Perderam o Nobel. Conheça os cientistas soviéticos mais injustiçados da história

Durante a guerra fria, era ordem no Ocidente passar informações ao público apenas, sobre coisas negativas da União Soviética(URSS) sendo verdade ou não! A Academia Real das Ciências da Suécia que concede o Prêmio Nobel de Física, o Prêmio Nobel de Química e o Prêmio de Ciências Econômicas de Oslo (Noruega), não ficou isenta dessa guerra de propaganda, e assim prejudicou muito cientistas soviéticos. É fato que a URSS durante sua existência estava muito a frente em diversos ramos da ciência, era um país que investia muito no desenvolvimento cientifico e educacional. Segundo estimativas a URSS estava 10 anos a frente dos EUA em física experimental, e muitas de suas descobertas foram contrabandeada para o Ocidente através de espionagem.

Conheça agora quatro geniais cientistas e suas grandes descobertas ignoradas.

Todos os anos, na véspera da semana do Nobel, a Academia Real Sueca de Ciências abre seus arquivos, desta vez os arquivos datam de 50 anos atrás. Assim, os nomes dos cientistas nomeados para o principal prêmio científico do mundo, mas não o receberam, ficaram conhecidos. As listas examinadas são de indicados e descobriu que, nos anos 40-60 do século passado, 34 pesquisadores soviéticos foram nomeados para o “Prêmio Nobel” 179 vezes, alguns por duas décadas seguidas. Oito pessoas se tornaram laureadas, incluindo o químico Nikolai Semenov (1956), os físicos Lev Landau (1962) e Pyotr Kapitsa (1977).

Pai da eletroquímica russa

Em 1961, o famoso químico britânico Thomas Hore falou em uma conferência da International Electrochemical Society, em Bruxelas. Ele disse que em seus anos de estudante estava interessado em quase todas as áreas da eletroquímica e, para sua surpresa, em todos os lugares havia referência do nome Frumkin. Portanto, ele concluiu que este sobrenome russo era “muito comum”. Apenas alguns anos depois, ficou claro para ele que todos os elos pertenciam a uma mesma pessoa – um eletroquímico soviético de destaque.

Acadêmico Alexander Naumovich Frumkin © RIA Novosti / David Sholomovich

Alexander Frumkin publicou seu primeiro trabalho importante em 1919 aos 24 anos e imediatamente ganhou grande fama no mundo da eletroquímica. Foi ele quem explicou os fenômenos de superfície dos eletrodos em solução e sua relação com a taxa de uma reação química. Frumkin lançou as bases para um novo ramo da eletroquímica teórica – a cinética dos processos dos eletrodos.

Segundo os arquivos da Fundação Nobel, Alexander Frumkin foi nomeado para o Prêmio Nobel 11 vezes entre 1946 e 1966. Entre outros, ele foi indicado pelo Prêmio Nobel por Nikolai Semenov e pelo destacado químico americano Isaac Koltgof. Frumkin provavelmente fora indicado anos antes, mas até agora apenas informações  até o ano de 1966 foram tornadas públicas.

O cientista morreu em 1976 e nunca recebeu o Prêmio Nobel. Seu nome foi dado ao Instituto de Química Física e Eletroquímica da Academia Russa de Ciências (IEPhE RAS). Desde 2000, a Sociedade Internacional de Eletroquímica, juntamente com a Universidade Estadual de Moscou e o IEPhE RAS, concede a Medalha Memorial Frumkin aos químicos mais respeitados.

Prêmio perdido

Físico Evgeny Konstantinovich Zavoisky CC BY 4.0 / Arquivos da República do Tartaristão

Os radicais livres – partículas contendo um ou mais elétrons não emparelhados na camada externa de elétrons – são mais facilmente detectados pelo método da ressonância paramagnética eletrônica (EPR). Também permite obter informações completas sobre sua estrutura e o grau de deslocação de um elétron não emparelhado.

A descoberta da EPR é considerada uma das chaves na ciência do século XX. Sem ele, muitos desenvolvimentos modernos no campo da física dos fenômenos magnéticos, da física de estado sólido e da química inorgânica são impensáveis.

Um EPR é baseado, por exemplo, em um amplificador paramagnético quântico que fornece comunicações espaciais de longa distância. No entanto, o autor da descoberta, o físico soviético Yevgeny Zavoisky, não recebeu o Prêmio Nobel, embora de 1958 a 1966 tenha sido proposto 22 vezes, tanto em física quanto em química.

Vários anos atrás, o acadêmico Vitaly Ginzburg, Prêmio Nobel de Física em 2003, em entrevista ao jornal Izvestia, observou que a URSS obviamente perdeu um Prêmio Nobel indiscutível, que Yevgeny Zavoisky deveria ter recebido por descobrir ressonância eletro-magnética”.

O homem que sem ele não haveria um colisor de partículas

Acadêmico Vladimir Veksler© RIA Novosti / Georgy Petrusov

Em 1951, os físicos americanos Edwin Macmillan e Glenn Seaborg receberam o Prêmio Nobel por pesquisar elementos de transurânico em um acelerador de partículas. Entre as realizações de Macmillan, o Comitê Nobel também observou a descoberta do princípio da fase automática – uma lei que explica a estabilidade de uma partícula em um acelerador cíclico ressonante na direção longitudinal.

O pesquisador americano formulou em 1945, mas um ano antes dele o mesmo princípio experimental foi descoberto e fundamentado teoricamente pelo físico experimental soviético Vladimir Veksler.

Veksler trabalhou na época no Instituto de Física da Academia de Ciências da URSS (FIAN) e, sob sua liderança em 1947, foi construído o primeiro síncrotron soviético, um acelerador de partículas carregado desenvolvido com base no princípio da fase automática.

Em 1949, o cientista criou o primeiro acelerador de prótons soviético e, em 1957, o síncrofasotron no Instituto Conjunto de Pesquisa Nuclear em Dubna, o maior do mundo na época.

Veksler nunca recebeu o Prêmio Nobel, embora, segundo os arquivos, ele tenha sido indicado pelo menos dez vezes – de 1947 a 1965.

Quarks coloridos

Acadêmico Nikolai Nikolaevich Bogolyubov© Tumanov

Outro pesquisador soviético, que recebeu o “Prêmio Nobel”, é o matemático e físico Nikolai Bogolyubov. De 1959 a 1966, ele foi indicado nove vezes. Os cientistas que propuseram Bogolyubov (entre eles o Prêmio Nobel de física Rudolf Mössbauer) que o creditaram como o autor de várias descobertas na física quântica de uma só vez.

Matemático da educação (defendeu sua tese aos 19 anos), Bogolyubov estudou superfluidez e supercondutividade, a teoria da quebra espontânea de simetria. Além disso, ele introduziu o conceito de cor para quarks. Não se trata da cor a que estamos acostumados (os quarks são pequenos demais para serem vistos no espectro de luz visível), mas de algum número quântico atribuído a essas partículas. Posteriormente, com base nessa hipótese, foi desenvolvida a cromodinâmica quântica que explica como os quarks com números quânticos idênticos coexistem em prótons e nêutrons.

Em 2004, os cientistas americanos David Gross, David Politzer e Frank Wilczek receberam o Prêmio Nobel por explicar o comportamento dos quarks. Eles provaram que se os quarks fossem separados, seria liberada energia que era várias ordens de magnitude superior à nuclear. Uma teoria semelhante foi apresentada no final dos anos 1960 por Nikolai Bogolyubov em colaboração com Albert Tavkhelidze e Viktor Matveev. No entanto, o desenvolvimento foi secreto e, portanto, permaneceu desconhecido da comunidade científica.

Por OPP/RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =