Estudo revela que a dívida real dos EUA é 18 vezes mais do que todos pensavam

A conhecida empresa financeira americana Alliance Bernstein conduziu um estudo que revelou o verdadeiro tamanho da dívida pública americana, e os resultados deste estudo chocaram a mídia. O canal de televisão financeira norte-americano CNBC divulgou material especial sobre esse assunto sob o título “O nível real da dívida americana pode ser de 2.000% do PIB americano, segundo o relatório de Wall Street “.

A avaliação da AllianceBernstein atrai a atenção não apenas devido a números que a mídia americana chamou de “chocantes”, mas também porque esse “diagnóstico de dívida” foi feito por uma instituição financeira muito conhecida. A AllianceBernstein foi fundada pelo renomado economista e bilionário Zalman Haim Bernstein e agora administra US $ 586 bilhões em ativos, o que dá a suas previsões um peso adicional sério.

Além disso: após uma leitura cuidadosa dos cálculos e recomendações dos financiadores americanos, parece que a publicação deste estudo é um elemento de preparação da consciência pública para o fato que, para salvar a economia americana, será necessário cortar gastos em programas sociais. Ironia do destino: O próprio Zalman Haim Bernstein passou vários anos de sua vida contribuindo para a implementação do Plano Marshall, um esquema de investimento americano na Europa Ocidental para desenvolver economias da Europa Ocidental após a segunda Guerra Mundial e fortalecer a influência americana na Europa no contexto de competição com a URSS. Mas isso foi no passado, e hoje a empresa, fundada por um dos membros do Plano Marshall, está ativamente sugerindo medidas extremamente duras ao contrário do que foi aplicado à Europa.

A reportagem da CNBC explica como a AllianceBernstein calculou a dívida real do governo dos EUA e por que é importante: “A AllianceBernstein desenvolveu uma metodologia para calcular, e o resultado é 1832% do PIB, para ser mais preciso, – incluindo não apenas os níveis tradicionais de dívida do governo, como títulos, mas também dívida financeira em toda a sua diversidade, bem como obrigações futuras para os chamados programas de pagamento (social), como “Previdência Social”, Medicare (assistência médica) e pensões estaduais

Normalmente, quando se trata do nível da dívida do governo dos EUA, é dado um valor de US $ 22,5 trilhões, o que equivale cerca de 106% do PIB. Os defensores da opinião de que tudo está em ordem com a dívida do Estado nos EUA e que nenhuma crise ameaça, vão ainda mais longe e enfatizam que as obrigações de dívida que o Tesouro dos EUA tem com outras agências e fundos do Estado devem ser subtraídas desse valor e, então, podemos falar sobre dívida de apenas 16,7 trilhões de dólares, ou 78% do PIB dos EUA.

O economista-chefe da AllianceBernstein, Philip Karlsson-Schlesack, não concorda com essas “manobras contábeis” e leva em conta todas as obrigações, independentemente de sua forma, ao calcular a dívida total dos Estados Unidos e, portanto, o quadro é muito pior – acontece que a dívida pública total (em todas as formas) fica na cifra astronômica de 388 trilhões de dólares.

No entanto, o autor do estudo corre imediatamente para tranquilizar os leitores.

“Embora o quadro seja terrível, esses números não provam que estamos condenados ou que uma crise de dívida é inevitável”, escreve Philipp Karlsson-Schlesack. E imediatamente oferece uma solução poderosa: “Uma inadimplência nos títulos do Tesouro dos EUA seria catastrófica para a economia global – enquanto mudanças na política social será necessária ainda que dolorosa para aqueles cujos pagamentos futuros serão reduzidos”.

Acontece que, a fim de poupar investidores do calote da dívida, propõe-se sacrificar os cidadãos americanos, seus benefícios e pensões, o que permitirá cumprir as obrigações formais e não prejudicar a confiança da comunidade de investimentos em títulos do governo americano.

Note-se que, do ponto de vista prático, esta proposta contém uma consideração racional e uma irracional. A racionalidade é que uma inadimplência nos títulos dos EUA seria realmente um desastre para os mercados financeiros americano e até global, sem mencionar o fato de que, nesse cenário, as reservas cambiais de muitos bancos centrais, parte significativa das quais são investidas em títulos do governo dos EUA (eles tesouro), se transformará em pó em uma noite. É lógico que os representantes do setor financeiro americano e, de fato, a economia mundial resistam fortemente a esse cenário.

Mas a parte irracional da proposta da AllianceBernstein está na crença implícita de que a privação de financiamento para programas sociais não levará a terríveis consequências políticas e econômicas.

Surge a pergunta: o que fazer então com essas centenas de trilhões de dólares de dívida? A resposta pode ser encontrada em declarações do presidente Donald Trump, que antes mesmo da vitória nas eleições disse que a economia dos EUA é “uma grande “bolha financeira” que exige constantemente um dólar enfraquecido. Se o dólar for muito desvalorizado, será possível pagar dívidas com muita facilidade, o que não salvará o sistema financeiro global da crise e a economia americana da depressão profunda, mas será possível fingir que o “tio Sam” sempre cumpre suas obrigações sociais e honestamente paga suas dívidas.

A julgar pelo quão ativamente a China e a Rússia estão simultaneamente comprando ouro, há pessoas suficientes no mundo que querem se segurar das consequências da aplicação desse método específico para resolver o problema da dívida americana .

Fonte: RIA Novosti/CNBC
Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + um =