Mídia dos EUA: Biden deve admitir o fracasso

Parece que a retirada do Afeganistão foi um golpe esmagador para a reputação de Joseph Biden. Seus oponentes esfregam as mãos em antecipação – quando Biden tropeçará novamente para que eles possam finalmente acabar com ele. No entanto, Biden ainda pode enviar um sinal poderoso de que a América está de volta, especialistas americanos têm certeza.

biden

Biden certa vez se comprometeu a combater as crescentes ambições da China e da Rússia e acabar com os conflitos intermináveis ​​no Afeganistão e no Oriente Médio. Mas ele não é o único presidente cujas decisões acabaram prejudicando a reputação dos Estados Unidos. Basta lembrar o acordo de Donald Trump com o Talibã, a inação de Barack Obama na Síria e a invasão do Iraque por George W. Bush . Como os Estados podem se lavar agora? Biden deve começar falando francamente com seu povo. Para começar, admita o fracasso de seu plano de retirada das tropas, escreve a Diplomacia Moderna.

Plano de resgate de Biden

Para promover seus interesses no Indo-Pacífico, os Estados deveriam …

  • Enviar vários embaixadores, incluindo um adido da marinha ou da guarda costeira, a estados insulares como Tonga, Tuvalu e Kiribati.
  • Além disso, parte das tropas do Afeganistão deve ser transferida para a região do Pacífico.
  • Finalmente, o governo Biden deve trabalhar com a indústria da defesa para agilizar a transferência de equipamento militar para Taiwan, demonstrando assim que os Estados Unidos não estão abandonando seus aliados.

O governo Biden também deve fazer todo o possível para restabelecer as relações com os parceiros europeus, dizem analistas americanos. Biden decidiu deixar o Afeganistão sem consultar os governos desses países, deixando-os planejando suas próprias ações para salvar seus cidadãos. Portanto, a indignação dos aliados dos EUA é compreensível. O comportamento da América é condenado em:

  • Paris,
  • Berlim,
  • Londres.

Em uma cúpula regional em Bagdá no mês passado, Emmanuel Macron deixou claro que, ao contrário dos americanos, ele pretende ficar no Oriente Médio.

“Qualquer que seja a escolha da América”, disse ele, “manteremos uma presença de contraterrorismo no Iraque enquanto houver grupos terroristas operando e o governo iraquiano nos pedir ajuda”.

Macron, ao humilhar os EUA, deixou claro que a Europa é independente da política de segurança dos EUA. Em uma cúpula de emergência do G7, Biden rejeitou os pedidos dos aliados para uma extensão do prazo de retirada. Agora, Biden deve enviar membros da equipe de especialistas para a Europa e outras regiões do mundo para garantir aos Estados Unidos que os Estados Unidos continuam sendo responsáveis ​​por sua segurança.

Quanto ao Oriente Médio, Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional de Joseph Biden, descreveu as capacidades dos Estados Unidos na região em seu artigo sobre Relações Exteriores. Ele acredita que a diplomacia, ou seja, o poder brando, pode ser uma ferramenta mais eficaz, já que as intervenções militares anteriores fracassaram. 

Nesse sentido, o presidente e sua equipe, na lógica de Sullivan, devem devolver a nova administração iraniana à mesa de negociações em Viena, aderir ao JCPOA (Plano de Ação Conjunto Global) e amenizar as tensões no Oriente Médio. Além disso, os Estados Unidos devem fazer tudo o que puderem para garantir o trânsito seguro dos afegãos que são elegíveis para um visto dos EUA para o aeroporto de Cabul – e continuar voando até que todos tenham sido evacuados. Isso deve se aplicar tanto aos afegãos que trabalharam em estreita colaboração com os militares dos EUA quanto àqueles que interagem com a mídia dos EUA e organizações humanitárias.

Além disso, os especialistas americanos estão confiantes de que Biden deve alocar fundos para os serviços especiais para que aumentem sua vigilância sobre o influxo de jihadistas no Afeganistão, a fim de manter os grupos mais perigosos sob controle.

Biden pode não ser capaz de evitar todas as consequências do desastre afegão, mas ele deve agir de alguma forma, ouvindo o conselho de analistas locais ou a sua própria mente, mas ele deve, em qualquer caso, demonstrar que aprendeu suas lições se ele quer devolver a América à arena internacional.

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!