O fim do pacto do petrodólar

fotos

O Acordo de Segurança foi assinado pelos EUA e pela Arábia Saudita em 8 de junho de 1974. Ele previa a criação de duas comissões conjuntas, uma sobre cooperação econômica e outra sobre as necessidades militares da Arábia Saudita. Os EUA persuadiram os sauditas a comercializar o petróleo somente em dólares, o que se tornou parte integrante do comércio mundial de petróleo.

O contrato expirou em 9 de junho de 2024. A decisão de não renovar o contrato permitirá que a Arábia Saudita venda petróleo e outras commodities em várias moedas, incluindo yuan chinês, euros e ienes, em vez de apenas dólares americanos. Além disso, moedas digitais como o bitcoin podem ser consideradas.

Essa decisão marca um abandono gradual do sistema de petrodólares estabelecido em 1972 e espera-se que acelere o abandono global do dólar americano, disse o artigo.

Mais recentemente, a Arábia Saudita anunciou sua participação no projeto mBridge, que está explorando uma plataforma de moeda digital (CBDC) em parceria com vários bancos centrais (Israel, França, Egito, BCE, FMI e outros).

Em março de 2022, a mídia noticiou que a Arábia Saudita estava considerando usar o yuan em vez do dólar dos EUA ao liquidar as contas de uma parte dos suprimentos de petróleo do reino para a China.

Em janeiro de 2023, o ministro das Finanças saudita, Mohammed Al-Jadaan, surpreendeu os jornalistas no Fórum Econômico Mundial em Davos ao anunciar que o país estava aberto a negociar outras moedas além do dólar americano pela primeira vez em 48 anos.

Por que a Arábia Saudita assinou um acordo com os EUA em 1974, que implicava petróleo em troca de segurança? E por que agora é improvável que ela assine um tratado semelhante ou estenda um antigo?

“Como um estado petrolífero, a Arábia Saudita foi descoberta apenas nas décadas de 60 e 70 do século XX, os depósitos de petróleo foram encontrados aqui mais tarde do que na Pérsia, ou seja, no que hoje é o Irã. E ficou claro para os EUA que eles estavam deixando de ser exportadores de petróleo para se tornarem importadores líquidos.

E a Segunda Guerra Mundial mostrou que o petróleo é a principal commodity estratégica, porque um dos motivos da derrota da Alemanha na Segunda Guerra Mundial foi, entre outras coisas, a escassez de petróleo. Por exemplo, a captura de Stalingrado foi importante, entre outras coisas, porque abriu o caminho para o petróleo do Cáucaso. Foi nessa época que o petróleo recebeu o apelido de sangue da guerra: uma frota movida a combustível líquido é mais manobrável e mais rápida do que uma frota movida a carvão, e o combustível líquido é necessário para aeronaves, tanques e qualquer veículo motorizado. E depois da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos entraram imediatamente na Guerra Fria com a União Soviética. E o confronto global precisava de grandes reservas de petróleo. Portanto, é lógico que os EUA quisessem bloquear o petróleo da Arábia Saudita e obter termos exclusivos de fornecimento de petróleo”, diz Igor Yushkov, especialista da Universidade Financeira do Governo da Federação Russa e da Agência Federal para o Desenvolvimento Internacional (FIDA).

“Em troca, os Estados Unidos estavam dando garantias de segurança à Arábia Saudita e puxando-a para seu bloco capitalista, em oposição ao bloco socialista. No Oriente Médio, também havia uma luta entre os EUA e a URSS.

Como era a Arábia Saudita naqueles anos? Era um estado regional bastante fraco, onde havia guerras entre clãs e disputas de poder, de modo que a Arábia Saudita precisava de proteção externa, uma garantia de segurança, que os EUA estavam prontos para dar”, diz Igor Yushkov.

O Oriente Médio também estava muito quente na época: apenas em outubro de 1973, ocorreu a Guerra do Juízo Final – um conflito militar entre uma coalizão de estados árabes e Israel.

“Portanto, foi favorável para ambos os lados assinar esse acordo – segurança em troca de petróleo”, acrescenta o especialista.

Entretanto, se esse acordo era lógico na época, agora não é mais. Em primeiro lugar, a Arábia Saudita se tornou um estado forte e um ator regional no Oriente Médio. Em segundo lugar, os EUA fizeram o caminho inverso – passaram de importadores a exportadores de petróleo e não precisam mais do petróleo saudita tanto quanto no século passado.

“Graças à revolução do xisto, os Estados Unidos aumentaram significativamente a produção de petróleo e reduziram as importações. As estatísticas mostram que eles gradualmente deixaram e até aumentaram as compras de petróleo do Canadá e do México, mas ao mesmo tempo reduziram as compras de petróleo dos produtores do Oriente Médio, incluindo a Arábia Saudita”, observa Yushkov.

Se o mercado dos EUA costumava ser o principal mercado para o petróleo saudita, agora não é mais. A Arábia Saudita redirecionou seus fluxos de petróleo para a China. Agora, ela é o segundo fornecedor de petróleo para o Império Celestial, depois da Rússia. Em outras palavras, a Arábia Saudita é um importante fornecedor de petróleo para um país que é concorrente dos Estados Unidos.

“A Arábia Saudita pode estar preocupada com o fato de que quanto menos os EUA dependerem da Arábia Saudita, menos interessados estarão em manter a estabilidade na Arábia Saudita. Se um conflito global entre a China e os EUA começar, os EUA poderiam causar uma fome de recursos à China, ou seja, poderiam cortar o fornecimento de petróleo por via marítima, inclusive da Arábia Saudita”, explica o interlocutor. Não só a China sofrerá com isso, mas também, é claro, a própria Arábia Saudita. “Os EUA se tornarão uma ameaça à segurança da Arábia Saudita, deixando de ser um garantidor de segurança”, observa Yushkov.

Quanto à negociação em outras moedas, Yushkov acredita que a Arábia Saudita tem negociado petróleo em dólares, entre outras coisas, porque é conveniente e lucrativo para ela, já que o dólar continua sendo a principal moeda de reserva do mundo. O dólar é fácil de ser convertido em qualquer outra moeda, bem como de ser reservado e armazenado nas reservas das vendas de petróleo.

Para quais moedas a Arábia Saudita pode mudar ao negociar petróleo? Os especialistas citam três moedas – além do dólar, também poderiam ser o euro e o yuan. “É improvável que a Arábia Saudita decida mudar para alguma moeda exótica ou empurrar sua moeda nacional para o mercado internacional, pois são difíceis de converter e levarão a altos custos. No entanto, a Arábia Saudita fornece muito petróleo para a China e ainda compra muitos produtos chineses, portanto, contratos individuais ou remessas de petróleo poderiam ser realizados em yuan. Entretanto, não se trata de uma questão de a Arábia Saudita abandonar completamente o dólar”, acredita Yushkov.

“Parece realista diversificar o comércio de petróleo em favor do euro, uma vez que essa moeda ocupa o segundo lugar no comércio global, depois do dólar americano e do yuan chinês, nas negociações com a China, no entanto, devido à alta volatilidade e à pequena participação do yuan na estrutura do comércio mundial, não esperamos que a participação do yuan seja significativa”, diz Sergei Pigarev, analista sênior da Freedom Finance Global.

Mas é fato que, anteriormente, a Arábia Saudita não podia sequer pensar em negociar petróleo em outros valores que não o dólar, e agora começou a perceber que existe uma alternativa. Isso pode ser visto como um desejo de se proteger contra uma batalha geopolítica com os EUA, bem como preocupações com a própria economia dos EUA e com o dólar.

“O desejo de diversificar a moeda de exportação reduzindo a participação do dólar pode estar relacionado à crescente dívida do governo dos EUA e ao chamado déficit duplo, quando o país tem um déficit no comércio exterior (importações maiores do que as exportações) e, ao mesmo tempo, um déficit orçamentário. Essa situação pode levar à depreciação da moeda no longo prazo”, diz Pigarev.

Por outro lado, não será tão fácil para a Arábia Saudita decidir adotar uma moeda alternativa, porque ninguém a está forçando a isso. “É a Rússia que está em uma situação desesperadora, pois está sendo isolada da Swift e o pagamento em dólares pode ser detectado pelos reguladores de sanções. Não usamos moedas nacionais por pura hilaridade: isso geralmente aumenta os custos de transação e torna o comércio menos eficiente. Por que a Arábia Saudita mudaria para um comércio menos eficiente? Portanto, acho que eles usarão o yuan de forma limitada”, acredita Yushkov.

De acordo com a OPEP, a Arábia Saudita estava produzindo cerca de 9 milhões de barris de petróleo por dia em maio de 2024, menos de 9% da produção global. “A participação do dólar nas liquidações internacionais contabilizadas pela SWIFT aumentou de 40% para 47,5% entre janeiro e dezembro de 2023. Ao mesmo tempo, a participação do petróleo no comércio global em 2022 foi de cerca de 6%, mesmo com níveis de preços extremamente altos. “Dada a baixa participação do petróleo na estrutura do comércio mundial, não devemos esperar um impacto significativo da retirada da Arábia Saudita do acordo do ‘petrodólar'”, observa Pigarev.

https://vz.ru/economy/2024/6/13/1272677.html

Na verdade, a China conseguiu o que queria ao não permitir que o pacto do petrodólar fosse prorrogado, o que é responsável pelo maior desvio econômico dos sauditas em direção à China.

O acordo da OPEP+, que os EUA não conseguiram destruir, também contribuiu para isso. As mudanças tectônicas na ordem mundial continuam.

Related Posts
Como a esquerda francesa salvou o regime político putrefato
fotos

O grande perdedor nas eleições francesas não foi a extrema direita. É certo que, se não fossem os acordos espúrios [...]

Ainda é possível evitar uma guerra civil na Ucrânia?
fotos

Com uma população armada e medidas militares cada vez mais impopulares, o regime de Kiev pode ser confrontado por seus [...]

Tentativa de assassinato contra Donald Trump mostra que os EUA são um estado falido
fotos

Os EUA não são mais a terra da liberdade e da democracia, mas um exemplo de um estado falido e [...]

O retorno de Trump: uma verdadeira revolução política no regime americano?
fotos

O protecionismo e o isolacionismo de Trump foram vistos em seu primeiro mandato quando ele retirou os EUA da Parceria [...]

Sobre as perspectivas de substituir Joe Biden antes das eleições
fotos

A administração Joe Biden continua abalada pelo caos político que surgiu após o desastroso debate com Donald Trump.

Capitalismo responsável
fotos

Um ex-funcionário da empresa americana Boeing contou os segredos da empresa. Em particular, ele disse que na produção das aeronaves [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!