Disputa pela Caxemira pode levar a guerra nuclear entre Índia e Paquistão

Índia e Paquistão estão caminhando para uma possível guerra nuclear, de acordo com o presidente da Caxemira controlada pelo Paquistão. O alerta surge quando o Paquistão tenta reunir a indignação global contra seu vizinho e rival.

Posto de bloqueio em Srinagar. Foto: Tauseef Mustafa / AFP / Getty Images

Em 5 de agosto, a Índia revogou a autonomia constitucional de Jammu e Caxemira – o estado que controla no território disputado do Himalaia – enquanto institui um blecaute nas comunicações e um toque de recolher imposto por centenas de milhares de soldados.

Tanto a Índia quanto o Paquistão reivindicam a Caxemira, controlam-na parcialmente e foram à guerra para defender suas reivindicações. A mudança repentina para alterar o status da Caxemira controlada pela Índia enfureceu o Paquistão.

Embora as condições variem em todo o estado, ainda tem um bloqueio em vigor, tem um apagão de comunicações em vigor e ainda há várias pessoas detidas, incluindo políticos locais líderes.

Masood Khan, presidente da “Azad Kashmir” (parte da Caxemira em poder do Paquistão) e antigo diplomata paquistanês, disse nesta semana em Washington que as ações da Índia constituem uma “declaração de guerra”, não apenas contra a população local, mas também contra o Paquistão. Ele repetiu as afirmações de Imran Khan, primeiro-ministro do Paquistão, de que haverá “massacres” de civis quando o bloqueio for suspenso. Mas ele deu um passo adiante, alertando que a escalada da violência poderá resultar em uma guerra nuclear.

Já o ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, disse na semana passada que o status especial de Jammu e Caxemira – o único estado de maioria muçulmana da Índia – “era para ser uma ponte que se tornou uma barreira”. Ele argumentou que a autonomia do estado interrompeu o desenvolvimento econômico e político, e assim, acabou estimulando a alienação e o separatismo.

Jaishankar acusou o Paquistão de exacerbar esse separatismo, criando “uma indústria inteira de terrorismo para lidar com a questão da Caxemira”. Quanto ao bloqueio, Jaishankar disse que prefere que os caxemires passem sem Internet do que percam a vida em potencial agitação.

Enquanto Jaishankar minimizava a severidade do bloqueio e insistia que estava sendo gradualmente afrouxado, Masood Khan acusou a Índia de “brutalizar” caxemires.

Ele previu “resistência assimétrica” ​​da população local e alertou que muitos do lado paquistanês da Linha de Controle (LoC) da fronteira estavam ansiosos para se juntar à luta.

Khan disse que o governo “não tinha intenção” de enviar combatentes pelo LoC, mas alertou que a raiva seria “difícil de controlar”. Ele disse que a intervenção direta dos militares paquistaneses também não pode ser descartada.

O Paquistão está tentando focar os olhos do mundo na Caxemira, em parte, enquadrando-o não apenas como uma questão de direitos humanos, mas também como uma ameaça à segurança global.

Até agora, as críticas internacionais à Índia têm se concentrado mais no bloqueio do que na mudança constitucional e não vêm pressionando as negociações sobre o status de longo prazo da Caxemira.

Masood Khan admitiu que o presidente Trump efetivamente “endossou” a repressão da Índia em uma manifestação em Houston em 22 de setembro, durante a qual ele elogiou os esforços do primeiro-ministro Narendra Modi em “segurança nas fronteiras”.

Ele diz que Trump foi motivado pela “realpolitik”, dada a importância do relacionamento EUA-Índia e as garantias da Índia de que eles poderiam lidar com a situação.

Trump já havia se oferecido para mediar a disputa da Caxemira, uma proposta apoiada pelo Paquistão, mas a Índia opõe ferozmente. Apesar das tentativas de Trump de “jogar dos dois lados”, a política de longa data dos EUA é tratar a Caxemira como uma questão bilateral a ser trabalhada pela Índia e pelo Paquistão.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 8 =