Presidente da Nicarágua: “É a hora de trocar armas atômicas por hospitais”

O chefe de Estado afirmou que a atual pandemia está levando o mundo a uma reviravolta nos modelos econômicos, acrescentando que “essa situação nos chama a unidade, solidariedade e paz”

Daniel Ortega
O presidente nicaraguense reafirmou que desde o anúncio da pandemia, em 11 de março até hoje, o país registra 1.237 mortes, sendo que apenas uma corresponde ao coronavírus. | Foto: @lavozsandinista

O presidente da Nicarágua Daniel Ortega ofereceu uma mensagem nacional na quarta-feira pedindo à comunidade internacional que mude o modelo econômico em que a vida é priorizada, em vez de guerras.

“O mundo ficou faminto por causa dessa pandemia. De que servem as armas atômicas? As armas atômicas vão acabar com o vírus? Essas armas não servem para vida, saúde e alimento para milhares de seres humanos que morrem de fome” Essas armas são para matar “, disse o chefe de Estado.

Da mesma forma, o presidente destacou que o vírus Covid-19 mostra que as práticas de combate a pandemia devem ser alteradas por políticas humanísticas: “precisamos fortalecer a paz, criar condições para que não encontremos situações dramáticas neste planeta”, acrescentou.

“Todos os milhões destinados a bombas devem ser destinados a hospitais e equipamentos médicos (…) embora não seja a primeira vez que haja pandemias, este (Covid-19) está atingindo a economia mundial, é hora de trocar as armas atômicas por hospitais “, disse o presidente Ortega.

O executivo referiu-se às políticas de privatização dos Estados Unidos (EUA), bem como à dramática situação vivida por seu povo, “a maior potência militar e econômica do mundo, não tem capacidade de responder às necessidades de seus próprios cidadãos nas grandes cidades “, afirmou.

Fortalecimento interno contra o vírus 

O chefe de Estado ponderou o fortalecimento do sistema de saúde do país, “levamos saúde a milhares de nicaraguenses. Temos milhares de consultas e operações totalmente gratuitas. O sistema de saúde não parou de funcionar”, acrescentou.

“Recentemente inauguramos Unidades de Terapia Intensiva em hospitais departamentais e regionais em meio a esta pandemia, não paramos de trabalhar (…) Se pararmos de trabalhar, o país morre”, afirmou o presidente.

Diante do trabalho do pessoal de saúde, o Presidente Ortega destacou o alto treinamento de médicos e enfermeiros no país da América Central, “no modo de casa em casa, as pessoas explicam as precauções para enfrentar a pandemia. O avanço da pandemia no país é lento e os casos são o produto de contatos externos.

“Temos médicos altamente treinados, 90% dos hospitais públicos estão equipados com todos os recursos básicos para cuidar da população. Graças a Deus não foi necessário usar todos os respiradores (…) Temos a capacidade de cuidar da população, conseguimos de maneira ordenada o ritmo em que a pandemia se desenvolveu “, afirmou o chefe de estado.

O presidente nicaraguense reafirmou que desde o anúncio da pandemia, em 11 de março até agora, o país registra 1.237 mortes em que apenas uma corresponde ao coronavírus, “o trabalho foi feito e as normas que o sistema de saúde determina (…) Todos os equipamentos e hospitais que nos queimaram em abril – aludindo às ações fascistas da extrema direita – já compramos e consertamos, agora estamos consertando estradas e construindo pontes “, acrescentou.

“Somos um país com trabalhadores e terras, apesar das dificuldades e bloqueios. Este é um povo que não será deixado para morrer de fome”, concluiu.

Por: OPP/JL

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 + seis =