Dados econômicos da China assustam mercados

Dados são divulgados muito piores do que o esperado e analistas dizem que a recuperação será lenta

Candidatos chineses a emprego em uma feira de emprego na cidade de Huai’an, situada na província de Jiangsu, leste da China. Foto: AFP

A China divulgou uma série de dados terríveis, golpeando ainda mais os mercados após o corte emergencial nas taxas de juros pelo Fed, ocasionando pânico entre os investidores preocupados com o kit de ferramentas monetárias seja ineficaz, caso a crise do coronavírus piore.

Os investimentos em ativos fixos da China no período de janeiro e fevereiro caíram 24,5%, uma queda muito mais acentuada do que os 2% previstos. A produção industrial do país nos primeiros dois meses do ano caiu 13,5%, caindo mais rapidamente do que a previsão de -3%, e as vendas no varejo caíram 20,5% , pior do que a contração prevista de 4%.

“Os dados mais recentes sobre atividades e gastos foram muito mais fracos do que o esperado e apontam para uma retração muito mais profunda do que durante a Crise Financeira Global. Embora as condições domésticas devam melhorar lentamente nos próximos meses, a crescente escalada global do coronavírus atrasará o ritmo da recuperação ”, disse Julian Evans-Pritchard, economista sênior da China na Capital Economics.

Evans-Pritchard havia assumido anteriormente que o departamento de estatística relutou em reconhecer completamente a fraqueza recente, pois isso tornaria inacessíveis as metas oficiais do PIB, mas a contração foi pior do que o previsto e, portanto, o prognóstico se torna mais sombrio.

Nem todos ficaram surpresos com os dados, pois o medo do que está por vir está forçando recalibrações de previsões.

“O choque real pode ser muito maior do que sugerem os números profundamente negativos de janeiro a fevereiro, porque os bloqueios começaram apenas a partir de 23 de janeiro. Dada a taxa de retomada relativamente lenta (cerca de 70% no momento), esperamos um crescimento negativo para todos os dados de atividades em março também, embora provavelmente sejam menos negativos ”, disse Ting Lu, economista do Nomura, que disse que o lançamento de dados na segunda-feira foi de acordo com suas expectativas.

A Nomura agora prevê que o crescimento no primeiro trimestre provavelmente será negativo, pior do que a previsão de 0,0% feita anteriormente.

O caminho a seguir sugeria um ritmo lento de recuperação, mesmo que a propagação do vírus se estabilizasse na China, pois a diminuição dos gastos do consumidor afetariam o aumento do desemprego e as exportações seriam limitadas pela disseminação global do vírus.    

“O PIB agora está quase certo de contrair no trimestre. O investimento fixo foi o mais atingido nos dois primeiros meses do ano, devido às restrições de construção e escassez de trabalhadores migrantes. As vendas no varejo também registraram a primeira contração da história, pois as pessoas estavam confinadas em suas casas ”, disse Nathan Chow, estrategista do DBS Bank.  

Embora tenha havido melhorias no mês atual, como sugerido pelos dados do consumo de carvão ao uso de eletricidade e volume de transporte, que mostraram um aumento, a economia ainda está operando com uma capacidade muito abaixo da capacidade.

“Pequim provavelmente lançará mais estímulos fiscais e monetários para estimular a economia. Além do corte de RRR (Reserves Replacement Ratio – Razão de Recomposição de Reservas) hoje, esperamos que o PBOC (Banco Popular da China) abaixe o LPR (Loan Prime Rate) em outros 10bps (basis points) para 3,95% nesta sexta-feira ”, disse Chow.

Fonte: Asia Times  

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − nove =