Klara Pölzl – a mulher que deu vida a Hitler

Klara Pölzl a mãe de Hitler. Foto: alwatanvoice.com
A mulher que deu à luz Adolf Hitler ainda está nas sombras da história. Mas os pesquisadores não ignoraram a vida de Klara Pölzl: apesar de ter sido bastante complicado levantar fatos encoberto pelo tempo. Felizmente para ela, a mulher não viveu o momento em que seu filho se tornou um verdadeiro monstro.

Infância

Em 1860, um bebê chamado Klara nasceu. Naquela época, seus pais já tinham seis filhos e a menina se tornou a sétima.

A maioria de seus irmãos e irmãs morreram na infância, o que era um acontecimento muito comum antigamente. A própria Klara, assim como suas duas irmãs, Johanna e Theresa, sobreviveram até a idade adulta.

Idade adulta e casamento

A família de Klara estava em péssima situação financeira, então a menina foi obrigada a trabalhar aos 13 anos. O tio Alois, cuja esposa era uma mulher rica, a levou para trabalhar em sua casa.

Klara viveu por 7 anos em sua casa até que seu tio se apaixonou por outra mulher. Sua esposa ofendida pediu o divórcio, e não manteve mais a menina em sua casa. Sem outra alternativa, Klara teve que voltar para a casa do pai.

Alois logo se casou novamente, mas sua esposa adoeceu e morreu. Todos os últimos dois anos até sua morte, Klara cuidou da mulher. Após a morte de sua segunda esposa, seu tio a pediu em casamento. A idade da sobrinha não foi obstáculo: entre ele e Klara havia uma diferença de 27 anos. Logo eles se casaram.

Crianças

Os cônjuges tiveram seis filhos. Quatro morreram na infância, apenas Adolf e Paula sobreviveram. Alois quase não participou de sua educação.

Apesar de sua ausência frequente, Klara estava satisfeita com tudo. Ela sempre assumiu que seu filho alcançaria grandes alturas na vida. Claro que isso aconteceu, mas foi bom que a mãe dele não saiba a que custo, ela não viveu o bastante para ver esse trágico momento.

Doença e morte

A própria Klara nasceu em uma família de camponeses comuns. Portanto, ela não queria que seu filho passasse por privações, fazendo de tudo por ele. No outono de 1907, a mulher enviou seu filho para Viena, onde ele estudou pintura.

No entanto, seis meses depois, seu filho retornou, Klara sofria de câncer, e quando sua saúde piorou, ela precisou de cuidados. A mulher suportou dores até o último dia: mas não queria incomodar o filho.

Adolf a acompanhou até sua morte. Um detalhe interessante é que sua mãe foi tratada por um homem de nacionalidade judaica. Em dezembro de 1907, ela se foi. É difícil dizer como Adolf tratava sua mãe. Alguns dizem que ele era muito apegado a ela, enquanto outros testemunharam que o Fuhrer se saiu muito bem sem ela. No entanto, seja como for, apenas ele e sua mãe é que poderia esclarecer como os fatos realmente aconteceram.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + quatro =