Pentágono agora afirma que ataque de drone matou 10 civis afegãos

inocentes
Caixões dos mortos são levados para o túmulo de membros de uma família que teria sido morta em um ataque aéreo de drones dos Estados Unidos, em Cabul em 29 de agosto. Foto: Marcus Yam / Los Angeles Times via Getty Images

Um ataque de drones dos EUA lançado em 29 de agosto matou 10 civis no Afeganistão, incluindo sete crianças, em vez dos extremistas do Estado Islâmico que o governo Biden afirmava ter como alvo, disse o Pentágono na sexta-feira (18/09).

O Comando Central dos EUA disse anteriormente que as autoridades “sabiam” que o ataque do drone “interrompeu uma ameaça iminente do ISIS-K” ao aeroporto de Cabul e que estavam “confiantes de que atingimos o alvo com sucesso”. Mas uma investigação do Comando Central dos EUA descobriu que o ataque matou um trabalhador humanitário junto com nove membros de sua família.

Zemari Ahmadi trabalhava para uma ONG em Cabul que ajudava a distribuir alimentos aos afegãos, relata a CBS News.

Os explosivos que os militares alegaram estarem no porta-malas do carro de Ahmadi eram provavelmente garrafas de água, disse um oficial familiarizado com a investigação ao New York Times .

A “única conexão de Ahmadi com o grupo terrorista parecia ser uma interação passageira e inócua com pessoas no que os militares acreditavam ser um esconderijo do ISIS em Cabul, um elo inicial que levou analistas militares a fazer um julgamento equivocado após o outro enquanto rastreavam os movimentos de Ahmadi em um sedan pelas próximas oito horas “, escreve o Times.

Desculpas do general

“Ofereço minhas profundas condolências à família e aos amigos dos que foram mortos”, disse o general Kenneth F. McKenzie Jr., comandante do Comando Central dos EUA, em uma entrevista na sexta-feira.

“Este ataque foi realizado com a convicção de que evitaria uma ameaça iminente às nossas forças e aos evacuados do aeroporto, mas foi um erro e ofereço minhas sinceras desculpas”, disse McKenzie. “Eu sou totalmente responsável.”

McKenzie emitiu uma declaração separada na sexta-feira delineando que os comandantes no terreno tinham “autoridade apropriada” e “certeza razoável de que o alvo era válido”.

Mas após uma análise mais profunda pós-ataque, nossa conclusão é que civis inocentes foram mortos. Esta é uma terrível tragédia de guerra e é de partir o coração e estamos comprometidos em ser totalmente transparentes sobre este incidente.”

Qualquer pessoa suspeita de responsabilidade criminal deve ser processada, disse Brian Castner, assessor sênior da Amnistia Internacional para crises.

“Deve-se notar que os militares dos EUA só foram forçados a admitir seu fracasso neste ataque por causa do atual escrutínio global no Afeganistão”, disse Castner, um ex-técnico em bombas da Força Aérea, em um comunicado.

“Muitos ataques semelhantes na Síria, Iraque e Somália aconteceram fora dos holofotes, e os EUA continuam a negar responsabilidade enquanto famílias devastadas sofrem em silêncio.”

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!