Destaque para a crise atual do capitalismo

JOHN ELLISON analisa o contexto geral das políticas neoliberais e da terceirização por empresas transnacionais

ibm-índia
TERCEIRIZADO: IBM no Manyata Embassy Business Park, um parque de tecnologia de software em Bangalore, Karnataka, Índia Foto: Vinoo202/CC

Um artigo anterior esboçou como foi que as empresas transnacionais ocidentais passaram a terceirizar grande parte de suas indústrias têxteis domésticas, concentrando-se especialmente em Honduras e no Caribe, e no crescente endividamento dos pobres “países em desenvolvimento” ou “mercados emergentes” que se tornaram exportadores de baixo custo para as economias avançadas.

O capitalismo desregulado, neoliberal e globalizado de hoje certamente parece e é diferente do “velho” capitalismo de meio século atrás.

Em Global Finance (2000), Walden Bello e outros colaboradores resumiram claramente a situação que ainda se aplica: “Na maioria dos países, bancos, associações de poupança, seguradoras e casas de investimento agora podem fazer o que costumava ser assunto uns dos outros.

“As linhas de demarcação que distinguiam os mercados internacionais de euromoeda dos mercados financeiros nacionais e domésticos também se tornaram indistintas ou estão desaparecendo completamente.”

Até o início da década de 1970, a regulamentação reinava em grande parte do mundo de acordo com o acordo de Bretton Woods de 1944 e as preferências do governo nacional.

Além da forte regulamentação dos setores financeiros, os fluxos de capital através das fronteiras eram limitados e as taxas de câmbio eram fixas, enquanto as corporações eram obrigadas a contar com lucros retidos para investimento.

Bretton Woods havia estabelecido um vínculo firme entre o dólar e o ouro, autorizando os proprietários de dólares se desejassem trocar seus dólares por ouro a US $ 35 a onça.

Mas em 1971, com as reservas de ouro dos EUA sob ameaça, o presidente dos EUA, Richard Nixon, cortou a ligação entre dólares e ouro.

O valor do dólar agora flutuaria livremente em relação aos valores de outras moedas, mas protegido pela força relativa da economia dos EUA.

Uma contribuição inicial para um mundo transformado foi o enorme superávit em dólares acumulado com o financiamento dos EUA à guerra do Vietnã, dólares que “chegaram ao exterior em transações financeiras feitas pelos EUA”.

Em Londres, os bancos comerciais e outras instituições financeiras foram assim capacitados a estender suas atribuições além do banco doméstico para a arena internacional, auxiliados por fundos adicionais gerados pelo embargo do petróleo instigado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em 1973, impondo uma aumento de preço.

Os empréstimos transfronteiriços – muitos deles para países em desenvolvimento – floresceram, assim como uma maior desregulamentação doméstica.

A remoção dos controles cambiais pelo governo Thatcher foi outro passo. A globalização tornou-se uma realidade, embora marcada por um crescimento cada vez mais fraco de elementos “reais” da economia, como a produção de automóveis e energia. A capacidade de produção excedente tornou-se cada vez mais visível.

De fato, John Smith, em seu estudo de 2016 – Imperialism – concluiu que a terceirização “não foi tão impulsionada pelo despertar das finanças, mas pela estagnação e declínio na taxa de lucro da manufatura”.

Os países terceirizados que se beneficiaram incluíram o Japão, o estado cliente favorecido dos EUA, bem como os EUA e países europeus.

Cada um deles reduziu os custos de mão-de-obra no exterior enquanto reduzia o número de trabalhadores empregados diretamente em casa.

Em consequência, mais da metade das exportações totais de manufaturados de muitos países em desenvolvimento foram lucrativas para as economias avançadas.

A terceirização pode ser direta ou indireta. Uma empresa de terceirização direta mantém a propriedade do capital investido.

A terceirização direta, afirma Smith, é realizada principalmente nas indústrias extrativas (hidrocarbonetos e minerais), onde os proprietários ganham mais proteção para os “aluguéis” desses ativos, e em recursos naturais (como alimentos).

A terceirização indireta é “à distância”, ou seja, sem a propriedade do estabelecimento terceirizado retida pelo terceirizado.

Um Relatório de Investimentos Mundiais de 2011 explicou que a empresa de terceirização indireta mantém “um nível de controle sobre a operação, especificando contratualmente a maneira como ela deve ser conduzida”.

Não se deve ignorar o papel dos bancos de investimento nessas operações, por meio de empréstimos e investimentos, participação em hedge funds e auferir seus próprios lucros.

Tampouco uma vantagem especial obtida de exploradores distantes. Tendo estabelecido uma parceria tecnicamente igualitária com a empresa terceirizada, eles poderiam, sempre que surgissem escândalos envolvendo poluição, salários miseráveis, condições precárias de trabalho e supressão de direitos sindicais, reivindicar mãos limpas.

Assim, as bases de produção da Coca-Cola na Colômbia, onde a repressão sindical chegou ao ponto de invocar a intimidação de esquadrões da morte, poderiam ser objeto de afirmações do tipo “eu não” por parte dos diretores internacionais da empresa.

Grande parte da força de trabalho terceirizada atua em uma “economia informal” não regulamentada, sem reconhecimento legal, sem tributação ou fiscalização do local de trabalho.

A Índia, afirma Smith, é um caso extremo, “com 83 por cento de sua população empregada ativa na economia informal, 48 por cento dos que trabalham por um salário”.

Paradoxalmente, como Noam Chomsky comenta em What We Say Goes, a Índia se saiu melhor em termos de crescimento do que muitos outros países em desenvolvimento, citando a construção de estradas, programas de engenharia de software e laboratórios avançados. Isso aconteceu, ele observa, porque a Índia não seguiu as regras neoliberais.

O governo indiano manteve o controle sobre os fluxos de capital e finanças e violou prontamente alguns requisitos do Fundo Monetário Internacional (FMI), ao mesmo tempo em que aceitava severas restrições de crédito para agricultores em dificuldades.

No contexto geral de políticas neoliberais e terceirização por empresas transnacionais, a migração de países em desenvolvimento tem crescido previsivelmente.

A perda de trabalhadores altamente qualificados para as economias avançadas prejudicou os serviços domésticos de saúde e educação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estimou que, entre 1995 e 2004, a Tanzânia perdeu quase 80% de seus médicos por meio da emigração.

O neoliberalismo teve uma carreira mais conturbada do que sempre se imagina.

O Chile, após o golpe apoiado pelos Estados Unidos contra o regime socialista de Salvador Allende pelo general Pinochet em 1973, foi o primeiro experimento neoliberal puro e sangrento, com a privatização e a entrada de importações estrangeiras no centro do palco.

A tortura e os assassinatos foram complementados pela perda em massa dos meios de subsistência e pela escalada da desigualdade de riqueza.

A política acabou sendo muito revisada, com salvamentos para a indústria privada e os bancos em colapso, e um retorno do controle estatal, apoiado pelo produtor de cobre nacionalizado.

O maior violador bem-sucedido das regras neoliberais foi a China, cuja força econômica crescente, tanto em casa quanto nas parcerias comerciais, envergonhou “as regras”.

Em Who Rules the World, Chomsky pede cautela em relação ao futuro desenvolvimento da China: “A China é o principal centro manufatureiro do mundo, mas principalmente como uma fábrica de montagem para as potências industriais avançadas em sua periferia e para as multinacionais ocidentais”.

Ele continua apontando, no entanto, para o aumento da inovação na economia da China, chamando a atenção para sua “aquisição do crescente mercado global de painéis solares”.

O Japão e a Coréia do Sul, ambos satélites dos EUA desde os primeiros anos do pós-guerra como parte do projeto imperial dos EUA para conter o comunismo e projetar o poder dos EUA, foram tratados com mais generosidade do que os estados não clientes.

Ambos tiveram negada a nacionalização da indústria, mas permitiram a reforma agrária, a orientação estatal da economia e o protecionismo, e concederam acesso privilegiado ao mercado interno dos EUA. O Japão, especialmente favorecido, também foi dotado de tecnologias avançadas.

As tendências inerentes ao capitalismo para sair do controle foram evidenciadas no colapso econômico de 1997 na Coréia do Sul, Tailândia, Indonésia, Malásia e Filipinas.

O cenário estava montado em 1996, quando a Ásia era o destino de metade de todo o investimento global. A experiência da Tailândia ilustra os desastres esperados pelo capital especulativo itinerante.

Em linha com o conselho do FMI, manteve taxas de juros relativamente altas e uma taxa de câmbio atrelada ao dólar – atrativos para o investimento estrangeiro – que se acumularam, especialmente de olho no desenvolvimento imobiliário. Mas logo as terras não vendidas, juntamente com uma queda no crescimento das exportações, soaram o alarme.

O capital estrangeiro fugiu, alguns apostando primeiro contra o baht tailandês, fazendo-o perder mais da metade de seu valor. Seguiu-se um resgate do FMI a um custo exorbitante na forma de orçamentos de austeridade, altas taxas de juros e venda de ativos.

Em 2007, uma década depois, o capitalismo estava descontrolado novamente, desencadeado por investimentos absurdamente persistentes em “propriedades subprime” dos EUA (mutuários incapazes de sustentar pagamentos irrealistas de empréstimos hipotecários).

Os investidores se recusaram a colocar seus fundos na economia real, onde os retornos seriam avaliados.

Estará o capitalismo imperial se preparando agora, após mais de uma década de contenção da crise por taxas de juros baixíssimas e injeção de liquidez por meio de compras de títulos do governo, para se jogar de outro precipício, demonstrando mais uma vez suas deficiências sistêmicas e, ao mesmo tempo, tempo trazendo nova miséria para a maioria em todo o mundo?

Fonte: morning star

Related Posts
Reflexões de Maio: A multipolaridade é a esperança dos trabalhadores em todo o mundo
fotos

Maio é um dos meses mais importantes do ano. Este mês são comemoradas diversas datas relevantes, a começar pelo Dia [...]

Polêmica: em busca da soberania perdida
fotos

A globalização está em crise. Direita deu-se conta e evoca ideia de nação que se liga a Propriedade, Privilégio e [...]

Explicando a política de Lênin e as ações de Putin na Ucrânia
fotos

O que Putin está fazendo é combater a violação da autodeterminação da Rússia. Ao expulsar a OTAN da Ucrânia, ele [...]

Soberania para todos. Neocolonialismo e a luta contra ele
fotos

Uma falha significativa no sistema econômico mundial criado após o colapso da URSS e da comunidade socialista é a extrema [...]

A prisão de Bolsonaro está próxima?
fotos

A prisão do ex-presidente Bolsonaro será a próxima? Essa é uma pergunta que muitos brasileiros fazem atualmente. Com tantas polêmicas [...]

Do Rio ao Mar (Vermelho): Por que os EUA estão formando uma nova força-tarefa naval
fotos

O Iêmen abalou a trajetória da guerra de Israel em Gaza ao atacar navios a caminho do estado de ocupação. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!