Presidente do PSL afirma que querem o controlar o partido para fazer coisas “não éticas”

Bolsonaro e Bivar. Reprodução

Na queda de braço em que Bivar saiu fortalecido, após o pífio apoio de quinze deputados federais ao manifesto “pró Bolsonaro”, em entrevista ao jornal O Globo, ele disse que há um grupo mal aconselhando Bolsonaro. “O que há é um grupo capitaneado por duas ou três pessoas, um juiz desempregado, uma advogada rapina, que querem dinheiro. É tão ruim eu discutir sobre isso. Isso é o que menos importa para mim e para o presidente. Essas pessoas, sorrateiramente, cujo objetivo é outro, estão nisso. Acho que o presidente não deve estar sendo bem aconselhado porque estão vendendo ele como se fosse propriedade deles para forçar uma participação de domínio no partido e fazerem coisas que não são éticas”.

Perguntado sobre o que são essas “coisas não éticas”, Bivar respondeu:

“O fundo partidário é da bancada e eu tenho que preservar isso. Eu não posso me dobrar a contratos e ofertas de serviços que não representem realmente nenhum processo. Isso realmente cria um desconforto. Os interesseiros do partido gozam de um relacionamento com o presidente e acham que, com isso, eles vendem esse falso poder para vender serviços ao partido. Não vão ter”.

 

 

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 4 =