O paradoxo global da licença parental

Apesar da licença parental estar se tornando onipresente em todo o mundo, mas as barreiras das culturas do local de trabalho em muitos países continuam impedindo os funcionários – especialmente os pais – de usufruir plenamente desse direito.

Pelo mapa, pode-se observar que os EUA é um dois poucos países em que esse direito trabalhista não é aplicado, mesmo se considerando a maior potência econômica mundial.

A licença remunerada não apenas beneficia as famílias, mas também aumenta a probabilidade de as pessoas ao invés de abandonarem o emprego, retornarem ao trabalho, dizem os especialistas. E nos EUA, à medida que o mercado de trabalho se aperta, políticas robustas de folga para novos pais estão surgindo como uma maneira de atrair talentos.

Enquanto os EUA é um ponto fora da curva, outros países desenvolvidos na Europa e Ásia fazer oferecem licença extensa. Ainda assim, existe uma lacuna entre aprovar leis e realmente garantir as pessoas a tirar licença parental.

Muitas vezes, as empresas nos EUA e em outros lugares enfatizam “colocar a empresa acima de tudo”, diz Kate Weisshaar, professora da UNC, Chapel Hill. “A cultura de um local de trabalho pode contribuir para o trabalhador(a) se sinta seguro em tirar uma licença rápida ou uma licença completa”.

Apenas nesta semana, Shinjiro Koizumi, o ministro japonês do Meio Ambiente, decidiu tirar uma licença paternidade por duas semanas. Essa é a primeira vez que um ministro fez esse tipo de solicitação até hoje. No Japão, os novos pais têm até um ano de folga, mas apenas cerca de 6% dos homens elegíveis que trabalham em empresas privadas o fizeram em 2018, segundo o New York Times .

Em um estudo recente, foi verificado as percepções dos empregadores sobre licença parental, enviando três tipos de currículos e cartas de apresentação para funções abertas: pessoas que atualmente ocupavam empregos, pessoas que declararam que estavam desempregadas devido a demissões e pessoas que disseram ter optado por ficar casa por um tempo para cuidar de crianças.

Os currículos dos pais que ficam em casa tiveram um desempenho pior do que os dos candidatos desempregados, diz o estudo. E os pais eram menos propensos a receber retornos de chamada do que as mães. “Isso envia uma mensagem bastante forte de que os empregadores tem bastante resistência principalmente com os pais “.

Há um forte argumento econômico a ser feito em relação à licença parental – e à paternidade especificamente.

A diferença salarial entre homens e mulheres é exacerbada pelo fato de que as mães devem afastar-se do trabalho e cuidar sozinhas de novos bebês. Poderia diminuir essa lacuna se homens e mulheres recebessem a mesma quantidade de férias.

E, em um novo documento de trabalho do Bureau Nacional de Pesquisa Econômica, os economistas estudaram como a licença parental na Dinamarca – que tem uma das políticas mais generosas, de 52 semanas de folga – afetou os resultados das empresas. E não foram encontrado nenhum impacto econômico. Vale ressaltar, no entanto, que os pesquisadores não examinaram o custo da licença parental paga pelo governo.

“A cultura de valorização da família é uma das comodidades de um emprego”, diz Heather Royer, economista da UC, Santa Barbara e uma das autoras do artigo NBER. “A licença parental para cuidar da família e a aceitação do empregador cria um sentimento de que a empresa valoriza quem está fora do trabalho e que pode tornar as pessoas mais felizes quando estão trabalhando”.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 11 =