O Oriente Médio – Um trampolim global para as transnacionais

Tanto no passado como no presente, o confronto global das potências mundiais tem um extenso sistema de metas e objetivos, dos quais, os interesses econômicos, muitas vezes não são inferiores aos interesses políticos, e às vezes essa aparente contradição vêm à tona. A luta pela alavancagem econômica no contexto da escassez de recursos e da formação de um mercado global está há muito tempo na agenda das complexas relações internacionais. Essa luta adquiriu as formas mais agudas no Oriente Médio, onde tarefas complexas, que vão desde revoluções “coloridas” a ataques de grupos de terrorismo internacional, são usadas para alcançar os objetivos das corporações transnacionais.

A última década intensificou o confronto das grandes potências com particular força, não só na luta pelo controle dos territórios que dispõem de recursos energéticos, mas também pelos mercados desses recursos.

O negócio global de energia em busca de super-lucros não para. Há um lobby ativo de interesses nos governos de seus estados, atraindo outros estados para vários conflitos militares e confrontos de sanções, numerosos focos de tensão no mundo são criados, fundos secretos e apoio material do terrorismo mundial são feitos, e então a luta contra esse mal é usada como desculpa e justificativa para interferir nos assuntos dos estados soberanos. A principal tarefa desse caos controlado é extrair o máximo de lucros políticos e financeiros em favor daqueles que dirigem essa crise.

A eclosão da guerra civil na Síria e a ascensão do terrorismo no Oriente Médio são em grande parte o resultado da luta pelo mercado europeu de recursos energéticos. A fim de entender cuidadosamente a complexa combinação de atores, precisamos nos voltar para os eventos de 2014, quando a atenção da comunidade mundial foi totalmente atraída para o conflito ucraniano e o agravamento das relações entre a Rússia e a União Européia. Neste verão, nas condições da prolongada crise ucraniana e dos já tradicionais problemas de trânsito entre a Naftogaz e a Gazprom, as companhias de gás iranianas desejavam retornar ao mercado europeu. Assim, em agosto, o vice-ministro do Petróleo da República Islâmica, Ali Majedi, anunciou a disposição de Teerã de fornecer gás à União Européia através do gasoduto Nabucco, propondo, de fato, reanimar o antigo projeto de gasoduto [1]. Segundo Ali Majedi, o gás iraniano é a única alternativa competitiva para a União Européia. Sem o combustível da República Islâmica, o gasoduto será inútil, disse o funcionário, já que o combustível produzido no campo de Shah Deniz, no Azerbaijão, não é suficiente para atender a demanda do Nabucco.

O próprio gasoduto Nabucco, através do qual o Irã propôs o fornecimento de gás para a Europa em 2014, previa o fornecimento de combustível do Azerbaijão, Iraque e Turcomenistão contornando a Rússia. O custo do projeto foi inicialmente estimado em 7,9 bilhões de dólares, depois quase duplicou – para 14 bilhões de euros. Foi planejado que a produção de Nabucco será de 26 a 32 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. O projeto foi preparado desde 2002, a construção do gasoduto foi prevista para 2011 e o final para 2014. Inicialmente, o projeto do gasoduto Nabucco seria suprido somente com o fornecimento de gás dos campos iranianos no Golfo Pérsico. Em 2006, em conexão com o conflito sobre o programa nuclear iraniano, foi decidido mudar o projeto de forma a poder fornecer gás do Turcomenistão, Uzbequistão e Azerbaijão. Depois disso, o Irã iniciou a construção independente de um gasoduto até a fronteira com a Turquia. O projeto, avaliado em US $ 1,6 bilhão, sugeriu que o gás iraniano seria entregue à Turquia para posterior venda aos consumidores europeus. Posteriormente, a implementação do Nabucco foi adiada devido a divergências com potenciais exportadores de combustível[2]. Por esse motivo, as datas de lançamento do projeto foram adiadas para 2018 e, em 2013, foi decidido abandonar completamente este projeto.

A maior prioridade para o fornecimento de alternativas ao combustível russo na União Europeia tornou-se o gasoduto Trans-Adriático[3]. Este pipeline projetado para o transporte de gás natural do Mar Cáspio e do Oriente Médio para a Europa Ocidental. De acordo com os planos de seus incorporadores, supõe-se que o gás fluirá através do gasoduto transadriático passando pela Rússia – da região do Mar Cáspio até o norte da Grécia, Albânia, Mar Adriático (parte marítima) até o sul da Itália, onde o gasoduto será conectado à rede de fornecimento de gás existente. A rota do comprimento do gasoduto de 520 km. O desenvolvimento do projeto pertence a três empresas – a suíça EGL, a norueguesa Statoil e a alemã E.ON Ruhrgas. A capacidade estimada do gasoduto é de 10 bilhões de metros cúbicos por ano, com a possibilidade de aumentar a capacidade de produção para 20 bilhões.

Em setembro de 2014, o presidente da República Islâmica, Hassan Rouhani, disse a seu homólogo austríaco Heinz Fisher, à margem da Assembléia Geral da ONU, que ” à luz do conflito russo-ucraniano, o Irã oferece à Europa uma fonte confiável de gás “[4]. O governo de Teerã está pronto para exportar suas ricas reservas de gás através da Áustria para a Europa. A resposta da Europa não demorou a chegar. O desejo dos europeus de encontrar uma alternativa séria ao gás russo é um fator poderoso na política econômica européia. Conforme relatado pela Reuters, a União Europeia está considerando seriamente a questão do fornecimento de gás do Irã.

“O Irã está entre as nossas principais prioridades como uma das medidas de médio prazo que ajudará a reduzir a dependência do fornecimento de gás russo. O gás iraniano pode fluir facilmente para a Europa. Houve uma clara aproximação política entre Teerã e o Ocidente “

Imediatamente após as declarações oficiais das principais autoridades iranianas, representantes de empresas européias começaram a visitar ativamente a república para discutir possíveis rotas de exportação de gás.

Inicialmente, o lado iraniano considerou o gasoduto turco como a melhor opção para abastecer com seu combustível azul. No entanto, não há infra-estrutura de gasoduto suficientemente desenvolvida nesta região. A capacidade do já existente gasoduto turco Tabriz-Ankara não permite bombear grandes quantidades de combustível[5]. Neste momento, várias outras opções para entregar gás iraniano à Europa foram discutidas: através da Síria, do Iraque, do Mar Negro e do Cáucaso. Além disso, foi proposta a opção de trânsito de gás para a Europa utilizando petroleiros.

Naturalmente, o surgimento de um importante novo fornecedor de gás teria inevitavelmente causado uma queda significativa nos preços mundiais do gás. Não só os consumidores de combustível azul, mas também todas as forças políticas que se opõem à Rússia estão interessadas nisso. A intensificação das negociações sobre o Irã coincidiu com uma queda acentuada nos preços mundiais do petróleo, razão pela qual o governo russo teve que ajustar substancialmente o orçamento. A queda nos preços do gás só agravaria a situação. Para entender a situação, deve ser lembrado que, em 2014, a Rússia enfrentou um complexo de impacto sobre o preço devido as sanções econômicas. Por um lado, uma série de proibições econômicas sobre o fornecimento de vários produtos foi imposta contra o país, restrições foram impostas a uma série de companhias russas, muitos acordos econômicos foram encerrados e redefinidos, Por outro lado, a Opep, sob pressão dos Estados Unidos, reduziu drasticamente o preço do ouro negro.

Tudo isso levou a sérios prejuízos financeiros para a Rússia e um aumento significativo nos preços de bens e serviços dentro do país. Muitos especialistas estão falando seriamente sobre a próxima crise econômica. É precisamente para exercer a máxima pressão possível sobre a Rússia que o Ocidente planejava usar o Irã. Esta é a única razão pela qual em 2014 este país recebeu uma série de indulgências da União Europeia.

O Irã, como nos séculos passados, de acordo com os planos do Ocidente, se tornaria um instrumento de influência na Rússia. No passado este país fosse usado somente em termos militares, agora planejava-se usar seu potencial de recursos. Não se esqueça que este país é o maior do mundo em termos de reservas de gás. Hoje, a República Islâmica produz cerca de 160 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. Todo este volume vai cobrir as necessidades do mercado interno. No entanto, de acordo com especialistas, até 2020, Teerã pode aumentar a produção para 215 bilhões de metros cúbicos por ano e começar a exportar combustível. Em conjunto de medidas com a possível perspectiva de expulsar a Rússia dos negócios de gás da Europa, as atitudes em relação ao Irã do Ocidente mudaram radicalmente. Imediatamente começaram a falar sobre o levantamento de várias sanções anti-Irã. Houve avanços significativos na questão do programa iraniano do átomo pacífico. Os seis maiores negociadores internacionais e o Irã concordaram em 2015 que 2/3 das instalações de enriquecimento de urânio do Irã ficariam suspensas por dez anos. O Irã também promete colocar todos os seus programas de enriquecimento de urânio sob controle internacional. Em resposta, a comunidade internacional prometeu levantar todas as sanções contra o Irã[6].

Este desenvolvimento é extremamente benéfico para os países europeus, no entanto, causou sérias preocupações por parte dos Estados Unidos e seus aliados – Turquia, Qatar e Arábia Saudita. O fato é que depois de calcular a rentabilidade e as capacidades técnicas, o lado iraniano decidiu escolher o caminho do fluxo de gás através da Síria ou do Mar Negro. Nesta situação, a Turquia não gostou que o fluxo principal de gás iraniano não flua através de seu território, e as próprias campanhas americanas vêem a Europa como uma opção de exportação para seu gás de xisto. Mas, acima de tudo, os vizinhos árabes do Irã, Qatar e Arábia Saudita, estão insatisfeitos com o desenvolvimento dos eventos e querem ter acesso direto ao mercado europeu.

Para entender as origens da crise político-militar na Síria e a verdadeira causa da guerra neste país, precisamos voltar a 2011, quando em julho os governos da Síria, Irã e Iraque assinaram um acordo histórico de energia em gasodutos. O gasoduto, com um custo estimado de US $ 10 bilhões e um período de construção de três anos, deveria passar do porto iraniano de Assaluye, no campo de gás South Pars, no Golfo Pérsico, para Damasco, na Síria, em território iraquiano. Pela primeira vez, foi estipulado usar esse espaço estratégico que vai do Irã ao Iraque, Síria e Líbano. Como disse o correspondente do Asia Times, Pepe Escobar, “ o gasoduto Irã-Iraque-Síria ocupará o eixo predominantemente xiita do cordão umbilical econômico e de aço ”[7].

A implementação bem-sucedida deste projeto mudaria significativamente o equilíbrio de poder na região e seria uma nova etapa do jogo geopolítico no Oriente Médio. Além disso, a Rússia interveio nas negociações sobre a venda de hidrocarbonetos do Oriente Médio, tendo recebido sua parcela substancial de influência. Pouco depois de assinar um tratado com o Irã e o Iraque, em 16 de agosto de 2011, o ministro do Petróleo sírio no governo de Bashar al-Assad anunciou a abertura de um poço de gás na região de Kara, no centro da Síria, no distrito de Homs. Assumiu-se que a empresa russa Gazprom seria o principal investidor ou operador de novos campos de gás na Síria. O Irã planejava estender o gasoduto de Damasco até o porto libanês no Mediterrâneo, de onde o gás deveria ser entregue ao gigantesco mercado europeu[8].

Deve-se notar que, ao mesmo tempo, projetos semelhantes foram oferecidos pelo Qatar, que queria conduzir suas linhas de gás de seu campo Severnoye através da Síria e Turquia para a Europa, mas esta proposta foi categoricamente rejeitada pelo presidente sírio B. Assad com referência às relações amigáveis ​​de longa data da Síria com a Rússia[9]. A recusa do líder sírio tornou-se um sério problema para a implementação dos planos de negócios do Qatar, que quer conquistar sua fatia no mercado europeu. Além disso, o Qatar também tem gás natural suficiente e sua liderança gostaria de participar ativamente da luta pelos mercados de vendas[10].

A atividade do Irã na indústria do gás e a intratabilidade do líder sírio tornaram-se o principal leitmotiv do Ocidente, do Qatar e da Arábia Saudita no desencadeamento de um conflito militar civil na Síria. É por isso que o Qatar é um dos patrocinadores ativos da chamada oposição síria e, mais tarde, dos militantes do Estado Islâmico. Ao desencadear e apoiar um conflito militar na Síria, as principais potências a gás na região perseguem uma série de objetivos. O máximo dos quais é a derrubada de B. Assad e o estabelecimento de um líder novo e mais complacente em seu lugar, que permitirá que projetos de gás e petróleo sejam implementados no Qatar e na Arábia Saudita. Em caso de falha, o resultado multi-vetorial da tecnologia do caos gerenciado interromperá os planos de gás do Irã e abandonará as reivindicações para o mercado europeu.

Atenção deve ser dada ao fato de que o ex-primeiro-ministro do Iraque, Nur al-Maliki, declarou repetidamente que a Arábia Saudita e o Qatar representam o Estado Islâmico. A respeitável imprensa européia e americana repetidamente citou evidências indiretas de que as monarquias do Golfo Pérsico realmente ajudaram o Estado Islâmico a se erguer. Por exemplo, de acordo com o material do The New York Times, publicado no ano passado, grandes quantidades de fundos privados no Golfo Pérsico foram alocados aos islamitas para a guerra com os regimes no Iraque e na Síria. O artigo até citou o nome de um desses “patronos” – o empresário kuwaitiano Ghanim al-Matiri, que ativamente e sem se esconder de qualquer um que envia dinheiro para os islamistas que lutam contra o regime de Assad. Até mesmo o montante de 2,5 mil dólares por pessoa foi citado. Segundo especialistas, os chefes de fundações privadas desfrutam do sistema relativamente “democrático” do Kuwait e do controle governamental sobre suas atividades.

Theodore Karasik, um especialista da Risk Insurance Management, com sede em Dubai, observa que os fundos que chegaram aos islamistas do Qatar se tornaram “grãos semeados por fundos não governamentais antes que o Estado Islâmico viesse a operar no Iraque”. Na edição americana do Daily Beast neste verão, um artigo apareceu intitulado “US Allies Sponsoring ISIL”, o autor do qual também alegou que no alvorecer de sua existência, “Estado Islâmico” foi assistido por cidadãos ricos de países como Arábia Saudita, Kuwait e Qatar[11].

Analisando o sistema mais complexo de interesses financeiros dos países do Oriente Médio, não é de surpreender que o Qatar realize parte do trabalho para destruir o estado sírio e iraniano. Uma parte significativa do gás do Qatar e do Irã vem do campo de Severnoye – South Pars. Este campo está localizado no território em parte pertencente ao Catar e em parte pelo Irã. E se o Catar for capaz de tirar o Irã do caminho (ou desviá-lo por meio de ações militares contra militantes de organizações terroristas), então ele poderá obter parte do gás do território adjacente para si. Além disso, Qatar busca para derrubar a liderança síria para pavimentar pela Síria e Turquia aos seus gasodutos para a Europa[12].

Uma situação semelhante ocorre com outro participante poderoso no mercado de hidrocarbonetos – a Arábia Saudita, que está se esforçando para aumentar significativamente seu suprimento de petróleo para a União Européia. Em outubro de 2015, os sauditas anunciaram o início do fornecimento de petróleo para a Polônia, para que o chefe da maior empresa petrolífera russa Rosneft, I. Sechin expressou sérias preocupações, apontando que os fornecedores árabes estão “praticando fortemente o dumping”. Importadores e refinadores europeus confirmam que a Arábia Saudita oferece seu petróleo com descontos significativos, o que torna seu petróleo mais atraente do que o petróleo russo.

Na década de 1970, a Arábia Saudita forneceu metade de seu petróleo para a Europa, mas a União Soviética construiu oleodutos para exportar petróleo de seus campos mais ricos na Sibéria Ocidental, e os sauditas mudaram para os mercados asiáticos, onde a demanda começou a crescer e a preços mais favoráveis. A participação da Arábia Saudita no mercado europeu de petróleo bruto continuou a diminuir. Em 2009, caiu para um mínimo de 5,9%, enquanto a participação da Rússia aumentou em 2011 para 34,8%. Nos últimos anos, a Arábia Saudita aumentou gradualmente sua presença no mercado ocidental, e em 2013 sua participação foi de 8,6%, mas nunca tentou testar suas chances no mercado polonês. Como a maioria dos países da Europa Central e Oriental, A Polônia comprou por muito tempo petróleo de empresas petrolíferas russas e apenas uma pequena parte importada do Cazaquistão e de países europeus. No entanto, a Polônia é um dos países que mais ativamente procura reduzir a dependência da UE dos recursos energéticos russos[13].

Note-se que nos últimos anos, a Rússia para a Arábia Saudita tornou-se um sério concorrente nos mercados de hidrocarbonetos asiáticos.

Por exemplo, em maio de 2015, o volume de entregas de petróleo bruto russo excedeu mesmo as exportações de petróleo da Arábia durante um determinado período. Agora, quando os sauditas estão travando uma brutal guerra de preços por sua participação de mercado – e não apenas com as empresas americanas que produzem petróleo de xisto, mas também com todos os países fornecedores que não são membros da Opep – eles estão entrando no mercado tradicional de petróleo russo[14]. E a Arábia Saudita não pretende parar por aí. Para alcançar os objetivos, este país não é mais suficiente para exportar seu petróleo apenas com a ajuda de navios-tanques, são necessários dutos troncais, que só podem ser lançados pela Síria. E novamente, o regime sírio de B. Assad se torna a pedra angular dos sauditas, assim como os interesses da Rússia e do Irã na região do Oriente Médio.

É no contexto do confronto dos negócios globais na luta pelos mercados de hidrocarbonetos, é necessário considerar a situação com um forte colapso dos preços mundiais do petróleo. Segundo vários especialistas, essa queda foi causada pelos principais produtores da Opep e, acima de tudo, pela Arábia Saudita, causada não só pela necessidade de desenvolver novos mercados mundiais, mas também pelo desejo de pressionar o Irã e a Rússia para que este deixasse de apoiar B. Assad na Síria. Não se esqueça que mais de 50% das receitas da Rússia provêm das vendas de petróleo e gás para exportação. A manipulação dos preços do petróleo entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita visa desestabilizar uma série de fortes oponentes da política americana de domínio global.

Os alvos de desestabilização incluem o Irã e a Síria, ambos aliados da Rússia. Segundo especialistas, Essa estratégia lembra a situação em 1986, quando os Estados Unidos, juntamente com a Arábia Saudita, inundaram o mundo com petróleo saudita, o que causou uma queda dos preços abaixo de US $ 10, prejudicando a economia da União Soviética e de seu então aliado Hussein no Iraque. Isso, a longo prazo, contribuiu para o colapso do país dos soviéticos. Hoje, calcula-se que a queda das receitas do petróleo na Rússia, multiplicada por sanções pontuais seletivas, desenvolvidas pela Agência de Contraterrorismo e Inteligência Financeira do Tesouro dos EUA, pode criar condições para desestabilizar a situação dentro do país[15].

Voltando ao papel geopolítico do Irã, deve-se notar que, devido a suas poderosas políticas protecionistas, quase todos os setores de petróleo e gás do Irã estão sob o controle total do Estado e as receitas da produção de petróleo e gás não são bombeadas para os bancos ocidentais, mas servem ao povo iraniano. Aparentemente, esta é uma das razões para o ódio dos países ocidentais por este país e seu regime. Além disso, as medidas restritivas unilaterais dos Estados Unidos e dos países da União Européia sob seu controle forçaram as grandes companhias internacionais de energia a se recusarem a investir no setor energético da República Islâmica. Naturalmente, tal situação com um Irã intratável não serve nem para o governo nem para as grandes empresas de energia dos EUA, cuja principal tarefa é controlar toda a cadeia de produção e transporte de recursos energéticos. Todo o ciclo de petróleo e gás está sob o controle das campanhas americanas. É nas bolsas de valores americanas que os preços do petróleo são determinados, os pagamentos de ouro negro são feitos por meio de bancos americanos e em dólares americanos.

A entrada do Irã no mercado europeu de energia, preocupa o Ocidente pelo fato de que a Rússia desempenha um papel significativo na indústria de gás da República Islâmica. A reaproximação de companhias de gás e petróleo iranianas e russas tem sido observada desde a época do bloqueio prolongado das sanções ao Irã. Quando em condições os EUA fizeram todo o possível para cortar o fluxo de investimento no Irã, introduzindo sanções contra empresas e bancos que cooperam com o Irã. A este respeito, o Irã começou a trabalhar ativamente com o russo “Gazprom”. Um dos projetos conjuntos significativos foi o gasoduto Irã-Paquistão, no qual a Rússia estava pronta para investir – cerca de US $ 1,5 bilhão. Foi a Rússia que estava interessada em uma resolução positiva da questão de um acordo nuclear com o Irã, uma vez que isso permitiria promover com sucesso os interesses econômicos russos neste país, mesmo que tenhamos que competir com empresas ocidentais lá. No entanto, em termos estratégicos, é pouco provável que o Irã mude suas prioridades da Rússia para o Ocidente, uma vez que o atual regime da República Islâmica não está inclinado a confiar na União Européia, e especialmente nos Estados Unidos. Isso se reflete tanto na posição dos políticos quanto entre as elites iranianas, que estão confiantes de que os países ocidentais, ao contrário da Rússia, nunca serão simpatizantes sinceros do Irã. Graças a essa cooperação, haverá uma excelente oportunidade para que a experiência no campo das tecnologias modernas na indústria do gás seja ainda mais aprimorada e produtiva, pois ambos os países têm um potencial e oportunidades imensas que são desejáveis ​​e repassam uns aos outros, pois isso é benéfico para todos.

No contexto dos eventos atuais, é necessário abordar a questão dos interesses financeiros das empresas americanas globais. Desde o início de 2014, a comunidade de especialistas e depois a mídia começaram a discutir ativamente o problema do gás de xisto, sua capacidade de produção e perspectivas. Tal campanha informativa ativa não foi acidental, na grande geopolítica não há nada aleatório. Os Estados Unidos da América, ou melhor, suas grandes empresas envolvidas na extração e venda de gás de xisto, começaram a pressionar ativamente seus interesses a fim de obter permissão para exportar seus produtos. Agora, o mercado europeu tornou-se para os magnatas americanos do petróleo uma das zonas de interesses financeiros. Presidente dos EUA, Barack Obama anunciou sua disposição para permitir a exportação de gás natural em volumes que são necessárias para as necessidades diárias da Europa.

“Estamos prontos para permitir a exportação de gás natural em tais quantidades diárias, em que a Europa usa diariamente”[16], – disse o presidente americano, falando em Bruxelas em uma conferência de imprensa após a cúpula EUA-UE.

Naturalmente, esta proposta foi apresentada pelo lado americano, apenas como uma benção para os europeus e a oportunidade de se livrar da necessidade de comprar gás russo. É por isso que, imediatamente após os eventos da Crimeia em 2014, uma onda de informação foi organizada na mídia européia, causando pânico e histeria sobre o possível fechamento do gás pela Rússia no contexto de confrontos de sanções[17]. Não se esqueça das leis extremamente simples da psicologia humana: criar uma imagem de um inimigo comum na mente do seu parceiro, é muito mais fácil transmitir e depois realizar seus interesses. Então os americanos declararam sua disposição de fornecer quantidades ainda maiores de combustível para o mercado europeu: Entendemos que o fortalecimento das sanções terá um impacto diferente em diferentes países, incluindo os países da UE, alguns deles dependem mais do combustível russo, e levamos isso em conta. Agora podemos exportar gás natural em volumes que excedem o consumo na Europa ”, disse B. Obama[18]. No entanto, uma coisa é declarar a disposição de fornecer energia para outro continente, e a outra é realmente implementá-la na prática. E aqui para empresas americanas há algum problema técnico. Hoje, os Estados Unidos não têm a infra-estrutura de exportação necessária, sem a qual o suprimento da Europa com combustível azul é simplesmente impossível, já que terminais de processamento de gás para uso doméstico nos Estados não são adequados para exportar combustível, outros equipamentos e logística de transporte são necessários. Vários anos atrás, o Departamento de Energia dos EUA autorizou a construção de seis instalações de processamento de gás natural liquefeito para exportação. No entanto, sua construção leva tempo. Tudo isso não permite que os americanos pratiquem exportações de gás em grande escala para a Europa.

As dificuldades técnicas não são o único obstáculo para as empresas americanas entrarem no mercado europeu. Atualmente, há uma proibição da exportação de hidrocarbonetos nos Estados Unidos, e se as autoridades americanas conseguirão chegar a um rápido acordo para levantar essa proibição é uma grande questão. Nos EUA, há um lobby industrial bastante sério – empresas petroquímicas nacionais que se opõem à exportação de recursos energéticos do país. O fato é que o levantamento da proibição da venda de gás no exterior levará a um inevitável aumento de preços no mercado doméstico norte-americano. O baixo custo da energia dá aos fabricantes americanos a oportunidade de modernizar e garantir uma chance de altas taxas de crescimento. Neste confronto, o resultado ainda não é conhecido, cujos interesses quem vai ganhar – exportadores ou industriais nacionais. Embora um certo compromisso entre eles não seja apenas possível, mas também natural, uma vez que os interesses financeiros dos exportadores americanos de combustível azul encontrarão forte apoio nos círculos políticos dos EUA. Toda a política nacional dos americanos é construída sobre a dominação global do mundo e, portanto, visa eliminar ou pelo menos enfraquecer as posições da Rússia e de outros concorrentes no setor de energia no espaço europeu.

Falando de gás de xisto, deve notar-se que a própria Europa possui vastas reservas desses recursos, mas isso não lhe permitirá ganhar independência de energia a partir da importação de combustível azul. Isto deve-se ao facto de os depósitos de gás de xisto europeu se encontrarem a uma profundidade muito grande.

Nos EUA, o gás de xisto está a uma profundidade de várias centenas de metros e na Europa – ao nível de um quilômetro ou mais. Além disso, na Europa, a estrutura das rochas não é muito favorável para sua produção, o que inevitavelmente causará altos custos. Há também o risco de que campos abertos possam ser rapidamente esgotados. Uma situação semelhante ocorreu na Polônia, quando inicialmente parecia haver enormes reservas lá, mas depois que vários poços foram feitos e a produção começou na superfície, o nível de combustível azul diminuiu muito rapidamente, e o xisto diminuiu. E a vazão de gás realmente parou. Até agora, na Europa, não houve perfuração bem-sucedida[19].

Deve-se notar que, apesar dos esforços das empresas americanas para influenciar seus interesses de gás na Europa, por um lado, e tentar estabelecer sua própria produção de gás de xisto no outro, as potências europeias não estão com pressa de recusar o gás russo. Esta posição é absolutamente racional e equilibrada. O fato é que o custo do combustível de xisto é muito maior do que o normal. O gás e o óleo são extraídos da rocha estratificada usando tecnologias complexas e caras: perfuração horizontal, fraturamento hidráulico de xisto e, às vezes, simulações de terremotos (modelagem sísmica). Muitas vezes, praticamente não há exploração geológica confiável nessa área, e a única coisa que pode ser feita é realizar a perfuração de teste dos poços, o que novamente aumenta os custos. O custo médio da produção de óleo de xisto é de US $ 30-50. por barril. E o que é extraído da maneira tradicional na Rússia, em média, é de US $ 5[20]. Além disso, a tecnologia de liquefazer o gás e, em seguida, liquefazê-lo, e só desta forma, é possível entregar gás americano em navios-tanque à Europa, levará a perdas sérias de gás e a custos ainda mais altos. Assim, para a economia europeia, o gás natural fornecido através de gasodutos é ainda mais preferido como o mais barato. E em virtude do fato de que tais reservas na própria Europa não são significativas, estas continuarão a permanecer na dependência energética das exportações. E a questão é apenas qual dos países ocupará uma posição de liderança nesse segmento de mercado. No momento, a Europa consome cerca de 480 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. Destes, um terço (cerca de 137 bilhões de metros cúbicos) é produzido por si só, outro terço (150 bilhões de metros cúbicos) é comprado da Rússia, e o restante é coletado de outras regiões (África, América e Oriente Médio)[21].

Mas voltando ao papel dos Estados Unidos. Mesmo se assumirmos que o lado americano pode lidar com dificuldades técnicas e logísticas, o gás americano ainda assim não é  benéfico para a Europa. Isso se deve ao fato de que na costa oeste do novo mundo não há um número necessário de terminais de recebimento de gás e, mais importante, não há infraestrutura correspondente. A rede de gasodutos europeus não está conectada a eles. De fato, toda a rede de gasodutos na Europa não é construída na direção oeste-leste, mas na direção leste-oeste. A alteração deste sistema é um procedimento bastante complicado e dispendioso. Naturalmente, todos os custos devem ser um fardo pesado para os contribuintes europeus. Mesmo se imaginarmos que os europeus fizeram de tudo, e o gás de xisto começou a fluir nos canos dos europeus da América, seu custo devido a custos técnicos objetivos seria 50% mais caro do que o que a Rússia atualmente fornece. É claro que, nas condições atuais, os europeus não estão dispostos a sacrificar esse orçamento em nome desses interesses americanos. A fim de convencer um número de líderes europeus a celebrar contratos com empresas de gás dos Estados Unidos, os Estados Unidos simplesmente precisam ter uma pior situação econômica e social na Europa e politicamente piorar as relações com a Rússia. Só nessas condições o lado americano tem esperanças de sucesso. E a situação difícil com os muitos milhares de refugiados na Europa, forçando um complexo de problemas sociais, confrontos étnicos e culturais em vários países do Velho Mundo, é vista como uma continuação da tecnologia inteligentemente planejada de caos controlado. A instabilidade no Oriente Médio e nas fronteiras da Europa (ou mesmo dentro dela) deve continuar por vários anos, pelo menos até que as empresas americanas consigam estabelecer sua infraestrutura técnica e indústria de gás, caso contrário o mercado europeu estará fechado para elas e o Sindicato Transatlântico simplesmente não será viável. Se levarmos em conta que as campanhas americanas estiveram envolvidas na luta pelo mercado europeu em 2014 e precisaram resolver problemas técnicos por pelo menos 5 anos, então mudanças na situação política de instabilidade ao longo do perímetro da União Européia podem ser esperadas até 2020. Já vemos que a mídia mundial se tornou menos propensa a falar sobre a multidão de imigrantes do Oriente Médio e, com a chegada do novo presidente da Ucrânia, uma série de especialistas depositou esperanças em acabar com a guerra no Donbass e estabilizar a situação.

Falando sobre a luta global de negócios internacionais para o mercado europeu, é necessário entender que a Rússia não pode ter aliados neste confronto. O Ocidente, representado pela União Européia e pelos Estados Unidos, os Emirados Árabes, o Qatar e até o Irã estão interessados ​​em expulsar a Rússia dessa zona de mercado. Enquanto as campanhas americanas não atingirem seus interesses ou mudarem seus planos, a Rússia terá oposição em todos os lugares e problemas na construção de seus oleodutos. A guerra na Ucrânia em 2014 e a interrupção da construção do South Stream, que foi criado pela Rússia para diversificar o fornecimento de gás natural russo para a Europa, é uma conseqüência direta. O ex-chanceler alemão Gerhard Schroeder, em uma reunião de círculos empresariais russos-europeus em Moscou, declarou diretamente que “A União Européia procurou evitar a construção do South Stream por todo o caminho, primeiro com a ajuda do Nabucco, que acabou sendo enterrado devido aos riscos associados a ele, depois com a ajuda de truques burocráticos ”[22]. E de muitas maneiras, o Ocidente conseguiu atingir seus objetivos, em 1 de dezembro de 2014 V. Putin disse que a Rússia estava se recusando a construir o South Stream por causa da posição não construtiva da União Européia no gasoduto. No mesmo dia, foi assinado um memorando de entendimento entre a Gazprom e a corporação turca Botas Petroleum Pipeline Corporation para a construção de um gasoduto offshore pelo Mar Negro, em direção à Turquia[23]. Foi assim que surgiu o projeto da corrente turca. E em 27 de janeiro de 2015, após a reunião em Ancara, o chefe da Gazprom, A. Miller, e o Ministro de Energia e Recursos Naturais da Turquia, T. Yildiz, identificaram uma rota[24]. A aparição do projeto da corrente turca em tão pouco tempo deve ser considerada o sucesso da Rússia, mas deve-se entender claramente que as perspectivas de implementação real dessa iniciativa ainda são bastante vagas. A experiência das guerras do gás mostra que apenas o fluxo de gás concluído e comissionado pode ser considerado um sucesso completo, tudo o mais é apenas expectativas caras que podem não ser concretizadas na prática. Se a corrente turca não for implementada, a Rússia terá que reforçar seu papel na indústria de gás iraniana. Neste caso, a Rússia precisa finalmente derrubar os militantes Estado Islâmico da Síria e do Iraque e alcançar a estabilidade militar na região. Se o Ocidente conseguir prolongar o conflito militar na Síria e no Iraque e assim implantar os fluxos de gás do Irã para a China, e isso pode reduzir nossos interesses no segmento de mercado chinês. É por isso que é de vital importância para a Rússia não apenas retornar à grande geopolítica, fazer uma declaração significativa de seus interesses, mas também promover a paz na Síria.

Muitos economistas concordam que gradualmente a era do petróleo no mundo está chegando ao fim, pois nos próximos 250 anos, a indústria mundial da energia estará ligada ao gás. Portanto, é bastante lógico que as corporações transnacionais e as tropas dos países ocidentais gradualmente controlem toda a cadeia de gás: os locais de sua extração, as formas de transporte, a determinação de seu preço no mundo e a condução dos assentamentos globais para o gás. É por isso que a guerra pelo gás e suas rotas de transporte levaram as potências ocidentais a escalar o conflito civil na Síria e depois apoiar os militantes do Estado Islâmico. O gás é fornecido ao mercado principalmente através de gasodutos, e o papel do gás nas economias dos países que o consomem é muito grande. Isso liga os consumidores de gás aos países fornecedores muito mais do que aos consumidores de petróleo. Mas a infraestrutura e as regras do mercado de gás nas últimas décadas evoluíram sem a participação dos EUA. Portanto, hoje os EUA estão enfrentando uma tarefa vital, ou conseguirão ocupar as regiões de produção de gás e suas rotas de transporte, ou perderão seu peso no mundo. O controle da Síria é tão importante para o Ocidente, porque enormes reservas de gás natural foram descobertas recentemente no Mediterrâneo Oriental. Por exemplo, no campo de Tamar – 250 bilhões de metros cúbicos, e no campo do Leviatã – 600 bilhões de metros cúbicos. Estes campos de gás submarinos estão localizados ao largo da costa da Síria[25] onde enormes reservas de gás natural foram descobertas recentemente no Mediterrâneo Oriental. Assim, este país, juntamente com outros países costeiros, torna-se co-proprietário de tremenda riqueza, que o Ocidente procura controlar e obter lucros. Além disso, a Síria é um centro de armazenamento e produção de gás no Mediterrâneo Oriental. Portanto, pode-se dizer com total confiança que quem controla a Síria está em grande parte ditando as regras não apenas da geopolítica moderna na região, mas também do jogo financeiro global.

1 Teerã propõe que a UE substitua o gás russo pelo iraniano. Modo de acesso: //www.aif.ru/money/economy/1314302 (data de circulação 07/07/2019).

2 Acionistas da Nabucco não ousaram estender uma filial para o Irã. Modo de acesso: //www.rbc.ru/economics/23/08/2010/454659.shtml (data de apelação 07/07/2019). (data de circulação 07.07.2019); O Irã começou a construir seu primeiro gasoduto para a Europa [recurso eletrônico]. Modo de acesso: //www.rbc.ru/economics/07/06/2010/417878.shtml (data de apelação 07/07/2019).

3 Gasoduto trans-adriático: a primeira fronteira é superada. Modo de acesso: //www.dw.com/ (data de apelação 07/07/2019).

4 O Irã oferece à Europa a exportação de gás natural. Modo de acesso: //www.dw.com/ru/D0%B0/a-17954056 (a data do recurso 07/07/2019).

5 O renascimento de Nabucco. O Irã poderá substituir o gás russo pela Europa. Modo de acesso: //www.aif.ru/money/economy/vozrozhdenie_nabukko_smozhet _li_iran_ zamenit_evrope_rossiyskiy_gaz (data de apelação 07/07/2019).

6 S. Filatov: Por que o Irã está urgentemente impondo sanções? Modo de acesso: //www.liveinternet.ru/users/moskit_off/post358658576/ (data de apelação: 16/10/2015); O levantamento das sanções promete à Rússia uma forte onda de comércio com o Irã [recurso eletrônico]. Modo de acesso: //www.putin-today.ru/archives/13695 (data de apelação 07/07/2019).

7 Conluio dos EUA e sauditas na Síria. Modo de acesso: //so-l.ru/news/show/sgovor_ssha_i_sauditov_po_sirii_vs (data de apelação 07/07/2019).

8 Acordo secreto saudita-americano sobre a Síria e a guerra de oleodutos e gasodutos. Modo de acesso: //mixednews.ru/archives/67225 (data de apelação 07/07/2019).

9 Alerta de gás da Rússia. Gasoduto do Catar para a Europa através da Síria. Modo de acesso: http: //www.svob-gazeta.ru/blogs/komu-na-rusi-zhit-horosho/gazovoe-preduprezhdenie-rossii-gazoprovod-iz-katara-v-evropu-cherez-si … ( data de aplicação 07/07/2019).

10 De acordo com o Banco Nacional do Catar, as reservas comprovadas de gás natural no país chegam a 25,06 trilhões. metros cúbicos. Especialistas estimam: tais reservas permitem que um pequeno estado produza gás nos atuais volumes consideráveis ​​nos próximos 160 anos.

11 Bratersky A., Matveeva P. milhões de terroristas. Modo de acesso: //www.gazeta.ru/politics/2014/10/29_a_6281277.shtml (a data do recurso 07/07/2019).

12 Pars Norte / Sul – o campo de petróleo e gás supergigante, o maior do mundo. Localizado na parte central do Golfo Pérsico nas águas territoriais do Qatar (norte) e Irã (South Pars). Pars norte e sul são separados por uma falha tectônica. Ambos são depósitos independentes de diferentes idades. As reservas de Pars Norte / Sul são estimadas em 28 trilhões. m³ de gás e 7 bilhões de toneladas de petróleo (45 bilhões de barris). Vysotsky I.V., Olenin V.B. Bacias de petróleo e gás de países estrangeiros. M., 1990.

13 Arábia Saudita e Rússia: A guerra do petróleo. Modo de acesso: //monavista.ru/news/saudovskaya_araviya_i_rossiya_voyna_za_neft_bloomberg_ssha/ (data de apelação 07/07/2019).

14 Assim, durante o primeiro semestre de 2015, a Arábia Saudita aumentou drasticamente seu suprimento de petróleo para a Europa. Em média, apenas os países europeus eram entregues diariamente a 1,01 milhão de barris, o maior valor desde 2006; 7 milhões de barris por dia.

15 Acordo secreto saudita-americano sobre a Síria e a guerra de oleodutos e gasodutos. Modo de acesso: //mixednews.ru/archives/67225 (data de apelação 07/07/2019).

16 Obama: Os EUA estão prontos para exportar gás nos volumes necessários para a Europa. Modo de acesso: //www.aif.ru/money/market/1132700 (data de apelação 07/07/2019).

17 Como a Europa pode sair das garras do gás russo? (“Slate.fr”, França) [Recurso eletrônico]. Modo de acesso: //inosmi.ru/europe/20140812/222302191.html (a data do recurso 07/07/2019); A UE prepara-se para a possível cessação do fornecimento de gás da Rússia (“Deutsche Welle”, Alemanha). Modo de acesso: //inosmi.ru/world/20140905/222805143.html (data de apelação 07/07/2019); A Europa prepara-se para uma crise do gás neste inverno (“Le Monde”, França) [Recurso eletrônico]. Modo de acesso: //inosmi.ru/world/20140714/221654153.html (data de apelação 07/07/2019); Como a Europa pode sair das garras do gás russo? (“Slate.fr”, França) [Recurso eletrônico]. Modo de acesso: http: // inosmi.(data de circulação 07.07.2019); Kolos na gazowych nogach [Recurso eletrônico]. Modo de acesso: //www.polityka.pl/tygodnikpolityka/rynek/1586567,1,dlaczego-putin-nic-sobie-nie-robi-z-grozb-zachodu.read (data da apelação 07/07/2019); Gaz: l’Europe peut se dégager de l’étau russe. Modo de acesso: //www.slate.fr/story/90769/gaz-europe-russie-etau (data de apelação 07/07/2019).

18 Gás para cima. A América conseguirá expulsar o combustível russo da Europa. Modo de acesso: //www.aif.ru/money/economy/1133553 (data de apelação 07/07/2019).

19 gás russo, a verdade sobre o gás dos Estados Unidos, feliz suicídio chinês e europeu. Modo de acesso: //inosmi.ru/world/20140908/222853810.html (data de apelação 07/07/2019).

20 “Nós não precisamos de gás de xisto.” Especialistas em energia na Rússia e nos EUA. Modo de acesso: //www.aif.ru/money/economy/1087136 (data de circulação 07/07/2019).

21 Alternativas para petróleo e gás A Rússia não existe mais – então o Maidan vai para Moscou. Modo de acesso: //www.regnum.ru/news/analitics/1880018.html?forprint (data de acesso 07/07/2019); Volatilidade A Europa pode sobreviver sem petróleo e gás russo? [Recurso eletrônico]. Modo de acesso: //www.aif.ru/money/economy/1126548 (data de apelação 07/07/2019).

22 O ex-chanceler da Alemanha citou as razões para parar o South Stream. Modo de acesso: //www.rbc.ru/rbcfreenews/5489bb722ae5961e51f3d4e0 (data de acesso : 10/17/2015).

23 Novo gasoduto para a Turquia. Modo de acesso: //www.gazprom.ru/press/news/2014/december/article208495/ (data de apelação 07/07/2019).

24 A capacidade de quatro linhas de gasodutos será de 63 bilhões de m³ de gás por ano. O gasoduto deve passar 660 km. no antigo corredor do ” South Stream ” e 250 km. no novo corredor na direção da parte européia da Turquia. “

25 G. Vakhitov A construção em larga escala de um gasoduto do Irã para a Síria começou. Modo de acesso: //islam-today.ru/ekonomika/nachalos_masshtabnoe_stroitelstvo_gazoprovoda_iz_irana_v_siriyu/ (data de apelação 07/07/2019).

Fonte: Texto traduzido por OPP do Geopolitika.ru

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − 2 =