O regresso de velhos fantasmas: os EUA à espera da reindustrialização antes da guerra

tanque

Por Ilya Kramnik

O conflito na Ucrânia já proporcionou uma oportunidade para rever muitos dos conceitos e construções nascidos no período intercalar entre o colapso da URSS e o confronto renovado entre as grandes potências. A visão do mundo do futuro como um mundo de guerras exclusivamente locais de baixa intensidade que não requerem tensão econômica significativa e mobilização industrial tem-se revelado demasiado otimista, e as grandes potências estão a rever os seus programas de produção, inclusive em antecipação de conflitos em grande escala envolvendo armas convencionais.

O Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais dos EUA (CSIS) divulgou um relatório, Empty Bins in a wartime Environment: The Challenge to the U.S. Defense Industrial Base numa tentativa de compreender o que está a acontecer no contexto da prontidão industrial de defesa dos EUA para a guerra. Alguns dos resultados e conclusões do relatório são de relevância direta para a Rússia e podem ser de interesse, dadas as hostilidades em curso em grande escala e a escalada de confrontos com os Estados Unidos e os seus aliados, incluindo mas não se limitando à OTAN.

O relatório regista o subfinanciamento crônico da indústria da defesa nos EUA e em muitos dos seus aliados. Observa, em particular, que pode levar muitos anos a aumentar a produção e reabastecer os stocks gastos de armas e munições, e ainda mais tempo para construir novas instalações industriais e de infraestruturas, o que torna necessário tomar decisões rápidas. Ao mesmo tempo, os cortes plurianuais nas despesas militares não só reduzem o número de armas adquiridas per si, mas também implicam a degradação das capacidades industriais, que são reduzidas e desmanteladas na ausência de encomendas. Uma das consequências é que a produção não pode ser aumentada simplesmente através da compra de mais armas; um tal aumento mais cedo ou mais tarde leva a uma escassez de capacidade industrial. O relatório assinala, contudo, que o conflito entre as grandes potências é susceptível de ser uma guerra industrial prolongada que requer uma indústria de defesa forte e resiliente, capaz de produzir grandes quantidades de armas se a dissuasão falhar.

Este tema não é inteiramente novo. A existência da ameaça de uma grande guerra longa e de alta intensidade e a consequente necessidade de mobilizar a indústria da defesa está também presente noutro relatório do CSIS, preparado em 2020 e publicado em Janeiro de 2021, liderado por um dos principais teóricos militares dos EUA de hoje, Mark Kansian. A necessidade de um grande arsenal de armas guiadas de precisão para uma guerra convencional em grande escala contra uma grande potência é também articulada no relatório de investigação de energia aérea de Novembro de 2021 emitido pelo Instituto Michell . Tal como referido pelo autor deste relatório Mark Ganzinger, em caso de colisão com a Rússia ou a China, a Força Aérea Americana enfrentará a tarefa de atingir um grande número (a partir de 100.000) de alvos a diferentes distâncias, o que exigirá um grande arsenal de várias armas de precisão, cuja taxa de produção deverá ser de várias dezenas de milhares de unidades por ano para cada tipo. Ganzinger observa que os Estados Unidos carecem atualmente desta capacidade, principalmente devido ao longo período após a desagregação da União Soviética, durante o qual foram encomendados novos equipamentos em quantidades drasticamente reduzidas em comparação com os planos da era da Guerra Fria.

Voltando ao relatório de Empty Bins, podem-se ver algumas das consequências deste período. Por exemplo, os autores do relatório observam que durante o conflito na Ucrânia, os EUA transferiram para aquele país, em muitos artigos, stocks de armas e munições que excederam a sua produção total nos últimos 20 anos ou mais, o que levou a uma redução acentuada dos stocks dos ativos relevantes.

A crise ucraniana enquanto tal não é o fim do problema. O Empty Bins observa que os EUA poderiam enfrentar uma escassez ainda maior de armas e meios de destruição mais sofisticados e caros no caso de um conflito com uma grande potência como a Rússia ou a RPC. Por exemplo, enfatiza a escassez de armas de longo alcance que permitiriam aos EUA atacar alvos protegidos pela defesa aérea e sistemas de defesa aérea de longe, o que é especialmente importante na fase inicial da guerra. Os autores do relatório acreditam que o arsenal de mísseis convencionais de longo alcance do tipo JASSM, e depois JASSM-ER e LRASM, que foi acumulado desde o final de 1998 e será de cerca de 6.500 até 2025, se esgotará no prazo de oito dias após um conflito contra uma grande potência.

Os autores de Empty Bins citam a falta de contratos a longo prazo de fornecimento de munições como uma das razões da situação, enquanto que tais contratos existem para navios e aviões. Isto leva a uma situação em que os fabricantes limitam os investimentos em instalações de produção adequadas, não estando confiantes de que estes investimentos podem ser justificados por contratos suficientemente grandes. Esta situação aplica-se não só às armas enquanto tal, mas também a uma gama de componentes, desde pilhas e componentes eletrônicos a peças fundidas e produtos de moagem.

Passando à produção de fundição, os autores do relatório notam a sua importância para a indústria da defesa e destacam a liderança da China, cujas peças fundidas anuais ferrosas e não ferrosas são quase cinco vezes superiores às da Índia e dos Estados Unidos, e mais do que uma ordem de grandeza superior à da Rússia, que é o quarto maior produtor de fundição.

Um pouco de digressão dos acontecimentos de hoje, podemos notar que a comparação do potencial defensivo-industrial das grandes potências através da fundição nos remete à lógica das comparações potenciais antes das guerras mundiais, onde a produção de fundição era um dos indicadores mais importantes do poder da economia e da sua capacidade de satisfazer as necessidades do país durante uma grande guerra juntamente com a energia.

Ao considerar os problemas levantados pelos Empty Bins, é de notar o seguinte. Por exemplo, a provável escassez de armas de longo alcance e de alta precisão no caso de um conflito com um adversário próximo ou igual (próximo da velocidade) foi constatada num relatório de Julho de 2009 da United States Aircraft Industries Association. É também muito interessante por direito próprio, notando o fosso crescente entre as exigências militares e a capacidade de as implementar num prazo razoável a um custo razoável. Esta lacuna leva a um aumento acentuado dos custos dos projetos de armamento e equipamento militar modernos e a um aumento do prazo previsto para a sua realização. A Marinha dos EUA está a enfrentar uma situação semelhante. Em Janeiro de 2021, o Almirante Michael Gilday, Chefe de Operações Navais, observou a falácia da abordagem à concepção de novos navios de guerra com enfoque na máxima sofisticação tecnológica.

Ao examinar as capacidades da indústria de defesa dos EUA no confronto antecipado com as grandes potências, não se pode deixar de perguntar qual seria o nível de despesas militares, se o treino de mobilização fosse preparado a uma escala adequada? Atualmente, representa cerca de 3,5% do PIB dos EUA e, como decorre do acima exposto, é insuficiente para satisfazer as necessidades de preparação para uma grande guerra.

Se tomarmos exemplos quando os EUA se preparavam para uma grande guerra, utilizando armas convencionais, o nível excedeu 6,5 por cento, atingindo 6,81 por cento nos anos 80, enquanto nos anos 50, pode ter excedido 10 por cento do PIB.

Deve notar-se que o desenvolvimento da indústria militar durante a Guerra Fria se baseou em grande parte na base muito forte estabelecida durante a Segunda Guerra Mundial, desde uma série de invenções fundamentais desde o radar ao motor a jato até à bomba nuclear, passando pelas instalações de produção que foram operadas muitas décadas mais tarde. Estas instalações foram agora reduzidas ou eliminadas, e o recurso fundamental de pesquisa e desenvolvimento que proporcionou anos de desenvolvimento de armas e tecnologia militar foi esgotado.

Até que ponto isto será suficiente para preparar para um novo confronto, bem como que forma esse confronto assumirá, permanece uma questão em aberto.

Fonte: imemo

Related Posts
A eleição de Trump poderia acabar com a guerra por procuração da OTAN na Ucrânia contra a Rússia?
fotos

Uma solução abrangente para acabar com a agressão e o militarismo dos EUA não é uma mudança de pessoal na [...]

Os europeus são prisioneiros do “centro” político ocidental!
fotos

Ao cristalizar-se num centro monolítico e cada vez mais obsoleto, a “democracia” liberal anuncia a sua morte, escreve Hugo Dionísio.

Análise: País sofre investida conservadora sem precedentes, que supera até distopias da ficção
fotos

Tentativa de urgência na PL 1904 no Congresso revela muito sobre os retrocessos promovidos pela atual [...]

Reflexões de Maio: A multipolaridade é a esperança dos trabalhadores em todo o mundo
fotos

Maio é um dos meses mais importantes do ano. Este mês são comemoradas diversas datas relevantes, a começar pelo Dia [...]

Polêmica: em busca da soberania perdida
fotos

A globalização está em crise. Direita deu-se conta e evoca ideia de nação que se liga a Propriedade, Privilégio e [...]

Explicando a política de Lênin e as ações de Putin na Ucrânia
fotos

O que Putin está fazendo é combater a violação da autodeterminação da Rússia. Ao expulsar a OTAN da Ucrânia, ele [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!