O segundo dia de greve na França

Primeiro dia do movimento, nesta quinta, foi considerado um sucesso pelos sindicatos: 1,5 milhão de manifestantes nas ruas, segundo a Confederação Geral do Trabalho

Greve geral na França levou 1,5 milhão às ruas no país, segundo sindicato. Reprodução.

O segundo dia de greve contra a reforma da Previdência desejada pelo presidente Emmanuel Macron perturba principalmente o setor de transportes na França, nesta sexta-feira (6).

Nove das 14 linhas do metrô de Paris continuam completamente paralisadas, três funcionam parcialmente e apenas as duas linhas automáticas circulam normalmente. O serviço de ônibus é a alternativa para os parisienses que tentam ir ao trabalho. Mas várias linhas são afetadas pelo movimento e os ônibus estão lotados.

O tráfego ferroviário e aéreo também continua perturbado, assim como o funcionamento de creches, escolas e hospitais da rede pública. Sem transporte público, a região parisiense registrou 350 km de congestionamentos nesta manhã.

Balanço positivo dos sindicatos

O primeiro dia do movimento foi considerado um sucesso pelos sindicatos: 1,5 milhão de manifestantes nas ruas, segundo a Confederação Geral do Trabalho (CGT) 800 mil pelos cálculos do governo. O primeiro-ministro, Édouard Philippe, irá anunciar o projeto definitivo da reforma da Previdência na semana que vem. Mas os líderes dos principais sindicatos do país devem realizar novas ações até lá.

A greve nos transportes é anunciada pelo menos até a próxima segunda-feira (09/12). Os sindicatos convocam para a terça-feira (10) uma nova jornada de mobilização nacional. A expectativa de algumas centrais sindicais é que a mobilização seja superior àregistrada ontem. O governo mantém aberta as negociações.

Os grevistas temem que a reforma diminua o valor das pensões. O novo dispositivo pretende adotar um sistema de pontos que equilibra as aposentadorias de acordo com os salários ao longo de toda a carreira, e não apenas nos melhores anos, como ocorre atualmente. O sistema universal proposto pelo governo acaba com a distinção entre regime público e privado.

Aposentadorias limitadas a 14% do PIB

O governo quer manter os gastos com o sistema previdenciário limitados a 14% do PIB. No entanto, a previsão é de que nas próximas três décadas, a massa de aposentados vai aumentar mecanicamente de cerca de 30%. Os franceses que nasceram no período do baby boom, nas décadas de 1960 e 1970, vão entrar no sistema, mas o governo não pretende aumentar a fatia do PIB dedicada ao orçamento da Previdência. Os franceses compreenderam claramente que o poder aquisitivo das aposentadorias vai cair fortemente nos próximos 30 anos.

Em 31 de dezembro de 2018, a França tinha 14.352.420 aposentados.

Do Ópera Mundi

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 12 =