Militares devastaram a Amazônia para evitar a reforma agrária, afirma Michel Foucher

A geografia para Michel Foucher é humana, onde diferentes atores convivem em um espaço territorial de construção cultural e política, com lutas sociais e conflitos de identidade e fenômenos de fronteira. Seu livro ‘Arpenteur du Monde‘ nos leva a conhecer um pouco mais sobre a trajetória desse geógrafo político.

geopolítica
Geógrafo francês, Michel Foucher constatou na década de 70 a intenção dos militares de desmatar a Amazônia e transferir populações inteiras para áreas degradadas

Por Marilza  de Melo Foucher – de Paris

Hoje, com o Sistema de Posicionamento Global (GPS, na sigla em inglês), o geógrafo conta com todas as ferramentas para o trabalho de campo, para a realização de um estudo de caso. No entanto, esses instrumentos não possuem capacidade analítica para apreender o espaço como um todo. A geografia, para Michel Foucher não é apenas uma imagem simbólica das viagens e da evolução da cartografia e do uso hoje do GPS.

A geografia para Michel Foucher é humana, onde diferentes atores convivem em um espaço territorial de construção cultural e política, com lutas sociais e conflitos de identidade e fenômenos de fronteira. Seu livro ‘Arpenteur du Monde‘ nos leva a conhecer um pouco mais sobre a trajetória desse geógrafo político.

— Michel Foucher quantas viagens foram necessárias para entender a multidisciplinaridade que a geografia exige?

— Acredito que as missões de estudo à África de língua inglesa – Quênia e Zimbábue – me fizeram entender as correlações estreitas entre colonização, terras e questões étnicas e dados de geografia física (as melhores terras vulcânicas de alta altitude sendo apropriadas por fazendeiros e plantadores brancos). Foi uma introdução útil às minhas viagens de pesquisa à África do Sul nos últimos anos da política de apartheid que, além de seu determinante registro racial, tinha uma dimensão geográfica (com a repressão às etnias negras nos bantustões). Da mesma forma, em Israel e na Cisjordânia, meu treinamento inicial como geomorfologista tornou mais fácil para mim entender as questões estratégicas (o papel dos pontos altos) e hidráulicas (fontes e águas subterrâneas) da política de segurança e assentamento. deve ser dito, com sucesso, por Israel. Como geógrafo, presumo dizer, ao demonstrá-lo em meu trabalho com base em levantamentos e entrevistas de campo, que nunca haverá um Estado Palestino, por falta de um Estado palestino viável, contínuo e disponível; como diplomata, eu estava obviamente trabalhando na esperança oposta. De um modo geral, esse trabalho de campo em ambientes tensos preparou-me para estudar crises mais graves, todas com dimensão territorial (Balcãs, Cáucaso, África Oriental, Afeganistão etc.).

— Explique-nos a importância da viagem ao Brasil especialmente para sua compreensão da visão espacial estratégica da geopolítica?

— Durante minhas missões de pesquisa no Brasil como parte do programa Novo Amazonas do CNRS – Centre National de Recherches ( Centro Nacional de Pesquisas) liderado por Pierre Monbeig no início dos anos 1970, percebi que, ao contrário de seu próprio trabalho (sobre a cafeicultura em São Paulo), desta vez não se tratava de frentes pioneiras no sentido próprio, mas de uma operação mais política destinada a transferir as populações rurais excedentárias do Nordeste para as terras a serem desmatadas na Amazonia, exemplo do Estado do Pará, ao longo de novas rodovias. Isso, é claro, para evitar qualquer reforma agrária, marca registrada dos regimes progressistas. Mas são as grandes empresas agropastoris que mais se beneficiarão dessa política de colonização dos militares. Ela havia sido teorizada por geógrafos militares da Sorbonne do Rio de Janeiro, em particular pelo General Golbery, chefe do Conselho de Segurança Nacional (Geopolítica do Brasil, 1966). O método de planejamento militar foi usado a serviço de um projeto político civil, um pouco parecido com o ocorrido em Israel. Observo, aliás, que a reflexão geopolítica continua a florescer no Brasil, inclusive na abordagem crítica. A revista franco-brasileira Confins, sob a direção de Hervé Théry, é testemunha.

— A construção da Europa é até hoje um dos exemplos mais bem-sucedidos de integração continental. Por que essa tentativa de integração política e cultural da União Europeia continua a ser um processo em construção? Como geográfico você pensa que faltou uma visão de estratégia geopolítica para a União Europeia?

O projeto europeu é principalmente político: reconciliar as nações europeias, após décadas de conflito, em particular entre a França e a Alemanha (três guerras entre 1870 e 1945), o Reino Unido, a Rússia e a Alemanha, ou seja, entre as principais potências do continente. A intervenção americana foi decisiva a nível militar, essencial a nível econômico (Plano Marshall), sustentável a nível de segurança (Aliança Atlântica) e crucial a nível geopolítico, uma vez que o equilíbrio europeu foi garantido por uma grande potência externa, o que amenizou as rivalidades entre as nações do continente. 

Na minha opinião, este último ponto da questão, não foi suficientemente levado em conta. As exigências de reconstrução europeia fizeram da economia um eixo prioritário, para evitar a influência comunista instrumentalizada por Moscou, e o mercado único tinha a função de garantir a prosperidade; todos os países da União Europeia são, apesar das nuances, social-democracias e o orçamento europeu as apoia (política de coesão que reduz as desigualdades regionais, política agrícola comum que assegura quase metade da renda dos agricultores); isso pode ser confirmado com o plano de estímulo de € 750 bilhões em 2021. Como resultado, as questões geoestratégicas foram deixadas para os americanos, exceto no caso da França, que é estrategicamente autônoma (dissuasão nuclear, principal exército do continente, presença no Conselho de Segurança). A maioria dos países da União está satisfeita com a garantia americana, a começar pela Alemanha, e não quer uma defesa europeia autônoma que não seja o reforço do pilar europeu da OTAN.

Mas o conceito de “soberania europeia” lançado por Emmanuel Macron em seu discurso na Sorbonne em setembro de 2017 começa a se difundir, no contexto do endurecimento das relações internacionais observado durante a pandemia devido à atitude das potências revisionistas de segundo escalão (Rússia, Turquia, Irã) e a ambição chinesa de chegar ao primeiro “ranking”. No entanto, os europeus não têm os mesmos campos de interesses em todos os assuntos que os Estados Unidos e não desejam por exemplo, ser arrastados para uma rivalidade sistêmica com a China, um grande mercado, que pode levar a um confronto. Trata-se de gerenciar uma competição estratégica controlada. Isso vale para a cultura onde muito já foi feito: ver a rotação das capitais europeias da cultura, a circulação de obras e artistas (excluindo a situação dado ao confinamento). Esperam-se novas iniciativas durante a Presidência francesa do Conselho da União no primeiro semestre de 2022, nomeadamente sob a forma de um plano de revitalização cultural. Também tomo a liberdade de citar a nota inédita do Grupo de Estudos Geopolíticos (6 de julho de 2021, Le Grand Continent) em que Giuliano da Empoli propõe sete ideias para relançar a União Europeia a partir da cultura. Multiplicar os pontos de vista e as histórias, recomeçar a apreender a construção europeia de forma transgressiva é a única forma de tirar os debates europeus do seu tédio mortal e de questionar a hegemonia cultural que os nacional-populistas estão a construir. peça por peça durante vinte anos.

— O senhor, que foi um dos conselheiros da Presidência da República na época de François Mitterrand, por que foi tão difícil imaginar um futuro comum de uma confederação europeia rica na diversidade de culturas? Parece-me que o senhor foi um dos precursores e animadores dos debates sobre a reestruturação espacial da Europa. O que restou dessa antecipação geopolítica do projeto confederal da grande Europa?

— É claro que este continua a ser um horizonte e uma esperança, que permite resolver duas questões: uma coordenação forte entre os grandes países fundadores da União e os demais, que respeite a sua identidade de Estado-nação, promovendo ao mesmo tempo uma ação conjunta sobre os temas de interesse comum. Os interesses europeus parecem-me tão importantes quanto os valores. O esquema confederal é mais razoável do que a ambição federal, que tende a negar as realidades nacionais. Também daria uma resposta a uma questão mal resolvida desde o início do século 19, que é o lugar da Rússia em um novo concerto europeu. Isso exigiria que seus líderes renunciassem ao império, como fizeram os europeus, e nos considerassem como possíveis parceiros e não adversários e democracias em declínio, como eles sempre dizem, como seus amigos chineses. O ideal seria a Rússia se democratizar, mas essa perspectiva me parece muito remota. De forma que o projeto confederal “Mitterrandiano” permanece por muito tempo uma antecipação geopolítica.

— Como senhor diz, a geografia sempre inspirou os atores do poder … Por que a diplomacia francesa precisa usar o “savoir-faire” de geógrafos políticos?

Infelizmente, a geografia, em sua dimensão realista, nem sempre inspirou os governantes: veja a intervenção militar americana no Iraque ou a da França na Líbia, pela qual continuamos a pagar a conta. Essa inspiração pode alimentar políticas revisionistas, justificadas pela nostalgia neoimperial (Rússia, Turquia), projeções estratégicas e religiosas (Irã no Oriente Médio, Paquistão no Afeganistão, Emirados Árabes Unidos no Iêmen, na Eritreia e na Somália). Também pode estruturar uma visão de longo prazo, como a do controle da Eurásia por vários projetos chineses, como “um cinturão-uma estrada” (erroneamente chamada de “rota da seda”, expressão não usada na China exceto no plano histórico). A China pretende dominar a Eurásia, onde os Estados Unidos estão menos presentes, enquanto afrouxa o controle marítimo da Marinha dos EUA no Pacífico Ocidental e no Oceano Índico. Na China, geografia e estratégia se confundem, tornam-se efetivas pelo sentido de uma visão de longo prazo, o que falta em nossas pacíficas sociedades democráticas. Tiraremos proveito de uma melhor compreensão do pensamento estratégico chinês, para além da referência ideológica do “comunismo” que nada mais é hoje que um capitalismo de Estado. A fria análise geográfica das relações internacionais também permite relativizar as noções de declínio e emergência, de fazer críticas das representações e mapas mentais que orientam as percepções e decisões dos atores.

Michel Foucher é um geógrafo, ex-embaixador, ele detém a cadeira de geopolítica aplicada no “Collège d’études mondiales” da Fundação Maison des Sciences de l’Homme (FMHS). Ele escreveu vários livros e artigos sobre a questão das fronteiras (A invenção das fronteiras em 1986; Frentes e Fronteiras. Uma volta ao Mundo Geopolítico -1988; A »Obsessão » das fronteiras em 2007; A Europa e o futuro do mundo – 2009; A Batalha das cartas – 2010; A volta das fronteiras-CNRS-Editions,2016). Seu último livro, “Arpenter le monde: mémoires d’un géographe politique”, forneceu-nos elementos para esta entrevista.

Fonte: CdB

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!