Gigantes da administração de fundos não vão salvar o planeta

O planeta enfrenta um problema de ação coletiva de proporções existenciais. Nenhum país ou empresa pode impedir o aquecimento global catastrófico; todos eles precisam trabalhar em conjunto

Esse tipo de cooperação se opõe ao modo capitalista padrão, que é a concorrência. Se os acionistas se unissem e forçassem as empresas a cooperar na redução de carbono, isso poderia impedir a morte e o deslocamento de milhões de pessoas.

O aumento da indexação significa que gigantes da administração de fundos como BlackRock e Vanguard estão cada vez mais em posição de fazer exatamente isso.

No entanto, é improvável que esses gerentes de ativos produzam alguma ação de verdade.

O CEO da BlackRock, Larry Fink, divulgou sua carta anual nesta semana, na qual afirmou que a mudança climática é “quase sempre a principal questão que os clientes de todo o mundo levantam com a BlackRock” e que isso impulsionará “uma reformulação fundamental das finanças.”

Se, como a maioria dos clientes da BlackRock, seu horizonte de tempo de investimento é medido em anos ou décadas, certamente ficarão preocupado com o efeito da emergência climática em seu portfólio de ativos. Tentativas agressivas de mitigar a crise fazem sentido em termos econômicos.

“Os impactos de curto prazo da mudança climática somam uma emergência planetária que incluirá perda de vidas, tensões sociais e geopolíticas e impactos econômicos negativos”, de acordo com o Relatório de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial 2020 .

O fracasso na ação climática acontece no governo e no nível corporativo. Já vimos fracassos do governo de líderes como Donald TrumpJair Bolsonaro.

Faz pouco sentido econômico para uma empresa restringir unilateralmente suas opções enquanto seus concorrentes mantêm a liberdade de ação. A opção de poluir vale dinheiro.

A única maneira de erradicar essa desvantagem competitiva é garantir que todas as empresas tenham que seguir as mesmas regras. Essas regras podem ser elaboradas pelos governos ou pelos acionistas.

A BlackRock, que administra US $ 7 trilhões, ingressou na semana passada no Climate Action 100+, um grupo que administra cerca de US $ 41 trilhões no total e pretende pressionar os principais emissores de carbono a se tornarem suas atividades mais favoráveis ​​ao clima. Fink, no entanto, ainda coloca o ônus da responsabilidade nos governos, e não nos acionistas.

O outro gerente de fundos gigante, Vanguard, não vai tão longe. “Temos que ter certeza de que estamos conversando com as empresas sobre como elas estão lidando com essas questões, mas não estamos cruzando a linha e dizendo o que devem fazer”, disse o CEO Tim Buckley ao Financial Times. Um porta-voz mais tarde confirmou ao The Guardian que a empresa não tem planos de se juntar à Climate Action 100+.

O crescimento da indexação significa que, em algum momento no futuro previsível, é possível que a BlackRock e a Vanguard entre elas controlem a maioria das ações da maioria das empresas. Mas é muito improvável que os gerentes de ativos vão além dos governos em termos de exigir um comportamento corporativo ambientalmente responsável.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 + sete =