Matemáticos previram eventos na Ucrânia e o futuro da sociedade humana

ucrânia-matem

O Instituto de Matemática Aplicada. M. V. Keldysh RAS foi criado para resolver problemas relacionados à energia nuclear e exploração espacial. Mas então as coisas mudaram. Agora lá, entre outras coisas, eles estão engajados em prever processos históricos. Por exemplo, a situação que se desenvolveu na Ucrânia desde 2013 e os eventos que ocorrem agora foram calculados por cientistas usando modelos matemáticos há mais de 20 anos.

fotos

A Argumento e Fato conversou sobre isso com o  chefe do Departamento de Modelagem de Processos Não-lineares do Instituto de Matemática Aplicada da Academia Russa de Ciências, Doutor em Física e Matemática, o cientista Georgy Malinetsky.

 

 

Alavanca ucraniana

AeF— Podemos dizer que você está prevendo a história?

Georgy Malinetsky:  — Não prevemos apenas processos históricos. Nossos modelos afetam a economia, a demografia e, em parte, a psicologia – todo o complexo das ciências humanas. Na década de 1990, modelamos ativamente o sistema educacional. Os resultados mostraram que a introdução do Exame Estadual Unificado levaria a uma catástrofe do sistema. Naquela época, reformas destrutivas foram impostas ao nosso país: liquidar escolas técnicas, fechar 50 universidades em toda a Rússia… Relatamos os resultados da simulação ao governo e conseguimos atrasar as reformas por 10 anos.

Outros estudos importantes trataram dos riscos de desastres naturais e provocados pelo homem. Existem cerca de 50 mil objetos perigosos e 5 mil especialmente perigosos no território do país. Acidentes em alguns deles podem levar à morte de centenas de milhares de pessoas e bilhões de dólares em perdas financeiras. Em 2001, o presidente Putin instruiu a comunidade científica a desenvolver medidas para prevenir acidentes, desastres e catástrofes. Nós cuidamos disso. O Instituto de Matemática Aplicada, juntamente com outras instituições acadêmicas, apresentou todo um programa de monitoramento científico de fenômenos e processos perigosos, mas o governo o bloqueou por motivos formais. E então não havia dinheiro para isso. Durante esse período, muitos desastres causados ​​pelo homem ocorreram no país, basta lembrar o acidente na usina hidrelétrica de Sayano-Shushenskaya.

— Como são previstos os processos históricos? Existem equações especiais?

— Nossa principal ferramenta são os modelos matemáticos. São construções simplificadas que refletem a essência de um fenômeno ou processo da forma mais clara possível. Sim, os matemáticos escrevem equações diferenciais, determinam os coeficientes, então tudo é calculado pela máquina.

A história é um objeto difícil de modelar. Mas pode ser projetada em um determinado eixo, que reflete a propriedade dos meios de produção. Então teremos o materialismo histórico com sua divisão em formações, do comunal primitivo ao comunista. E você pode tomar outro eixo, como sugerido pelo sociólogo americano Daniel Bell, – ele mostra o papel da ciência no desenvolvimento da sociedade. Então o resultado da modelagem será diferente: até o século 20 ocorreu o desenvolvimento da natureza, no século 20 começou a era industrial (o tempo das máquinas), e agora existe uma era pós-industrial, onde o foco é nas pessoas.

Esta é uma nova fase no desenvolvimento da civilização, quando eles tentam derrotar o inimigo não com bombas e mísseis, mas com outros meios – econômicos e humanitários. A luta flui para a consciência de massa, os valores e significados tornam-se mais importantes que as armas. Vemos no exemplo da Ucrânia que, se por 20 anos as crianças em idade escolar forem colocadas em sua cabeça de qualquer tipo de bobagem, poderá ser criada uma geração que acreditará que o antigo ukry deu origem à civilização europeia, e seu principal inimigo histórico é a Rússia. Isso nunca havia sido feito antes, a consciência de um grande povo não foi substituída por uma nova em tão pouco tempo. Isso é tecnologia humanitária em ação: basta mudar o currículo escolar – e você tem pessoas com a consciência alterada. Ao mesmo tempo, pouco esforço é feito (os Estados Unidos investiram apenas US$ 5 bilhões na Ucrânia), e o efeito é enorme. Na verdade, esta é uma alavanca muito destrutiva.

Três reinos

– Mas como exatamente a crise está prevista na mesma Ucrânia, e as hostilidades em curso?

Vamos ver quais são as causas subjacentes do que está acontecendo. O modelo atual do sistema econômico mundial sobreviveu à sua utilidade. O capitalismo acabou, não tem futuro – este sistema não tem mais onde crescer. Para aqueles que têm poder e dinheiro, só resta uma coisa – retardar o desenvolvimento da civilização, jogá-la de volta, desencadeando novas guerras. O que eles fazem. A elite está tentando devolver a humanidade ao século XX, onde houve duas guerras mundiais e o domínio global dos Estados Unidos. Seu objetivo é dividir o mundo em três zonas. Na zona “verde” – um alto padrão de vida e tecnologia avançada. “Amarelo” que está envolvido em sua manutenção. E na zona “vermelha”, onde reina a instabilidade – há um “campo selvagem” e relações no nível feudal. A ideia deles sobre a Rússia é que ela acabe na zona “vermelha” e nunca mais saia de lá.

Na China, há um épico “Três Reinos”. Lá, três reis lutam entre si, tecem intrigas, conspiram. Cada um busca o domínio sobre os outros. Esta imagem está em consonância com o que está acontecendo agora. De acordo com várias previsões (não só as nossas), os principais atores ativos do século XXI serão aquelas civilizações que terão um PIB de mais de 20 trilhões de dólares e uma população de mais de 400 milhões de pessoas. Quem são? O primeiro jogador são os Estados Unidos com suas “províncias” de México e Canadá, o segundo é a China, o terceiro é a União Europeia. Todo o resto são os países do próximo nível.

E esses três estão jogando no “terceiro supérfluo”. A Europa e a China gostariam de construir um análogo da Grande Rota da Seda. Isso fortaleceria fortemente ambos, e o restante dos países pelos quais a nova rota comercial passaria, incluindo a Rússia, também se beneficiaria. Mas então os Estados Unidos permanecerão supérfluos, e eles realmente não querem isso. E a América começa seu jogo, buscando tornar esse caminho o mais difícil possível. Como fazer isso? Com a ajuda de conflitos militares em toda a sua extensão. O que vimos nas últimas décadas. Também podemos lembrar a agitação no Cazaquistão no início deste ano, eles são da mesma série. Mas o cenário ucraniano acabou sendo o mais eficaz. Além disso, verifica-se que as hostilidades já estão ocorrendo no território da Europa, o que é muito benéfico para os Estados Unidos. Afinal, seu objetivo é excluir a União Europeia da trindade. Quanto mais tempo esse conflito militar durar, melhor para a América.

Os modelos matemáticos que foram construídos pelos cientistas previram tanto os combates na Ucrânia quanto a próxima fome mundial. É verdade que a previsão não era para 2022, mas um ou dois anos depois. O fato é que existem certos ciclos de acordo com os quais a economia muda. Por exemplo, existem ciclos de Kondratiev , eles definem crises, guerras e revoluções. São ciclos de reequipamento tecnológico, levam de 40 a 50 anos.

O que esses modelos preveem a seguir? E o mais importante, o que eles dizem sobre o futuro da Rússia, que, infelizmente, não encontrou lugar no cobiçado trio?

– A Rússia pode construir sua própria civilização, há recursos para isso, mas são necessários fortes aliados geopolíticos. Em primeiro lugar, está a América Latina, que, aliás, é a que mais nos apoia. A segunda é a Índia. Podemos liderar um novo movimento geopolítico – o grupo de países que não quer jogar com os três jogadores mais poderosos. Então a Rússia e seus aliados estarão por conta própria. Teremos um diálogo com eles, mas nada mais.

Mas para construir nossa própria civilização, precisamos de uma “cortina de ferro” (temos que produzir muitas coisas por conta própria), a degeneração da elite (aparentemente, apenas 5-10% entendem a essência do que está acontecendo ) e uma imagem clara do futuro desejado, se você quiser – ideologia. O mundo, a mesma América Latina, espera de nós não tanto petróleo e gás, mas notícias sobre para onde vamos e para onde os estamos chamando conosco. Esta notícia ainda não está disponível.

“Sem amigos, tenho pouco”

— Os modelos matemáticos falam da necessidade de ideologia?

– No choque de civilizações, esse é um parâmetro muito importante, se expressa, entre outras coisas, por meio dele. Muito depende de quanto rejeitamos os de outra pessoa e apoiamos os nossos. Mesmo Napoleão disse que o fator moral se relaciona com o material na proporção de 3:1. Danilevsky , Toynbee , Spengler e  Gumilyov , que estudaram a dinâmica das civilizações, sua vida e morte, chegaram à conclusão sobre a importância fundamental da ideologia. Houve um cientista soviético e russo Dmitry Chernavsky, ele desenvolveu uma teoria da informação dinâmica e modelos de guerras linguísticas. De suas obras decorre a importância dos significados e valores não apenas para o desenvolvimento da sociedade, mas para sua sobrevivência.

E a Rússia tem algo a oferecer ao mundo. Para nós, a consciência, a reflexão interior, a capacidade de se colocar no lugar do outro sempre foram importantes. Enquanto no Ocidente a liberdade e a independência estão em primeiro plano (“Cada um por si, e Deus por todos”), nossa atitude em relação aos outros foi expressa por Suvorov: “Morra você mesmo, mas salve seu camarada!” Nosso imperativo é a catolicidade, a auto-organização, a ação coletiva. Daí os artels, os sovietes e as fazendas coletivas. Um solitário em nossas realidades naturais não sobrevive: “Sem amigos, tenho pouco, mas com amigos tenho muito”.

O sonho, a ideia de um paraíso na terra que pode e deve ser construído, de crianças que irão além de nós, sempre foi importante para a Rússia. Isso vale a pena voltar. Mas, por enquanto, a Rússia é como um herói que fica em uma bifurcação na frente de uma pedra e não sabe para onde ir em seguida.

– Parece que na linguagem da ciência isso é chamado de bifurcação?

— Certo. Este, a grosso modo, é o ponto de decisão: talvez desta forma, ou talvez daquela forma. A bifurcação é um estado extremamente instável em que mesmo pequenos impactos podem ter grandes consequências. Ao mesmo tempo, mudanças inesperadas e qualitativas são possíveis. Como diz o ditado, não havia um centavo, mas de repente temos o Altyn.

A Rússia está agora no ponto de bifurcação, onde seu futuro está sendo determinado, a questão de sua existência e lugar na história do século XXI está sendo decidida. Há esperança de que, como resultado do superesforço de duas gerações, possamos construir um país forte. Se não tivéssemos boas opções para o futuro, nós mesmos não existiríamos. Nossas esperanças para o amanhã determinam a realidade de hoje.

Fonte: aif.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!