Marinheiros, pescadores, dentistas e outras “profissões” dos Neandertais

O Neanderthal já possuía uma cultura desenvolvida Créditos: Arthursclipart.org

Recentemente, mais exatamente em meados do mês de agosto, experiência em laboratório conseguiu obter o alcatrão da mesma forma que os Neandertais fizeram para anexar alças a ferramentas de pedra com sua ajuda. A julgar pela composição do tártaro, eles foram capazes de tratar cáries e infecções com antibióticos naturais. Novas pesquisas sobre o Homo Neanderthalensis mudaram radicalmente a compreensão científica do estilo de vida e habilidades deste extinto ramo de antigos humanos.

Navegadores

No ano passado, nas ilhas gregas de Creta e Naxos, cientistas descobriram centenas de ferramentas que se assemelhavam a artefatos da cultura mousteriana. Eles foram usados ​​pelos neandertais. Isso seria considerado um achado muito comum, se não fosse pelo fato de que, mesmo durante os períodos de glaciação, Naxos não tinha ligação terrestre com o continente. Assim, os povos antigos poderiam estar familiarizados com as noções básicas de navegação pelo menos há 130 mil anos – tal é a datação aproximada dos objetos encontrados.

As descobertas dos arqueólogos foram reforçadas pelo trabalho de antropólogos espanhóis e britânicos. Em um dos locais de Neandertal – nas cavernas Vibard e Gorama de Gibralthar – eles encontraram sinais de caça de mamíferos marinhos. Nas camadas onde foram encontrados vestígios da presença do Homo neanderthalensis, foram encontrados ossos de golfinhos e focas com marcas características de cortes e solavancos. Capturar um golfinho enquanto estiver em terra é improvável.

Já neste ano, os cientistas descobriram outra evidência de que os neandertais dominavam os recursos hídricos. Na maioria dos crânios (57%) há crescimento ósseo na parede do canal auditivo – exostose. Tais formações ósseas ocorrem devido à exposição prolongada ao vento ou à água fria, e hoje eles são mais freqüentemente encontrados entre surfistas profissionais, nadadores e mergulhadores.

© Fonte: Erik Trinkaus et al. Exostoses auditivas externas encontrados no crânio dos Neandertais.

Segundo especialistas, a exostose da orelha pode indicar uma especialização em água dos Neandertais, um interesse na pesca e o hábito de nadar em água fria. Mas outra explicação também é possível. Uma incidência tão alta da doença sugere que a poluição regular dos canais auditivos ou uma predisposição genética à otite média externa também podem ser a causa da doença.

Técnicas avançadas

No início dos anos 2000, os pesquisadores começaram a encontrar ferramentas Neandertais que consistiam em placas e pedaços de ossos em diferentes partes do continente europeu. Além disso, as diferentes partes foram coladas junto com alcatrão. Ferramentas foram criadas há cem e duzentos mil anos atrás. Além disso, em 2013, na Alemanha, em um dos locais de Homo Neanderthalensis, foram descobertos resíduos de alcatrão com idade entre 40 e 82 mil anos.

O alcatrão, usado pelos povos antigos, era proveniente da bétula. Mas a evidência arqueológica da tecnologia para produzir esta resina a partir de madeira ainda não havia sido encontrada. Os cientistas ofereciam diferentes opções para a produção de alcatrão, mas eram todos bastante complexos e implicavam que os Neandertais haviam desenvolvido um pensamento abstrato e conheciam bem as propriedades dos materiais individuais. Ou seja, por nenhuma dessas técnicas, o alcatrão poderia ter acontecido por acaso.

Agora tal tecnologia foi encontrada. Pesquisadores da Universidade de Tübingen (Alemanha) mostraram que, ao queimar casca de bétula, o alcatrão aparece na superfície da pedra. Além disso, a resina é formada mesmo ao ar livre. Anteriormente acreditava-se que o alcatrão era obtido se a madeira fosse aquecida a altas temperaturas com acesso aéreo limitado.

Os cientistas foram capazes de coletar 0,62 gramas de resina, e depois usá-lo para colar um pedaço de pedra afiada em um pedaço de madeira. O machado criado de acordo com as tecnologias Neandertais mostrou-se bastante funcional – os pesquisadores conseguiram remover a pele de um pedaço de vitela de 30 centímetros.

O esquema do experimento para obter alcatrão ao ar livre

Os pesquisadores colocaram a pedra de modo que o ângulo entre um dos lados e o chão fosse de 60 a 80 graus. Em seguida, um pedaço de casca de bétula foi queimado ao lado dele. A temperatura da chama era de cerca de 600-700 graus Celsius. Ao queimar a casca, formou-se alcatrão na superfície da pedra, que foi então raspada com um pedaço de pedra para posteriormente ser utilizador na confecção do machado.

© Ilustração de RIA Novosti

Odontologia Neandertal

Quase cem anos atrás, em cavernas perto da cidade croata de Krapin, antropólogos desenterraram um grande número de restos Neandertais. Primeiro de tudo, ossos e crânios foram estudados, e só no ano passado o interesse dos pesquisadores se voltaram aos dentes. Então, descobriu-se que alguns deles tinham traços de processamento intravital com objetos pontiagudos. Fissuras, lascas e arranhões sugeriam que essas pessoas sabiam como reparar os dentes, embora em um nível primitivo.

O tártaro dos Neandertais que viviam no território da atual Espanha e Bélgica confirma essas conjecturas. Uma equipe internacional de pesquisadores realizou uma análise metagenômica do tártaro de três indivíduos das cavernas de Spy e El Sidron. Descobriu-se que um deles tinha um abscesso – inflamação purulenta. E foi no DNA de seu tártaro que os especialistas identificaram o material genético de um dos tipos de álamo balsâmico, cuja casca contém ácido salicílico. Esta substância tem efeitos anti-inflamatórios, analgésicos e antipiréticos. Seu derivado mais famoso hoje é a aspirina.

© Fonte: David W. Frayer et al. Odontologia pré-histórica? Rotação de P4, impactação parcial de M3, sulcos de palitos e outros sinais de manipulação em Krapina

Eles não abandonavam seus familiares

Um estudo dos restos Neandertais indica que esses povos antigos eram excelentes quiropráticos. Os fragmentos encontrados de esqueletos, por via de regra, abundam em traços de fraturas fundidas. Assim, em cavernas perto de Krapina, os antropólogos descobriram imediatamente vários casos de ferimentos curados – a clavícula, a ulna esquerda e até o crânio. Isso significa que todos esses neandertais receberam na imobilidade os cuidados necessários por pelo menos um mês.

Se as lesões resultantes transformassem em uma pessoa com deficiência, então ele poderia contar com a ajuda de seus companheiros de tribo. Eles também não deixaram os velhos. Um exemplo vívido de tal apoio social são os restos mortais de um homem idoso descoberto na caverna de Shanidar, no nordeste do Iraque.

Ele viveu cerca de 50 mil anos atrás e, aparentemente, estava muito doente, sofria de doença de Forestier (o desenvolvimento de tecido ósseo nos ligamentos e tendões), não enxerga (fratura das paredes da órbita do olho esquerdo) e não ouvia (exostoses dos canais auditivos em ambas orelhas). Além disso, ele não tinha a mão e o antebraço direito. O estudo também verificou que a maioria das lesões foram recebidas por ele em uma idade bastante precoce.

Obviamente, tal pessoa dificilmente seria capaz de sobreviver por avançados anos sem ajuda externa. Em primeiro lugar, ele não podia caçar normalmente e, em segundo lugar, ele era uma presa fácil para os predadores de médio e grande porte que viviam naquela época nas proximidades da caverna. Então, seus parentes mais saudáveis ​​cuidaram dele.

Fonte: RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − três =