O controle republicano nos estados pode dar a vitória a Trump

Os democratas e a grande burguesia americana não têm ninguém com a mesma popularidade de Donald Trump, escreve Eduardo Vasco.

fotos
© Foto: SCF

Eduardo Vasco

O primeiro debate eleitoral demonstrou a milhões de cidadãos americanos que eles são governados por uma esponja. Talvez a antecipação dos debates (em eleições anteriores, o primeiro debate só ocorreu no final de setembro) tenha ocorrido justamente com o objetivo de testar a aceitação da (falta de) capacidade cognitiva de Joe Biden pelo público em geral para que houvesse tempo de substituí-lo por outro candidato, se necessário. Assim como em 2020, Biden deu um golpe interno no Partido Democrata, impedindo a competição e os debates para não expor sua completa incapacidade de governar.

Mas todas as vozes da grande burguesia imperialista americana agora clamam desesperadamente por sua substituição.

O porta-voz mais influente do establishment, o New York Times, instou em um  editorial : “para servir seu país, o presidente Biden deve deixar a corrida”, elogiando o “presidente admirável”, sob cuja liderança “a nação prosperou e começou a abordar uma série de desafios de longo prazo”. Porque Biden está concorrendo contra o diabo personificado. “Donald Trump provou ser um perigo significativo para essa democracia – uma figura errática e egoísta, indigna da confiança pública”, opinou o jornal.

No entanto, os democratas e a grande burguesia americana não têm ninguém com a mesma popularidade de Donald Trump. A maioria das pesquisas de opinião aponta o republicano como favorito e o número de apoiadores das ideias e políticas que ele defende vem crescendo, como o combate à imigração, o envio de armas para a Ucrânia e a “cultura woke”.  Pesquisa  publicada no início de janeiro pelo Washington Post e pela Universidade de Maryland indicou que 36% dos americanos acham que a eleição de Biden em 2020 não foi legítima. Trump  conseguiu arrecadar  53 milhões de dólares para sua campanha em 24 horas após ser condenado em maio pelo tribunal de Nova York e ganhou 3 milhões de seguidores quase imediatamente após  abrir uma conta no Tik Tok . É um fenômeno ainda mais devastador do que em 2016.

Sabendo, porém, que não é a vontade do povo, mas sim as maquinações de interesses poderosos dentro das instituições do Estado que realmente decidem o próximo presidente dos Estados Unidos, é preciso analisar as estruturas da burguesia americana e seus tentáculos e mensurar a força de seus setores que atualmente estão em clara contradição. É a correlação de forças dentro do sistema político e econômico dos EUA que decidirá qual camada das classes dominantes, a alta ou a baixa, terá seu representante na Casa Branca em 2025.

Os estados onde os republicanos tradicionalmente ganham a maioria dos votos para a presidência, ou seja, os “estados vermelhos”, são Texas, Alabama, Mississippi, Arkansas, Idaho, Utah, Wyoming, Oklahoma, Kentucky e Kansas. Pelo menos nas últimas três eleições eles deram a maioria dos votos ao candidato presidencial republicano. Em todos eles, o Senado e a Câmara estaduais são dominados por republicanos e apenas em Kentucky e Kansas os governadores não são republicanos, mas sim democratas. Este é o mesmo cenário dos estados que não são “vermelhos”, mas estão sob forte controle republicano: Carolina do Sul, Missouri, Montana, Virgínia Ocidental, Tennessee, Dakota do Sul, Dakota do Norte, Nebraska, Louisiana e Indiana. No Alasca, apenas o Senado tem atualmente maioria democrata, enquanto todos os outros pontos são a favor dos republicanos. Em New Hampshire, embora a maioria dos eleitores tenha votado nos democratas nas últimas três eleições presidenciais, o governo, o Senado e a Câmara são dominados pelos republicanos, o que lhes dá maior controle sobre a máquina estadual. Na Flórida, Ohio e Iowa, o governo e a legislatura são republicanos e os eleitores votaram esmagadoramente no republicano nas últimas duas eleições presidenciais. A Carolina do Norte votou no candidato republicano nas últimas três eleições presidenciais e ambas as casas legislativas são republicanas – apenas o governador é democrata.

Por sua vez, os democratas têm o controle da máquina estatal em todos os “estados azuis”: Califórnia, Nova York, Massachusetts, Illinois, Maryland, Washington, Oregon, Havaí, Rhode Island e o Distrito de Columbia. Somente em Vermont — também um “estado azul” — o governo está nas mãos dos republicanos. Nova Jersey, Connecticut, Delaware, Colorado e Novo México, embora não sejam “estados azuis”, votaram em candidatos democratas nas últimas três eleições presidenciais e têm o governo e ambas as casas legislativas controlados por democratas. Em Minnesota, os republicanos compartilham o Senado com os democratas igualmente, mas todos os outros pontos levantados neste artigo dão aos democratas uma vantagem esmagadora. No Maine, duas das últimas três eleições elegeram um número igual de delegados republicanos e democratas para o colégio eleitoral, mas, de resto, toda a vantagem pertence aos democratas. Na Virgínia, o governador é republicano, mas ambas as casas legislativas são democratas, assim como o histórico de votação presidencial nas últimas três eleições.

Entre os estados indecisos deste ano, os republicanos controlam a máquina política na Geórgia (governo, legislatura e histórico de duas das últimas três eleições presidenciais), enquanto os democratas controlam Nevada (com exceção do governo) e Michigan (onde não venceram em apenas uma das últimas três eleições presidenciais). Os outros três “estados indecisos” são onde o controle é muito mais equilibrado: os democratas detêm o governo e a Câmara da Pensilvânia e venceram duas das últimas três eleições lá, mas os republicanos venceram uma das últimas três eleições e controlam o Senado; os democratas governam Wisconsin e venceram lá em duas das últimas três eleições presidenciais, mas os republicanos controlam ambas as casas legislativas e venceram em uma das últimas três eleições; e no Arizona, os democratas venceram uma das três eleições e detêm o governo, mas os republicanos venceram as outras duas eleições e dominam a legislatura.

Tudo isso significa que, levando em conta o controle da máquina política estatal, espera-se que os republicanos vençam em todos os “estados vermelhos” e em outros 17 estados, incluindo o “estado indeciso” da Geórgia. Eles terão, portanto, garantidos 255 delegados para o colégio eleitoral, além do número total de delegados a que cada um desses estados tem direito. Os democratas, por outro lado, tendem a vencer em todos os “estados azuis” e em mais 10 estados, incluindo os “estados indecisos” de Nevada e Michigan e os estados de Minnesota e Maine, onde, diferentemente de todos os outros, o partido que obtém a maioria dos votos populares no estado não elege automaticamente todos os delegados, mas tem suas próprias regras – nosso cálculo leva em conta que os democratas controlam a máquina política nesses dois estados, portanto, eles são capazes de administrar os resultados das eleições. Os democratas obterão, portanto, 243 delegados para o colégio eleitoral.

Para que seu candidato seja o vencedor das eleições presidenciais, um partido precisa ter pelo menos 270 delegados no colégio eleitoral. Daí a importância essencial dos “swing states” onde o controle político não é definido (Pensilvânia, Wisconsin e Arizona). Para ser eleito, bastará que Trump vença em apenas um deles (Pensilvânia), ou, se perder na Pensilvânia, que vença nos outros dois. O candidato democrata será forçado a vencer na Pensilvânia e em um dos outros dois “swing states” principais.

Considerando, portanto, o controle da máquina política nos estados, somado à tendência de maior preferência dos eleitores nas pesquisas de intenção de voto, Donald Trump tem mais chances de ser eleito presidente do que o candidato democrata.

strategic-culture.su

Related Posts
A questão dos 61 bilhões de dólares e o que fará Trump agora
fotos

Até poucos dias atrás, ninguém no mundo tinha ouvido falar de Mike Johnson. O presidente republicano da Câmara dos Representantes [...]

Israel mais isolado do que nunca após as recentes declarações de Trump
fotos

O ex-presidente americano reconhece que o regime sionista cometeu um grave erro ao mostrar os resultados da sua campanha de [...]

Trump está pronto para aceitar o cargo de presidente da Câmara dos Representantes
fotos

O ex-presidente dos EUA está pronto para assumir temporariamente o cargo de presidente da Câmara dos Representantes se o Partido [...]

O golpe de Trump quase foi bem-sucedido
fotos

Em 13 de setembro, Mitt Romney – o senador de 76 anos, multimilionário e candidato presidencial pelo partido republicano à [...]

Tribunal da Geórgia estabelece fiança e termos restritivos de liberação para Trump
reeleição

O ex-presidente Donald Trump concordou na segunda-feira em pagar uma fiança de 200.000 dólares e observar condições restritivas nas suas [...]

Departamento de Justiça indicia Trump por reter planos militares ultrassecretos
trump-indiciado

A acusação criminal federal de 38 acusações de Trump marca um estágio novo e sem precedentes na crise do sistema [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!