Os Triumphs de Putin e o estupor de Washington

© RIA Novosti / Sergey Malgavko Sistemas de mísseis antiaéreos S-400 “Triumph”. 

Quanto à reação das outras partes interessadas, principalmente  de Washington e  a OTAN, ainda não existe. O Pentágono prometeu tornar pública uma declaração especial, mas isso não foi feito. Então, na sexta-feira, os militares dos EUA anunciaram uma reunião sobre o assunto, mas ele foi adiado duas vezes e acabou cancelado.

Se você já se perguntou como é o choque de todo um sistema estatal, que não é capaz de dar sequer uma reação formal protocolar mínima, como expressar profunda decepção e desaprovação incondicional, então é isso.

Os meios de comunicação em inglês dos dois lados do oceano também pareciam não notar o que havia acontecido. É que Bloomberg trouxe para a primeira página uma matéria sobre as sanções que a Casa Branca está planejando introduzir contra Ancara em conexão com o fornecimento dos S-400 “Triumphs”. Enquanto isso, para efeito real, apenas o rebaixamento do rating de longo prazo da Turquia pela agência de rating Fitch, de BB para BB-, com perspectiva negativa, pôde ser anunciado como retaliação.

Além disso, se você acredita nas fontes da Bloomberg, a reação oficial de Washington pode não ter acontecido na segunda-feira- devido ao momento extremamente infeliz para os americanos. O fato é que hoje, marca o terceiro aniversário da tentativa de golpe militar na Turquia e, como a agência delicadamente formulou em sua publicação, o governo Trump quer “evitar o fortalecimento da especulação de que os Estados Unidos são responsáveis ​​pela revolta, como afirmam as forças leais a Erdogan”.

Deve-se presumir que essa circunstância será lembrada mais de uma vez como outro exemplo da infinita traição do Kremlin, que até aqui encontrou uma maneira de humilhar ainda mais os Estados ao escolher especificamente essa data para o início das entregas do S-400.

A confusa ignorância das mídias “anglo-saxões” acabou sendo compensada por uma reação viva dos alemães. Manchetes como “ponto sem retorno” e “a maior perda geoestratégica” aparecem na mídia alemã – sobre o impacto do que aconteceu nas relações de Ancara com os EUA e sobre a possível saída da Turquia da OTAN, bem como “Triumphs” e “grande vitória” – sobre os resultados para a Rússia e pessoalmente Vladimir Putin.

A opinião de especialistas alemães e jornalistas explica a profundidade do estupor em que os Estados Unidos se viram em conexão com as fases de entrega dos S-400.

Quaisquer avisos, ameaças e até medidas implementadas para punir as ações “erradas” são efetivas até o momento em que o objeto de aplicação dos esforços correspondentes tomar uma decisão consciente: “não se importe”.

Cinco anos atrás, de acordo com “especialistas ocidentais”, a Rússia estava envolvida em um confronto aberto e duro com o Ocidente, que estava absolutamente confiante em sua vitória. As ações do Kremlin feitas por numerosos russos foram explicadas pelas ilusões estúpidas da liderança russa e sua falta de compreensão das conseqüências inevitáveis que certamente condenariam o país a uma catástrofe socioeconômica, político-estatal e até mesmo militar.

Agora, os mesmos especialistas, explicando agora porque a Rússia ainda sobreviveu, muitas vezes referem-se a sorte, uma série de etapas de sucesso (presume-se que aleatórias) do estado e características da mentalidade nacional (também conhecido como alma russa misteriosa). Eles têm uma ideia clara: sim, Moscou teve mais uma vez sorte na história, mas se o Kremlin estivesse plenamente consciente do que teria que enfrentar, nunca se envolveria – porque era pura loucura.

Este momento pode parecer insignificante, mas na verdade é fundamental. Cinco anos atrás, o leitmotiv era “os russos são loucos por franja e condenados”, e até hoje “os russos são loucos, mesmo com sorte, para repetir o “jargão” deles – a insanidade” domina o campo da informação global.

Além disso, os processos em andamento em geral não contradizem isso. Apesar das mudanças colossais dos últimos anos no mundo, a maioria deles se desenvolve de forma cuidadosa e gradual, como se implicasse a possibilidade de uma reversão para suas posições originais a qualquer momento. Isso se aplica à China e à Europa, que estão cada vez mais teimosamente defendendo seus interesses nas relações com os Estados Unidos, mas ainda não entram em confronto direto, o que interrompe seu caminho de retirada. Além disso, mesmo essa política é aplicável à política russa em muitos casos, embora, ao que parece, nosso país há muito tenha queimado todas as pontes possíveis por trás dela.

Basta recordar a operação militar na Síria. A transição da confiança de um grande número de pessoas que a Rússia embarcou em uma fatídica aventura para si, antes de aceitar o fato de Moscou sair vitoriosa do centro geopolítico sírio, levou mais de dois anos. E ainda não há resultado final, porque o processo continua lá e ainda não se sabe quanto tempo levará. E tudo porque a atitude principal da política russa é “comer um elefante pouco a pouco”.

A história da venda dos S-400 para a Turquia, também não houve forçamento: é apenas que a situação chegou ao ponto em que o próximo “pedaço de elefante”, se transformou em um conteúdo qualitativamente novo ao layout geopolítico – regional e global. E Ankara “comeu”, mudando assim toda uma camada da política mundial.

Os turcos deixam claro para todo o mundo que não têm medo da ira do exterior, e não acreditam que os Estados Unidos tenham a oportunidade de infligir danos realmente significativos ao seu país. E a ostentação mal-humorada da mídia alemã, encoberta por um filme não muito convincente de preocupação formal com o destino da solidariedade transatlântica, indica que eles também pensam assim. Há uma suspeita de que é daí que os americanos devem esperar pela próxima chamada aberta.

Fonte: RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três − dois =