Entendendo a guerra na Ucrânia

Um ucraniano que vive ao sul da capital tenta cortar o modismo beligerante e a desinformação

javelin
Soldados ucranianos usam um lançador com mísseis Javelin fabricados nos EUA durante exercícios militares na região de Donetsk, Ucrânia, em 23 de dezembro de 2021. Foto: Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Ucrânia

Por VIJAY PRASHAD

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia começou muito antes de 24 de fevereiro de 2022, data fornecida pelo governo ucraniano, OTAN e Estados Unidos para o início da invasão russa da Ucrânia. De acordo com Dmitry Kovalevich, jornalista e membro de uma organização comunista agora banida na Ucrânia, a guerra começou na primavera de 2014 e nunca mais parou desde então.

Ele me escreve do sul de Kiev, na Ucrânia, e conta uma anedota: “O que há na linha de frente?” pergunta uma pessoa. “Nossas tropas estão vencendo como de costume!” vem a resposta. “Quem são nossas tropas?” pergunta a primeira pessoa e é dito: “Logo veremos…” Em uma guerra, tudo está em disputa, até mesmo o nome da capital da Ucrânia (Kyiv em ucraniano e Kiev em russo, vai o debate online).

As guerras estão entre as mais difíceis tarefas de reportagem para um jornalista. Hoje em dia, especialmente, com a enxurrada de mídias sociais e a beligerância dos canais de televisão de notícias em rede, as questões no terreno são difíceis de resolver.

Fatos básicos sobre os eventos que ocorrem durante uma guerra são difíceis de estabelecer, muito menos garantir a interpretação correta desses fatos. Vídeos de aparentes atrocidades de guerra que podem ser encontrados em plataformas de mídia social como o YouTube são impossíveis de verificar. Muitas vezes, fica claro que muito do conteúdo relacionado à guerra que pode ser encontrado nessas plataformas foi identificado erroneamente ou é de outros conflitos.

Mesmo a BBC, que assumiu uma posição pró-ucraniana e pró-OTAN muito forte neste conflito, teve que publicar uma  história  sobre como muitas das alegações virais sobre as atrocidades russas são falsas.

Entre essas falsas alegações que ganharam ampla circulação está um vídeo que circula no TikTok que alega erroneamente ser o de uma “garota ucraniana confrontando um soldado russo”, mas é um vídeo da palestina  Ahed Tamimi , então com 11 anos,  confrontando um soldado israelense em 2012; o vídeo continua a circular no  TikTok  com a legenda: “As [meninas] enfrentam os soldados russos”.

Enquanto isso, disputando a data do início da guerra russo-ucraniana como 24 de fevereiro, Kovalevich me diz: “A guerra na Ucrânia não começou em fevereiro de 2022. Começou na primavera de 2014 no Donbass e não parou por estes oito anos”.

Kovalevich é membro da Borotba (Luta), uma organização comunista na Ucrânia. Borotba, como outras organizações comunistas e marxistas, foi banida pelo governo ucraniano anterior de Petro Poroshenko, apoiado pelos EUA, em 2015 (como parte dessa repressão contínua, dois líderes da juventude comunista, Aleksandr Kononovich e Mikhail Kononovich, foram presos pelos serviços de segurança ucranianos em 6 de março).

“A maioria de nossos camaradas teve que migrar para Donetsk e Luhansk”, Kovalevich me conta. Estas são as duas províncias orientais de principalmente falantes de russo que romperam com o “controle do governo ucraniano em 2014” e estavam sob o controle de grupos apoiados pela Rússia. Em fevereiro, no entanto, antes da invasão russa da Ucrânia, o presidente russo Vladimir Putin reconheceu essas “duas regiões separatistas no leste da Ucrânia como independentes”, tornando esse movimento contencioso o trampolim para a invasão militar final pela Rússia.

Agora, diz Kovalevich, seus camaradas “esperam voltar do exílio e trabalhar legalmente”. Essa expectativa é baseada na suposição de que o governo ucraniano será forçado a se livrar do sistema existente, que inclui milicianos de direita anti-russo treinados e financiados pelo Ocidente e agentes paramilitares no país, e terá que reverter muitas das leis antiliberais e anti-minorias (incluindo anti-russas) da era Poroshenko.

‘Eu estou nervoso’

“Estou bastante nervoso”, Kovalevich me diz. Esta guerra “parece muito sombria, e não tanto por causa dos russos, mas por causa de nossas gangues armadas [ucranianas] que estão saqueando e roubando [o país]”.

Quando os russos intervieram, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky entregou armas a qualquer cidadão que quisesse defender o país. Kovalevich, que mora no centro da Ucrânia ao sul da capital, diz: “Minha área não foi afetada por ações militares – apenas pelo terror de gangues nacionalistas [de direita]”.

Durante os primeiros dias da intervenção militar russa, Kovalevich acolheu uma família cigana que havia fugido da zona de guerra. “Minha família tinha um quarto vago”, Kovalevich me conta.

Organizações ciganas dizem que existem cerca de 400.000 ciganos na Ucrânia, a maioria deles vivendo na parte ocidental da Ucrânia, em Zakarpatska Oblast (fronteira com Hungria, Polônia, Romênia e Eslováquia).

“O povo cigano em nosso país é regularmente agredido por nacionalistas [de direita]”, diz Kovalevich. “Os nacionalistas costumavam atacá-los publicamente, queimando seus acampamentos, chamando isso de ‘limpeza de lixo’. A polícia não reagiu, pois nossas gangues de extrema direita sempre trabalham em cooperação com a polícia ou com o serviço de segurança”.

Esta família cigana que estava sendo abrigada por Kovalevich e sua família está se mudando para o oeste da Ucrânia, onde vive a maior parte da população cigana-ucraniana. “Mas é muito inseguro se mudar”, Kovalevich me diz. “Existem nacionalistas [operando esses] postos de controle [ao longo] de todas as estradas [na Ucrânia, e eles] podem atirar em [qualquer um] que pareça suspeito para eles ou apenas roubar refugiados.”

Acordos de Minsk

A guerra na região de Donbass que começou em 2014, resultou na assinatura de dois acordos na Bielorrússia em 2014 e 2015, que receberam o nome da capital daquele país e foram chamados de Acordos de Minsk. Esses acordos visavam acabar com “a guerra separatista dos falantes de russo no leste da Ucrânia”.

O segundo desses acordos foi assinado por duas importantes figuras políticas da Ucrânia (Leonid Kuchma, presidente da Ucrânia de 1994 a 2005) e da Rússia (Mikhail Zurabov, embaixador da Federação Russa na Ucrânia, 2009-2016), respectivamente, e foi supervisionado por um diplomata suíço (Heidi Tagliavini, que presidiu a Missão Internacional Independente de Apuração de Fatos sobre o Conflito na Geórgia, 2008-2009).

Este acordo Minsk II foi endossado pela Resolução 2022 do Conselho de Segurança da ONU em 17 de fevereiro de 2015.

Se os Acordos de Minsk tivessem sido cumpridos, a Rússia e a Ucrânia teriam garantido um acordo que seria aceitável no Donbass.

“Dois governos ucranianos assinaram os acordos de Minsk”, Kovalevich me conta, “mas não os cumpriram. Recentemente, os funcionários de Zelensky zombaram abertamente do acordo, dizendo que não o cumpririam (encorajados pelos EUA e pelo Reino Unido, é claro). Isso foi uma pura violação de todas as regras – você não pode assinar [os acordos] e depois se recusar a cumpri-los.”

A linguagem dos Acordos de Minsk era, como diz Kovalevich, “liberal o suficiente para o governo”. As duas repúblicas de Donetsk e Luhansk teriam permanecido como parte da Ucrânia e teriam recebido alguma autonomia cultural (isso estava na nota de rodapé do Artigo 11 do Acordo de Minsk II de 12 de fevereiro de 2015).

“Isso era inaceitável para nossos nacionalistas e [nacionalistas de direita]”, Kovalevich me diz. Eles “gostariam de organizar expurgos e vinganças lá [em Donetsk e Luhansk]”.

Antes da intervenção militar russa, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos descobriu que mais de 14.000 pessoas foram mortas no conflito em curso em Donetsk e Luhansk, apesar dos Acordos de Minsk. É essa violência que provoca Kovalevich a fazer seus comentários sobre a violência dos ultranacionalistas e dos paramilitares de direita.

“As autoridades eleitas são um disfarce, mascarando os verdadeiros governantes da Ucrânia”, diz Kovalevich. Zelensky e seus aliados no parlamento não conduzem o processo de governo em seu país, mas têm “uma agenda imposta a eles pelos grupos armados de extrema direita”.

Paz?

As negociações estão em andamento na fronteira Ucrânia-Bielorrússia entre os russos e os ucranianos. Kovalevich, no entanto, não está otimista quanto a um resultado positivo dessas negociações. As decisões, diz ele, não são tomadas apenas pelo presidente ucraniano, mas pelos grupos armados paramilitares ultranacionalistas de direita e pelos países da OTAN.

Enquanto Kovalevich e eu conversávamos, o Washington Post publicou uma reportagem sobre “Planos para uma insurgência apoiada pelos EUA na Ucrânia”; A ex-secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton sugeriu uma guerra de guerrilha ao estilo do Afeganistão na Ucrânia, dizendo: “Temos que continuar apertando os parafusos”.

“Isso revela que eles [os EUA] realmente não se importam com os ucranianos”, diz Kovalevich. “Eles querem usar isso como uma oportunidade para causar alguma dor aos russos.”

Esses comentários de Clinton e outros sugerem a Kovalevich que os Estados Unidos querem “organizar o caos entre a Rússia e os europeus”. A paz na Ucrânia, diz ele, “é uma questão de reconciliação entre a OTAN e as novas potências globais, Rússia e China”.

Até que tal reconciliação seja possível, e até que a Europa desenvolva uma política externa racional, “seremos afetados por guerras”, diz Kovalevich.

Fonte: Globetrotter

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!