Internet e a guerra suja que está sendo travada contra Cuba

A quantidade de dinheiro usada pelos Estados Unidos para promover uma suposta mudança de regime em Cuba está camuflada com o eufemismo de «programas a favor da democracia», com os quais são financiados grupos mercenários, bolsas de estudos para promover a falsa liderança entre jovens cubanos e essa guerra suja na Internet

internet Cuba
Articulados com espaços digitais contrarrevolucionários, milhares de contas falsas enviam sua mensagem ao público da Ilha.

Uma das falsidades mais difundidas nos últimos tempos sobre Cuba é apresentar a Revolução Cubana como inimiga da Internet. É algo que foi reiterado a partir das reclamações sobre o uso por parte dos EUA das Info-comunicações para fins anti-cubanos, enquanto se esconde que a República de Wall Street é o mesmo país que faz o impossível por limitar o acesso de Cuba a essas tecnologias.

Nossos e-mails, tweets, apresentações on-line e postagens no Facebook alimentam o volume de dados gerados todos os dias na Internet. Hoje, os analistas podem construir modelos capazes de prever preferências políticas, orientação sexual etc., todos seguindo as informações que os próprios usuários oferecem nas redes sociais.

Está documentado que o Grupo de Ação Política (GAP), que faz parte do Centro de Atividades Especiais, uma divisão da Agência Central de Inteligência, realiza ações que incluem a criação de estruturas de comunicação e acesso à Internet nos países ou regiões ou destinos alvo da agressão

Na Bolívia, mais de 68.000 contas falsas foram criadas no Twitter nos dias do golpe de estado, em novembro de 2019. Enquanto isso, o Irã sofreu uma onda de violência, onde a mesma tática usada na Bolívia foi repetida: grupos armados, perfeitamente coordenados, usando a técnica de «enxame» comunicavam-se um com os outros e organizaram as ações usando mensagens de texto para se encontrar nos pontos de ataque. A agressão foi paralisada quando o governo desligou a Internet e as redes sem fio; fizeram isso mesmo durante as eleições de 2009, no que ficou conhecido como a chamada Onda Verde.

Em fevereiro de 2018, foi criada a chamada Força-Tarefa da Internet para Cuba, seguindo as instruções do memorando presidencial de segurança nacional de 16 de junho de 2017. O site Reasons of Cuba documentou que o GAP e as instituições que compõem essa força contam com especialistas altamente qualificados que, com base em modelos previamente desenvolvidos por meio de Big Data, direcionam mensagens setorizadas aos cubanos.

Em junho de 2019, um tweet, supostamente liderado por usuários cubanos, convidava a empresa das telecomunicações Etecsa a baixar os preços da Internet. A mesma fonte revela que se tentou apresentar como uma iniciativa de estudantes, engenheiros de computação, etc., mas os supostos ativistas viviam na Flórida, Texas, Tennessee e Geórgia. Outra tentativa de manipulação ocorreu em relação ao Referendo Constitucional, por meio do uso da hashtag #YoVotoNo no Twitter.

Articulados com espaços digitais contra-revolucionários, milhares de contas falsas enviam sua mensagem ao público da Ilha, influenciadores pré-fabricados realizam «análises» da “situação cubana”, utilizando recursos bem estudados, que buscam mobilizar emocionalmente, através do humor, indignação ou a surpresa para o público analisado anteriormente.

As recentes campanhas de descrédito contra artistas revolucionários e o ultraje covarde contra os bustos do Apóstolo fazem parte dessa guerra com seu correlato digital que busca criar as condições para a ocorrência de uma «onda verde» na Ilha.

A controversa Lei Helms-Burton de 1996 estabeleceu a obrigação de conceder dinheiro a esses programas desestabilizadores. Desde então, cada administração variou o número exato, que em média se aproxima de US $ 20 milhões.

Essa quantidade de dinheiro usada para promover uma suposta mudança de regime em Cuba está camuflada sob o eufemismo de «programas a favor da democracia», com os quais são financiados grupos mercenários, bolsas de estudos para promover a falsa liderança entre os jovens cubanos e esta guerra suja na Internet…

Especificamente, essa Força-Tarefa foi ativada há cerca de dois anos diante do cenário digital, parece uma ação defensiva daqueles que ficaram sem pretensões com sua retórica que o governo cubano impediu os cubanos de acessar às tecnologias e aplicam esta fórmula de agressão tão ilegal e de interferência como a Rádio e a TV Martí. Esses são os riscos enfrentados por nossa inserção neste espaço, mas a Revolução continuará treinando seus cidadãos para saber discernir essas manobras, além de ampliar o acesso de suas bases sociais a esses novos cenários.

Fonte: Granma

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 4 =