Forças políticas e sociais venezuelanas repudiam incursão de mercenários

O presidente da Assembléia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello, condenou a incursão contra a Venezuela realizada por um grupo de homens armados da Colômbia

 

O presidente da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), Diosdado Cabello, denunciou neste domingo que a frustrada incursão armada na Venezuela foi orquestrada pelos Estados Unidos com o apoio da Colômbia e o financiamento aberto ao narcotráfico, também expressou sua total rejeição a essa ação. violação da soberania venezuelana.

Em uma entrevista coletiva neste domingo, Cabello indicou que oito pessoas morreram na operação para repelir a operação, incluindo um ex-militar conhecido como “Pantera” e um agente do Departamento de Controle de Drogas (DEA) dos EUA.

“Um dos detidos é um narcotraficante, um agente da DEA, dito por ele mesmo, um agente da DEA, e não apenas dito por ele, mas demonstrado por operações que ele fez, infelizmente, que aqueles que se autodenominam venezuelanos são financiados pelo tráfico de drogas, pelo dinheiro da droga “, disse Cabello à imprensa.

“O mais triste é que essa tentativa de golpe seja financiada pelo narcotráfico”, denunciou o presidente do ANC, Diosdado Cabello, nos degraus do Palácio Legislativo Federal, onde foi acompanhado por um grande grupo de eleitores neste domingo.

Ele especificou que entre os mortos está Robert Colina, também conhecido como Pantera, ligado ao narcotraficante Clíver Alcalá Cordones, que teria reconhecido após a denúncia do governo da Venezuela que Juan Guaidó havia adquirido um lote de armas apreendidas no país vizinho para realizar ações terroristas.

Esses planos de desestabilização que Alcalá Cordones confessou incluíram o treinamento de grupos mercenários com o apoio de oficiais da DEA e sob o olhar cúmplice do governo de Iván Duque, que não agiu diante das evidências apresentadas pelo vice-presidente de comunicação, cultura e turismo do setor Jorge Rodríguez, dos campos localizados em Ríohacha, norte da Colômbia, disse Cabello.  

“Quem financia esta operação? Bem, um dos detidos é um narcotraficante, um agente da DEA, declarado por ele mesmo e isso é comprovado pelas operações que ele fez. É triste que aqueles que se dizem venezuelanos sejam financiados com dinheiro das drogas ”, questionou.

A operação militar promovida pelos governos dos EUA e a Colômbia foi frustrada graças às informações de inteligência vindas da Colômbia e à implantação efetiva da operação do Escudo Bolivariano para a defesa da Pátria, acrescentou.

O presidente do ANC indicou que todos os sistemas de inteligência popular permanecem ativos no país, para enfrentar os planos sistemáticos promovidos pelos EUA, com o apoio de alguns governos de direita da região, que buscam reverter a ordem constitucional.

A operação foi realizada com base em informações que o governo venezuelano possuía há semanas.

Na operação, seis veículos, duas lanchas e armas de alto calibre foram apreendidas, disse o primeiro vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Por sua parte, a prefeita do município Bolivariano Libertador, Erika Farías Peña, também rejeitou a incursão armada no território venezuelano.

“Eles não serão capazes de lidar com a fúria bolivariana! Continuamos em alerta porque vamos mostrar a eles uma união cívico-militar que ninguém poderá com a Venezuela. Com unidade, disciplina e organização, nós e continuaremos vencendo!”, Escreveu ela em sua conta do Twitter.

Da mesma forma, e na mesma tendência, os trabalhadores da petrolífera estatal Petróleos da Venezuela (PDVSA) rejeitaram qualquer interferência e pretensão de desestabilizar o país.

Na mesma linha, Freddy Bernal, procurador do estado venezuelano de Táchira, expressou sua solidariedade ao governo e ao povo venezuelano e repudiou a ação armada frustrada pelas forças bolivarianas.

Bernal pediu que a inteligência popular permanecesse alerta a “qualquer movimento estranho de grupos de estranhos” em cidades, urbanizações e comunidades localizadas na fronteira com a Colômbia.

Investigação do fato

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, informou neste domingo a nomeação de promotores com competência para realizar a investigação sobre a incursão armada naval registrada nas primeiras horas da manhã.

A Saab comentou que “é particularmente abominável que, em meio à luta nacional e global para enfrentar a pandemia de Covid-19, vejamos mercenários apátridas treinados e financiados pela Colômbia reaparecerem em ações terroristas contra a Venezuela, com o consentimento dos EUA”.

Ele também lamentou que as tentativas de conspiração para desestabilizar a paz da nação sul-americana continuem.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − nove =