios de que setores da população sérvia estão despertando para o perigo existencial à vida e à saúde representado [...]

Eurásia contra a OTAN: Rússia lidera a criação do Pacto Militar Multipolar
fotos

Proliferação de acordos de defesa coletiva promovida por Moscou deixa claro que a Federação Russa está criando uma espécie de [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!